DESIGUALDADES ESPACIAIS E DIFUSÃO DE COVID-19 NA REGIÃO TOCANTINA DO MARANHÃO, BRASIL

Autores

  • Allison Bezerra Oliveira Universidade Estadual da Região Tocantina do Maranhão
  • Adriana Maria Bernardes da Silva Universidade Estadual de Campinas

DOI:

https://doi.org/10.14393/RCG249263461

Palavras-chave:

SARS-CoV-2, Saúde, Serviços médico-hospitalares

Resumo

O presente artigo tem por objetivo compreender os aspectos da difusão de Covid-19 na Região Tocantina do estado do Maranhão a partir de desigualdades historicamente existentes quanto à oferta de serviços de saúde. O período analisado compreende um ano de pandemia no estado. São considerados dados da espacialização de Unidades de Tratamento Intensivo (UTI), leitos hospitalares, respiradores/ventiladores mecânicos e seis especialidades médicas, bem como informações sobre a evolução viral nos 22 municípios que formam a região. As principais fontes de dados são o Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde (Datasus) e a Secretaria de Estado da Saúde do Maranhão. Os aspectos estudados sugerem que a concentração de especialidades médicas e equipamentos médico-hospitalares no principal centro urbano da Região Tocantina, a cidade de Imperatriz, configura-se como expressivo gargalo no enfrentamento da pandemia de Covid-19, na medida em que desencadeia fluxos de pessoas de centros com menor oferta de serviços em busca de atendimento médico, resultando em amplas áreas de contágio, além de distorções quanto a origem geográfica dos casos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Allison Bezerra Oliveira, Universidade Estadual da Região Tocantina do Maranhão

Possui graduação em Geografia e Especialização em Planejamento e Gestão Ambiental pela Universidade Estadual do Maranhão - UEMA, Mestrado e Doutorado em Geografia pela Universidade Federal de Pernambuco - UFPE. É Professor Adjunto do curso de geografia da Universidade Estadual da Região Tocantina do Maranhão - UEMASUL. É líder do Grupo de Pesquisas Socioeconômicas do Maranhão - GPS. É docente permanente do Mestrado em Geografia, Natureza e Dinâmica do Espaço da Universidade Estadual do Maranhão - UEMA. 

Adriana Maria Bernardes da Silva, Universidade Estadual de Campinas

Possui graduação em Geografia pela Universidade de São Paulo (1991), doutorado em Geografia (Geografia Humana) pela Universidade de São Paulo (2002). É doutora pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), Instituto de Geociências, desde 2003. Coordenação de Levantamentos Geográficos e Ordenamento do Território (GEOPLAN-IG-UNICAMP) desde 2008.

Downloads

Publicado

04-04-2023

Como Citar

OLIVEIRA, A. B.; SILVA, A. M. B. da. DESIGUALDADES ESPACIAIS E DIFUSÃO DE COVID-19 NA REGIÃO TOCANTINA DO MARANHÃO, BRASIL. Caminhos de Geografia, Uberlândia, v. 24, n. 92, p. 211–225, 2023. DOI: 10.14393/RCG249263461. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/caminhosdegeografia/article/view/63461. Acesso em: 24 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos