AVALIAÇÃO DA RECOMPOSIÇÃO VEGETAL DOS FRAGMENTOS FLORESTAIS URBANOS NA BACIA DO CÓRREGO CLEÓPATRA/MOSCADOS, MARINGÁ-PR

Autores

  • Giuliano Torrieri Nigro Universidade Estadual de Maringá

DOI:

https://doi.org/10.14393/RCG238658740

Palavras-chave:

Ecologia da Paisagem, . Áreas Verdes Urbanas

Resumo

O objetivo da pesquisa é analisar a dinâmica da vegetação dos fragmentos florestais localizados na bacia hidrográfica do córrego Cleópatra/Moscados, região central da cidade de Maringá, Paraná, como subsídio ao planejamento da paisagem. Investigou-se a ocorrência de recomposição ou regressão florestal nos períodos entre os anos 2003, 2013 e 2018, assim como as condições atuais da vegetação em cada um dos 20 fragmentos abordados. Observou-se considerável recomposição florestal entre 2003 e 2013, variando de 6,7% para 9,6% do total da área da bacia. Essa recomposição se deu quase integralmente nos fundos de vale (FV), que, de acordo com a metodologia de Avaliação Ecológica Rápida (AER), apresentaram as piores condições, na sua maioria, em estágio inicial de sucessão ecológica, baixo número de indivíduos arbóreos, baixa diversidade de espécies nativas, grande quantidade de espécies exóticas/invasoras e maior desequilíbrio entre os grupos ecológicos. Os da classe parques urbanos (PU) e reservas florestais (RF) apresentaram melhores condições, com maior diversidade de indivíduos arbóreos e nativos, menor presença de espécies exóticas/invasoras e maior equilíbrio entre os grupos ecológicos. Essa condição se explica, parcialmente, pelo histórico de uso do solo, haja vista que os fragmentos de classe FV apresentaram recomposição tardia em relação aos demais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

01-04-2022

Como Citar

NIGRO, G. T. AVALIAÇÃO DA RECOMPOSIÇÃO VEGETAL DOS FRAGMENTOS FLORESTAIS URBANOS NA BACIA DO CÓRREGO CLEÓPATRA/MOSCADOS, MARINGÁ-PR. Caminhos de Geografia, Uberlândia, MG, v. 23, n. 86, p. 282–297, 2022. DOI: 10.14393/RCG238658740. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/caminhosdegeografia/article/view/58740. Acesso em: 7 dez. 2022.

Edição

Seção

Artigos