ÁREAS VERDES PROTEGIDAS LEGALMENTE E APTAS PARA INTERLIGAREM DUAS UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/RCG238859816

Palavras-chave:

Fragmentação, Análise Espacial, Legislação ambiental, Áreas de preservação permanente

Resumo

Os instrumentos legais previstos na legislação brasileira são essenciais para a preservação ambiental. Portanto, propõem-se a identificação das áreas protegidas de acordo com a Lei de Proteção da Vegetação Nativa (LPVN) para a interligação da Floresta Nacional de Ipanema ao Parque Natural Municipal Corredores de Biodiversidade, com auxílio do software ArcGIS 10.6, para comparação dos resultados de uso e ocupação do solo de 2008 antes da alteração do Código Florestal pela LPVN em 2019, a fim de identificar as áreas em que foram concedidas anistias, e estabelecidas as Áreas de Preservação Permanente (APP). Para estabelecimento das áreas em imóveis rurais protegidas legalmente foram utilizados os dados do Cadastro Ambiental Rural (CAR), sendo subtraídas as áreas consolidadas preexistentes a 2008 localizadas nos limites das APPs. Foram verificados que não houve áreas com anistia a serem consideradas dentro das APPs. Observou-se um aumento na expansão urbana de 12 km2 e uma redução da área de pastagem nos anos estudados. Verificou-se ainda que do total da área de estudo de 406 km2, desconsiderando as áreas das Unidades de Conservação somente 47,95 km2 estão protegidos legalmente. Verifica-se ainda que 57% das áreas protegidas devem ser recuperadas por estarem em desacordo com a Lei.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Renan Angrizani de Oliveira, Universidade Estadual Paulista

Possui Graduação em Gestão Ambiental e em Engenharia Ambiental, Mestrado Profissional em Processos Tecnológicos e Ambientais pela Universidade de Sorocaba e Doutorado em Ciências Ambientais em andamento na Universidade Estadual Paulista Julio de Mesquita Filho. Atualmente é docente na Universidade de Sorocaba. Possui experiência na área de Ciências Ambientais, com ênfase em Engenharia Ambiental.

Erik de Lima Andrade, Universidade Estadual Paulista

Bacharel em engenharia ambiental pela Universidade de Sorocaba - UNISO (2014), mestre em ciências ambientais pelo Instituto de Ciência e Tecnologia de Sorocaba - UNESP (2017), atualmente é doutorando em ciências ambientais pela mesma instituição. Tecnicamente, tem experiência na área de engenharia ambiental, atuando principalmente com licenciamento ambiental, monitoramento de águas superficiais e subterrâneas para fins de consumo humano, outorga de direito de uso de recursos hídricos, supressão de vegetação e compensação ambiental, monitoramento e avaliação de ruído ambiental. Na área acadêmica, tem experiência com tratamento de águas superficiais utilizando-se coagulantes orgânicos e inorgânicos, avaliação de ruído ambiental, geoprocessamento e sensoriamento remoto.

Bruno Pereira Toniolo, Universidade Estadual Paulista

Tecnólogo em Edifícios formado pela Fatec (2010) e possui especialização em Geoprocessamento pela PUC Minas (2017). Trabalha como projetista cadista na SABESP desde 2012 elaborando mapas temáticos, projetos de abastecimento e de esgotamento, em ambiente SIG e CAD. Leciona nos cursos técnicos de construção civil e design de interiores do Centro Paula Souza (CEETEPS) desde 2014. Atualmente é mestrando em Ciências Ambientais na UNESP na linha de pesquisa de geoprocessamento. Interesse em BIM, Lisps e geotecnologias. Também é criador do canal no Youtube "Bruno Toniolo - RB Cadi Geotecnologias", o qual aborda assuntos relacionados a construção civil e geoprocessamento.

Antonio Cesar Germano Martins, Universidade Estadual Paulista

Possui doutorado em Engenharia Elétrica na área de Sistemas Eletrônicos pela Universidade de São Paulo (1997), mestrado em Física na área de instrumentação nuclear pela Universidade de São Paulo (1993) e graduação em Bacharelado em Física pela Universidade Estadual de Campinas (1989) onde participou de pesquisas em instrumentação para supercondutividade, plasma e raios cósmicos. Foi Professor Visitante (Research Associate) na Universidade de Calgary em 1996 e 2001 e professor visitante convidado das Universidades de Calgary e da Universidade de Ryerson em Toronto em 2005. Realizou estágio docente na Universidade de Sevilha em 2014. Atualmente é professor livre docente do Instituto de Ciência e Tecnologia de Sorocaba da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho - UNESP, onde está cadastrado como docente de disciplina e orientador no Programa de Pós-Graduação em Ciências Ambientais. Entre março de 2009 e março de 2013 foi Coordenador Executivo do Campus da UNESP em Sorocaba. Foi coordenador do projeto de extensão Impetus de 2008 a 2017. Liderou o Laboratório de Automação e Processamento de Imagens (LAPI), atual Grupo de Automação e Sistemas Integráveis (GASI), de 2004 a 2007, passando novamente a atuar como líder do mesmo grupo de 2014 a 2017. Tem experiência nas áreas de instrumentação em Física e Engenharia da Computação, atuando em processamento de imagens digitais, uso de tomografia computadorizada na caracterização de materiais, utilização de redes neurais para a classificação de padrões, modelagem matemática aplicada à análise ambiental. Foi Coordenador do Curso de Engenharia de Computação da Faculdade de Engenharia de Sorocaba (FACENS) entre março de 1998 e março de 2004.

Darllan Collins da Cunha e Silva, Universidade Estadual Paulista

Possui Graduação e Mestrado em Engenharia Ambiental pela Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP) e Doutorado em Ciências Ambientais pela UNESP - Campus de Sorocaba. Tem experiência na área de Engenharia Ambiental, com ênfase em Controle da Poluição do Ar, Mapeamento Cartográfico, Gestão de Bacias Hidrográficas e Indicadores Ambientais. Atuando principalmente nos seguintes temas: Dispersão de Poluentes Atmosféricos, Gestão de Recursos Hídricos, Geoprocessamento e Sensoriamento Remoto. Tem experiência na coordenação e participação em projetos de pesquisa e extensão aprovados em empresas e IES públicas e privadas. Participou da Oficina de Elaboração e Revisão de Itens do Enade 2017 para Engenharia Ambiental. Atualmente é Professor Assistente Doutor da Universidade Estadual Paulista (Unesp), campus de Registro onde ministra aulas na graduação em Engenharia de Pesca.

Downloads

Publicado

04-08-2022

Como Citar

de Oliveira, R. A., Andrade, E. de L., Pereira Toniolo, B., Martins, A. C. G., & e Silva, D. C. da C. (2022). ÁREAS VERDES PROTEGIDAS LEGALMENTE E APTAS PARA INTERLIGAREM DUAS UNIDADES DE CONSERVAÇÃO. Caminhos De Geografia, 23(88), 300–312. https://doi.org/10.14393/RCG238859816

Edição

Seção

Artigos