DAS ABÓBORAS AOS GRÃOS DE SOJA: UMA ANÁLISE TERRITORIAL DE RIO VERDE, GOIÁS

Autores

  • Fernando Uhlmann Soares Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Goiano (IFGoiano)
  • Ricardo Junior de Assis Fernandes Gonçalves Universidade Estadual de Goiás (UEG)

DOI:

https://doi.org/10.14393/RCG0058502

Palavras-chave:

Agrotóxicos, Água, Cerrado, Contaminação

Resumo

O presente texto apresenta resultados da pesquisa que teve como centralidade compreender as implicações territoriais da modernização conservadora da agricultura e do território de Rio Verde no Sudoeste Goiano. A metodologia contou com procedimentos de pesquisas qualitativa e quantitativa, como investigação bibliográfica, pesquisa de campo, entrevistas, registros fotográficos, levantamento e sistematização de dados e informações em mapas, gráficos e quadros. Os resultados permitiram constatar que a formação econômica e social de Rio Verde revela a integração dos territórios do Cerrado às redes de produção globais da economia capitalista. Ademais, sublinha-se que esse processo, revelador de transformações das forças produtivas, toca uma mudança de representação do município como “cidade das abóboras” para “cidade do agronegócio” ou “capital do agronegócio”. Como reação crítica a isso, defende-se que Rio Verde, devido às contradições e conflitos do modelo monocultor e agroexportador, pode ser denominado de “cidade do agrotóxico”. Finalmente, a interpretação territorial desenvolvida na pesquisa permitiu sistematizar resultados que contribuem com o debate geográfico crítico promovido em Goiás.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

17-12-2020

Como Citar

Soares, F. U. ., & Gonçalves, R. J. de A. F. . (2020). DAS ABÓBORAS AOS GRÃOS DE SOJA: UMA ANÁLISE TERRITORIAL DE RIO VERDE, GOIÁS . Caminhos De Geografia, 131–143. https://doi.org/10.14393/RCG0058502