A GEOGRAFIA ESCOLAR BRASILEIRA: UMA REVISÃO NECESSÁRIA

Autores

  • Rosimeire Petruci Universidade Federal de Uberlândia
  • Rita de Cássia Martins de Souza Universidade Federal de Uberlândia – UFU Instituto de Geografia, Uberlândia - MG

DOI:

https://doi.org/10.14393/RCG207145155

Palavras-chave:

Pensamento Geográfico, Geografia Escolar, História da Geografia, Identidade Nacional.

Resumo

Revisitar a história da Geografia escolar coloca em evidência os momentos importantes pela qual a ciência geográfica caminhou desde sua sistematização no final do século XIX até a segunda metade do século XX, após sua consolidação definitiva no rol das ciências humanas. Essas evidências refletem o papel desempenhado pela Geografia no Brasil e o complexo jogo de interesses que permearam a história brasileira desde tempos remotos na intenção de estabelecer um modelo de nacionalidade com aspiração progressista e moderna. Este artigo tem o intuito de sinalizar algumas reflexões sobre como o pensamento geográfico serviu de escopo para a consolidação da Geografia como disciplina escolar em consonância com os interesses das classes dominantes na busca por um “ideal de brasilidade”. Não é por acaso que veremos, a seguir, como a Geografia escolar se concretizou como ferramenta necessária para a (re)organização do território brasileiro, tanto no campo ideológico quanto na prática.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rosimeire Petruci, Universidade Federal de Uberlândia

Licenciada em Geografia pela Universidade Federal de Uberlândia. Mestre em Geografia Humana pela mesma instituição. Doutorado em anadamento em Geografia Humana pelo Programa de Pós Graduação em Geografia PPGEO/ UFU.

Downloads

Publicado

18-08-2019

Como Citar

PETRUCI, R.; SOUZA, R. de C. M. de . A GEOGRAFIA ESCOLAR BRASILEIRA: UMA REVISÃO NECESSÁRIA. Caminhos de Geografia, Uberlândia, MG, v. 20, n. 71, p. 72–84, 2019. DOI: 10.14393/RCG207145155. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/caminhosdegeografia/article/view/45155. Acesso em: 3 dez. 2022.

Edição

Seção

Artigos