AS FLUVIALIDADES EM RIOS URBANOS: AS RELAÇÕES CIDADE-RIO EM ALTAMIRA-PA APÓS A INSTALAÇÃO DA UHE BELO MONTE

Autores

  • José Queiroz de Miranda Neto Universidade Federal do Pará
  • Francivaldo José da Conceição Mendes Universidade Federal do Pará https://orcid.org/0000-0001-6547-4176

DOI:

https://doi.org/10.14393/RCG239061086

Palavras-chave:

fluvialidade, rios urbanos, Altamira-PA

Resumo

Este artigo analisa as mudanças nas relações que os habitantes estabelecem com os rios urbanos na cidade de Altamira-PA após a construção da Usina Hidrelétrica de Belo Monte entre 2011 e 2019. Como mediação teórica, utilizamos a noção de “fluvialidade”, que se relaciona à expressão da vida cotidiana que ocorre no e pelo rio, possível pela apropriação coletiva das espacialidades fluviais. No que tange à metodologia adotada, apresenta-se como base o conceito de produção do espaço, sobretudo no que se refere à presença cada vez mais forte das formas formas-conteúdo modernas. A análise se dá mediante às variáveis relacionadas ao acesso ao rio a partir de três dimensões: trabalho, habitação e lazer, tendo como fontes os dados secundários da empresa Norte Energia S.A, entrevistas estruturadas e trabalho de campo. Os resultados apontam que antes de Belo Monte as espacialidades fluviais eram acessadas de modo mais espontâneo e direcionados ao seu uso comum, porém, depois da construção da hidrelétrica, os usos passaram a ser institucionalizados pelo Estado e voltados ao mercado, realidade essa que denominamos de “fluvialidades reprimidas”.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

08-12-2022

Como Citar

DE MIRANDA NETO, J. Q.; MENDES, F. J. da C. AS FLUVIALIDADES EM RIOS URBANOS: AS RELAÇÕES CIDADE-RIO EM ALTAMIRA-PA APÓS A INSTALAÇÃO DA UHE BELO MONTE. Caminhos de Geografia, Uberlândia, v. 23, n. 90, p. 161–178, 2022. DOI: 10.14393/RCG239061086. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/caminhosdegeografia/article/view/61086. Acesso em: 22 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos