ANÁLISE DAS RELAÇÕES ESPACIAIS DOS CASOS CONFIRMADOS E ÓBITOS DA COVID-19 NO PERÍODO DE MARÇO A AGOSTO DE 2020 NO ESTADO DE PERNAMBUCO, BRASIL

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/RCG249162229

Palavras-chave:

COVID-19, Pandemia, Cartografia Temática

Resumo

Modelando os dados da COVID-19 e elaborando mapas temáticos, foi possível analisar padrões de comportamento espaço-temporal do novo coronavírus em Pernambuco. Sendo possível identificar: 01- Os maiores números de casos e óbitos estão relacionados aos municípios de maior PIB per capita; 02- A dispersão da doença acompanha as direções da rede principal de rodovias federais; 03- Os mapas temáticos dos municípios agregados aos números de casos e óbitos repercutem na propagação articulada e intensa de padrões em blocos de municípios conectados por rodovias na linha do tempo, vide Serra Talhada, São José de Belmonte, Mirandiba, Salgueiro e Parnamirim; 04- Outros municípios como Santa Maria da Boa Vista e Orocó se apresentam isolados com menos casos, assim como Belém do São Francisco e Carnaubeira da Penha, pequenos blocos isolados com menos casos e óbitos, analogamente a Ibimirim e Custódia; já Águas Belas e Serra Talhada apresentam-se fora da propagação em bloco, os  “municípios-ilhas”. Revelando, assim, um comportamento de propagação da doença, de municípios isolados ou articulados em torno e ao longo de eixos viários federais. As BR-104 e 232 assumem influência regional e as estradas estaduais e vicinais podem ter contribuído para maior "capilaridade" da disseminação da COVID-19.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Bruna Araujo Candeia, Universidade Federal de Pernambuco

Mestre no Programa de Pós Graduação em Ciências Geodésicas e Tecnologias da Geoinformação (2021) pela Universidade Federal de Pernambuco, Especialista em Gestão de Projetos (2020) através da Universidade de São Paulo/Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz, Tecnóloga em Geoprocessamento (2018) pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnológica da Paraíba (IFPB).

Ana Lúcia Bezerra Candeias, Universidade Federal de Pernambuco

Graduação em Engenharia Eletrônica pela Universidade Federal de Pernambuco - UFPE (1987). Mestrado em Sensoriamento Remoto no Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (1992) e Ph.D. em Computação Aplicada com ênfase em Sensoriamento Remoto no Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais - INPE (1997). Atualmente é Professor Associado III da Universidade Federal de Pernambuco - UFPE. Tem experiência em Sensoriamento Remoto, SIG e na área de Ciência da Computação, com ênfase em Processamento de Imagens (Processamento Gráfico - Gráficos), atuando principalmente nos seguintes temas: processamento digital de imagens, morfologia matemática, sensoriamento remoto, geoprocessamento e realidade virtual. Participa de projetos envolvendo processamento de imagem, detecção de erros de classificação em múltiplas imagens de sensores, geoprocessamento e geovisualização.

João Rodrigues Tavares Junior, Universidade Federal de Pernambuco

Doutor em Geociências pela UFPE (stricto sensu acadêmico, 2008) na área de Geofísica Aplicada (Métodos Potenciais). Pós-Doutorado em Sensoriamento Remoto usando DinSAR Atua na pesquisa de métodos teóricos e aplicados em Sensoriamento Remoto multifonte LiDAR e imagens multiespectrais.

Downloads

Publicado

22-02-2023

Como Citar

CANDEIA, B. A.; CANDEIAS, A. L. B.; TAVARES JUNIOR, J. R. ANÁLISE DAS RELAÇÕES ESPACIAIS DOS CASOS CONFIRMADOS E ÓBITOS DA COVID-19 NO PERÍODO DE MARÇO A AGOSTO DE 2020 NO ESTADO DE PERNAMBUCO, BRASIL. Caminhos de Geografia, Uberlândia, v. 24, n. 91, p. 208–223, 2023. DOI: 10.14393/RCG249162229. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/caminhosdegeografia/article/view/62229. Acesso em: 18 maio. 2024.

Edição

Seção

Artigos