A COVID-19 E A DESIGUAL ESPACIALIDADE NA OFERTA DOS SERVIÇOS DE SAÚDE NO SEGMENTO DE REDE URBANA REGIONAL NO ESTADO DO TOCANTINS, BRASIL

Autores

  • Kelly Bessa Universidade Federal do Tocantins, Pós-Graduação em Geografia, Porto Nacional, e Pós-Graduação em Ciências do Ambiente, Palmas, TO, Brasil
  • Rodolfo Alves da Luz Universidade Federal do Tocantins, Pós-Graduação em Desenvolvimento Regional, Palmas, TO, Brasil

DOI:

https://doi.org/10.14393/RCG0058503

Palavras-chave:

Dispersão espacial, Serviços de saúde, Centralidade, Desigualdade

Resumo

O presente artigo demonstra a dispersão espaço-temporal da Covid-19 nos seis meses de ocorrência no Tocantins, com a finalidade de analisar a espacialização das internações e dos deslocamentos da população em busca da assistência hospitalar ofertada nos principais centros desse segmento regional da rede urbana, em área de cerrado no centro-norte do Brasil. A dispersão da Covid-19 assume dois padrões espaciais, um vertical e outro horizontal, marcados por pontos, áreas e regiões que, por fim, abrangem todo o território tocantinense. Há ampliação da oferta pública para o atendimento dos casos hospitalares da Covid-19 no estado. Mas, tal assistência manteve-se concentrada em alguns centros urbanos de influência regional e sub-regional, sobretudo para os leitos de tratamento intensivo. Assim, na pandemia nota-se a manutenção de uma espacialização centralizada, desigual e limitada no que tange ao acesso da população, aprofundando as desigualdades socioespaciais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

17-12-2020

Como Citar

BESSA, K. .; DA LUZ, R. A. . A COVID-19 E A DESIGUAL ESPACIALIDADE NA OFERTA DOS SERVIÇOS DE SAÚDE NO SEGMENTO DE REDE URBANA REGIONAL NO ESTADO DO TOCANTINS, BRASIL. Caminhos de Geografia, Uberlândia, p. 144–163, 2020. DOI: 10.14393/RCG0058503. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/caminhosdegeografia/article/view/58503. Acesso em: 21 jun. 2024.