Acampamento produtivo Dom Tomás Balduíno em Formosa-GO

promessas não cumpridas, camponeses(as) à contrapelo

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/RCT164011

Resumo

O objetivo deste artigo é analisar o caráter dissidente/produtivo do acampamento produtivo Dom Tomás Balduíno. Para tanto se realizou pesquisa de campo, pesquisa documental e pesquisa bibliográfica, com localização, levantamento, leitura e fichamento de referências. Além de levantamento de documentos, aplicação de entrevista focal, realização de caminhada transversal, com observação sistemática da paisagem e registro fotográfico. Esse acampamento é um território dissidente porque a despeito do deslocamento das famílias para o imóvel feito pelo Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária-INCRA. Os camponeses(as) atualmente resistem a violência subjetiva, simbólica, institucional da oligarquia agrária e do Estado brasileiro. São vítimas da negação da política pública de reforma agrária, de promessas não cumpridas de fiscalização do cumprimento da função social da terra. Também instalam práticas espaciais insurgentes, promovem a produção agroecológica, com desenvolvimento da agrobiodiversidade, da soberania alimentar, da autonomia produtiva dos insumos, dos mercados alternativos. O substrato material foi reestruturado, refuncionalizado, com dotação dos princípios, conceitos e condutas inteligentes da agroecologia.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Edson Batista Silva, Universidade Estadual de Goiás - UEG

Departamento de Geografia.

Downloads

Publicado

29-06-2021

Como Citar

SILVA, E. B. Acampamento produtivo Dom Tomás Balduíno em Formosa-GO: promessas não cumpridas, camponeses(as) à contrapelo. Revista Campo-Território, Uberlândia, v. 16, n. 40 Abr., p. 212–237, 2021. DOI: 10.14393/RCT164011. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/campoterritorio/article/view/59563. Acesso em: 14 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos