ESPACIALIZAÇÃO DAS CLASSES DE USO DO SOLO NA BACIA DO RIO BRANCO – RO, DE 1985 A 2040: SUBSÍDIO PARA A GESTÃO DO TERRITÓRIO FLUVIAL

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/RCG239061528

Palavras-chave:

MOLUSCE, Território Fluvial, Bacia Rural, ODS, Gestão Hídrica, Indicadores Socioambientais

Resumo

O Estado de Rondônia criou em 2014 cinco comitês de bacia hidrográfica para mediar conflitos de uso e ocupação do solo nestes territórios. Entretanto, a ausência de informações nessas unidades compromete a eficiência na tomada de decisão. Neste contexto, objetivou contribuir com dados para a gestão do Comitê do Rio Branco e Colorado desenvolvendo uma análise multitemporal do uso e ocupação do solo entre 1985 a 2040. A análise foi realizada com imagens do Landsat seguido por simulação da paisagem realizada a partir do Modules for Land Use Change Evaluation. Como resultado, o mapeamento do uso e ocupação do solo indica que as classes de uso florestal foram mais impactadas entre 1985-2019, com transição de 33,06% de floresta para outros usos. A modelagem indicou que ocorrerá uma redução gradual do índice de desmatamento entre 2030 a 2040, com protagonismo para as áreas protegidas como as Terras Indígenas Massaco e Rio Branco, Resex Quilombola e Rebio Guaporé, que são as responsáveis pelos 52% da classe floresta a ser mantida até 2040, enquanto a pastagem ocupará 44,59% do uso do território, se for mantida a dinâmica de uso atual.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Nubia Deborah Araujo Caramello, Universidade Federal de Rondônia

Docente do Mestrado Profissional em Rede Nacional em Gestão e Regulação dos Recursos Hídricos - ProfÁgua - Polo Ji-Paraná/RO e da rede estadual de ensino básico em Rondônia há 25 anos. Realizou o doutorado pleno em Geografia, na Universidade Autônoma de Barcelona - UAB/Cataluña (Bolsista CAPES) reconhecido e validado pela Universidade Federal do Ceará. Mestrado e graduação em Geografia, e em Pedagogia através da Universidade Federal de Rondônia - UNIR. Especialista em Processamento das Informações Geográficas na Gestão Ambiental e em andamento as Pós em Gestão Pública (IFAM) e Metodologia do Ensino Profissional e Tecnológico (IFAP). Integrante como pesquisadora nos grupos de pesquisa: Aigua, Territori i Sostenibilitat - GRATS (UAB/Cataluña); Geomorfologia fluvial e Ambiental (Geomorphos/UFRJ) e idealizadora do Grupo Experimental de Pesquisa Diálogo Hídrico Multidisciplinar (motivando a pesquisa dentro e fora dos territórios universitários)

Claudia Cleomar Ximenes, Universidade Federal de Rondônia

Doutorado em Andamento em Geografia pela Fundação Universidade Federal de Rondônia (UNIR). Mestre em Geografia (2016/UNIR) (CAPES 4); Especialista em Administração Pública (2007); em Gestão Financeira (2007); em Docência do Ensino Superior (2007) e em História Regional (2017) todas as especializações pela Faculdade de Pimenta Bueno (FAP). Bacharel em Ciências Contábeis pela Fundação Universidade Federal de Rondônia (2006). Membro do Grupo de Pesquisa Experimental Diálogos Hídrico Multidisciplinar.

Miqueias Lima Duarte, Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho"

Doutorando em Ciências Ambientais na área de Geoprocessamento e Modelagem Matemática Ambiental pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho - Unesp. Graduado em Engenharia Ambiental pela Universidade Federal do Amazonas - UFAM. Mestre em Geografia na área de Paisagem, Processos do Meio Físico e Gestão Ambiental pela Universidade Federal de Rondônia - UNIR. . Pesquisador do grupo Agricultura e Ambiente - UFAM, Campus Vale do Rio Madeira. Membro do grupo de pesquisa LABCART - UNIR.

Downloads

Publicado

08-12-2022

Como Citar

CARAMELLO, N. D. A.; XIMENES, C. C.; DUARTE, M. L. ESPACIALIZAÇÃO DAS CLASSES DE USO DO SOLO NA BACIA DO RIO BRANCO – RO, DE 1985 A 2040: SUBSÍDIO PARA A GESTÃO DO TERRITÓRIO FLUVIAL. Caminhos de Geografia, Uberlândia, v. 23, n. 90, p. 383–398, 2022. DOI: 10.14393/RCG239061528. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/caminhosdegeografia/article/view/61528. Acesso em: 24 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos