ANÁLISE ESPACIAL DOS NÍVEIS DE MERCÚRIO COMO INDICADOR DE MUDANÇA AMBIENTAL E DA QUALIDADE DO SOLO EM SISTEMAS AGROFLORESTAIS NO SUL DA AMAZÔNIA

Autores

  • Joiada Moreira da Silva Linhares INSTITUTO FEDERAL DE EDUCA
  • Wanderley Rodrigues Bastos Fundação Universidade Federal de Rondônia_UNIR
  • Ronaldo de Almeida Fundação Universidade Federal de Rondônia - UNIR
  • Angelo Gilberto Manzatto Fundação Universidade Federal de Rondônia - UNIR
  • Igor Bruno Barbosa de Holanda Fundação Universidade Federal de Rondônia - UNIR
  • Maria Cristina Recktenvald Fundação Universidade Federal de Rondônia - UNIR
  • Deborah Pereira Linhares INSTITUTO FEDERAL DE EDUCA

DOI:

https://doi.org/10.14393/RCG207145352

Palavras-chave:

Uso da terra., Metal pesado., Análise espacial., Qualidade do solo.

Resumo

O sistema agroflorestal (SAF) é o uso da terra que integra no mesmo espaço o
cultivo de espécies agrícolas e silviculturais. O SAF é apontado como estratégico na
mitigação das emissões de dióxido de carbono (CO2) e, é uma alternativa de uso da
terra capaz de atenuar a remobilização de mercúrio em solo cultivado. O objetivo do
estudo foi analisar a variabilidade espacial das concentrações do mercúrio como
indicador de mudança ambiental e da qualidade do solo em diferentes sistemas de
uso e cobertura da terra no Assentamento Rural Umari, sul do Amazonas. Os
procedimentos metodológicos compreenderam a descrição das unidades
experimentais; procedimentos analíticos dos atributos físicos e químicos do solo e;
aplicação de métodos estatísticos espaciais e convencionais. Os solos sob SAF’s
com dez anos ou mais de implantação apresentaram elevada capacidade de
retenção de mercúrio quando comparado ao solo sob agricultura itinerante com ou
sem pousio. Portanto, admite-se que os SAF’s promovem melhorias à qualidade do
solo, contribuindo na retenção de mercúrio depositado na forma gasosa e
particulada.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Joiada Moreira da Silva Linhares, INSTITUTO FEDERAL DE EDUCA

Licenciado e Bacharel em Geografia. Mestre e Doutor em Desenvolvimento Regional e Meio Ambiente. Pesquisador de apoio técnico no Laboratório de Biogeoquímica Ambiental Wolfang C. Pfeiffer, Universidade Federal de Rondônia. Professor do Ensino Básico, Técnico e Tecnológico do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amazonas, campus Lábrea.

Wanderley Rodrigues Bastos, Fundação Universidade Federal de Rondônia_UNIR

Graduado em Ciências Biológicas pela Fundação Técnico Educacional Souza Marques (1986), concluiu o mestrado (1997) e doutorado (2004) em Ciências Biológicas (Biofísica Ambiental) no Instituto de Biofísica Carlos Filho da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Atualmente é Professor Associado III pelo Departamento de Biologia; Coordenador do Laboratório de Biogeoquímica Ambiental Wolfgang Christian Pfeiffer desde 1999 e Bolsista de Produtividade CNPq desde 2006. Coordenou de 2007 a 2009 a Pós-Graduação em Desenvolvimento Regional e Meio Ambiente da Universidade Federal de Rondônia e atualmente faz parte do seu Colegiado. Integra também os Programas de Pós-Graduação de Biofísica da UFRJ e a Rede BIONORTE. Atuou como chefe do Departamento de Ciências Biológicas da Universidade Federal de Rondônia entre 2010/2012. Atuou como membro do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia para Pesquisa Translacional em Saúde e Ambiente na Região Amazônica (INCT-INPeTAm) coordenado pelo Instituto de Biofísica Carlos C. Filho da UFRJ. Atualmente integra o Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia para a pesquisa da Transferência de Materiais do Continente para o Oceano (INCT-TMCOcean) coordenado pelo Prof. Dr. Luiz Drude de Lacerda do Laboratório de Ciências do Mar da UFC. Desenvolve estudos na área de: Ambiente & Saúde; Biofísica Ambiental; Biogeoquímica de Poluentes e Ecotoxicologia Aquática (Amazônia).

Ronaldo de Almeida, Fundação Universidade Federal de Rondônia - UNIR

Possui graduação em Ciências Biológicas pela Universidade Federal de Rondônia (2004), mestrado em Desenvolvimento Regional e Meio Ambiente pela Universidade Federal de Rondônia (2006) e doutorado em Ciências Biológicas (Biofísica) pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2012). Atuou como professor adjunto Universidade Federal do Amazonas. Atualmente é professor ADJ III da Universidade Federal de Rondônia. Tem experiência nas seguintes áreas: Ecologia com ênfase em Ecologia de reservatórios, atuando principalmente nos seguintes temas: Limnologia de reservatórios, contaminação ambiental e humana por mercúrio na região amazônica. Métodos cromatográficos e espectrométricos para a detecção de mercúrio em matrizes complexas.

 

Angelo Gilberto Manzatto, Fundação Universidade Federal de Rondônia - UNIR

Sou professor adjunto II da Universidade Federal de Rondônia (Unir, campus Porto Velho) com regime de dedicação exclusiva e, atuo na área de ecologia, dinâmica e estrutura de florestas amazônicas e ecologia de ecossistemas. Nos últimos anos venho participando como pesquisador colaborador em projetos multidisciplinares e interinstitucionais (CNPq/MCT/PPG7?FaseII; CNPq/CT-Hidro, CNPq/CT-Saúde e CNPq/Universal). Na graduação venho lecionando disciplinas de ecologia de campo, fundamentos de ecologia e de populações e ecologia de comunidades e biodiversidade para o curso de Ciências Biológicas da Unir no município de Porto Velho. Participo como membro permanente dos programas de pós-graduação em Desenvolvimento Regional e Meio Ambiente da Universidade Federal de Rondônia e da REDE BIONORTE - Rede de Biodiversidade e Biotecnologia da Amazônia Legal. Sou membro do Programa de Pesquisa em Biodiversidade - PPBIO em Rondônia e do Comité Gestor do INCT-Cenbam (Centro de Estudos da Biodiversidade Amazônica) e Vice-Coordenador do Curso de Pós-Graduação em Desenvolvimento Regional e Meio Ambiente (PGDRA/UNIR).

Igor Bruno Barbosa de Holanda, Fundação Universidade Federal de Rondônia - UNIR

Biólogo graduado pela Universidade Federal de Rondônia-UNIR (2008). Mestre em Desenvolvimento Regional e Meio Ambiente pelo Programa de Pós Graduação em Desenvolvimento Regional e Meio Ambiente/Área de concentração: Monitoramento Ambiental, também pela Universidade Federal de Rondônia (2012). Técnico de nível superior no laboratório de Biogeoquímica Ambiental Wolfgang C. Pfeiffer, Universidade Federal de Rondônia (2005-2014).Possuo experiência em: desenvolvimento regional sustentável, análises ambientais, ecotoxicologia, contaminação ambiental, banco de dados, SIG, geoprocessamento, georeferenciamento e sensoriamento remoto.

Deborah Pereira Linhares, INSTITUTO FEDERAL DE EDUCA

Possui graduação (Licenciatura e Bacharelado) em Geografia pela Universidade Federal de Rondônia e mestrado em Desenvolvimento Regional e Meio Ambiente pela Universidade Federal de Rondônia (2009). Atualmente é servidora efetiva (Técnica Administrativa em Educação) do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amazonas e pesquisador-colaborador do Laboratório de Biogeoquímica Ambiental Wolfgang C. Pfeiffer.

Downloads

Publicado

28-08-2019

Como Citar

LINHARES, J. M. da S.; BASTOS, W. R.; ALMEIDA, R. de; MANZATTO, A. G.; DE HOLANDA, I. B. B.; RECKTENVALD, M. C.; LINHARES, D. P. ANÁLISE ESPACIAL DOS NÍVEIS DE MERCÚRIO COMO INDICADOR DE MUDANÇA AMBIENTAL E DA QUALIDADE DO SOLO EM SISTEMAS AGROFLORESTAIS NO SUL DA AMAZÔNIA. Caminhos de Geografia, Uberlândia, MG, v. 20, n. 71, p. 160–181, 2019. DOI: 10.14393/RCG207145352. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/caminhosdegeografia/article/view/45352. Acesso em: 27 nov. 2022.

Edição

Seção

Artigos