CENÁRIO DOS GEOPARQUES UNESCO NA PANDEMIA DA COVID 19

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/RCG249465895

Palavras-chave:

Coronavírus, Sustentabilidade, Enfrentamento

Resumo

A concepção de um geoparque compreende a conservação do patrimônio, o crescimento econômico sustentável e o envolvimento da comunidade. A pesquisa deste artigo tem o objetivo de identificar como se encontra a situação dos geoparques da UNESCO na pandemia da COVID 19 e como ocorreu o enfrentamento dessas comunidades. Trata-se de um estudo bibliográfico por meio de uma revisão integrativa. A bibliometria para a sua composição foi realizada nas bases de dados da CAPES: Web of Science, Scopus e do Google Academics. Os descritores utilizados para a busca nas bases de dados foram: “geoparques”, “coronavírus”, “desenvolvimento sustentável”, “geodiversidade”, “geoturismo”. Os termos de tradução em inglês e espanhol e o booleano OR também foram empregados. Os geoparques de muitos países tiveram as suas atividades afetadas, de forma negativa (em sua maioria) ou de forma positiva, durante a pandemia da COVID 19, as comunidades locais, o turismo, o comércio, a indústria, o transporte, assim como o setor da hotelaria foram atingidos pelas normas sanitárias e restrições impostas pela necessidade de confinamento, distanciamento social e medidas de prevenção da pandemia de COVID 19.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Raquel Fleig, Universidade do Estado de Santa Catarina

Professora da Universidade do Estado de Santa Catarina. Doutoranda do PPGPLAN/UDESC.

Iramar Baptistella do Nascimento, Universidade do Estado de Santa Catarina

Professor Doutor da Universidade do Estado de Santa Catarina.

Jairo Valdati, Universidade do Estado de Santa Catarina

Professor Doutor do PPGPLAN da Universidade do Estado de Santa Catarina.

Downloads

Publicado

01-08-2023

Como Citar

FLEIG, R.; NASCIMENTO, I. B. do; VALDATI, J. CENÁRIO DOS GEOPARQUES UNESCO NA PANDEMIA DA COVID 19. Caminhos de Geografia, Uberlândia, v. 24, n. 94, p. 118–132, 2023. DOI: 10.14393/RCG249465895. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/caminhosdegeografia/article/view/65895. Acesso em: 20 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos