MAPEAMENTO ESPAÇO-TEMPORAL DA CARCINICULTURA NO LITORAL DO ESTADO DE SERGIPE, BRASIL

Autores

  • Bruno Barros de Souza Instituto de Meio Ambiente e Recursos Hídricos da Bahia
  • Janisson Batista de Jesus Universidade Federal do Rio Grande do Sul
  • Francis Luiz Santos Caldas Universidade Federal de Sergipe
  • Marly Menezes Santos Administração Estadual do Meio Ambiente do Estado de Sergipe

DOI:

https://doi.org/10.14393/RCG239061168

Palavras-chave:

Análise espacial, Bacias Hidrográficas, Zona Costeira

Resumo

O estado de Sergipe, apesar de ser o menor estado do Brasil, responde por um expressivo percentual da produção nacional de camarão, e, apesar disso, a distribuição espacial e temporal da carcinicultura ao longo do território sergipano ainda não foi estudada. Por isso, o objetivo do presente estudo foi mapear as áreas de cultivo de camarão no litoral sergipano ao longo do tempo e analisar a sua distribuição espacial no estado de Sergipe. Para isto, foram mapeados e analisados o número de viveiros e a sua área produtiva, utilizando dados da Associação Brasileira de Criadores de Camarão e órgãos do estado de Sergipe, e levantamento por imagens de satélite. Observou-se um crescente aumento ao longo do tempo tanto na quantidade de viveiros como na área de produção de camarão, com maior expressão no ano de 2016, sendo de 1.507,04 ha, divididos em 1.951 viveiros em 17 municípios. Verificou-se também a ocorrência de Aglomerados Subnormais na região metropolitana de Aracaju. O estudo permitiu mapear e contabilizar o número de tanques e estimar a área de produção destinada à atividade de carcinicultura ao longo do litoral de Sergipe, mostrando a potencialidade da aplicação de técnicas de sensoriamento remoto na temática.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

08-12-2022

Como Citar

DE SOUZA, B. B.; DE JESUS, J. B.; CALDAS, F. L. S. .; SANTOS , M. M. MAPEAMENTO ESPAÇO-TEMPORAL DA CARCINICULTURA NO LITORAL DO ESTADO DE SERGIPE, BRASIL . Caminhos de Geografia, Uberlândia, v. 23, n. 90, p. 179–192, 2022. DOI: 10.14393/RCG239061168. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/caminhosdegeografia/article/view/61168. Acesso em: 23 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos