ANÁLISE MORFOLÓGICA DO BAIXO CURSO DO RIO CUBATÃO, EM JOINVILLE (SC), NO PERÍODO ENTRE 1938 E 2015: IMPACTO DE BARRAGEM NA MORFODINÂMICA FLUVIAL

Autores

  • Ricardo Michael Pinheiro Silveira Universidade Federal do Paraná
  • Fabiano Antônio de Oliveira Universidade Federal do Paraná
  • Gisele Neuman Universidade Federal do Paraná

DOI:

https://doi.org/10.14393/RCG217642607

Palavras-chave:

Análise multitemporal, Índice de sinuosidade, Meandros, Barras fluviais, Modelo Digital do Terreno

Resumo

O presente trabalho objetivou analisar o impacto ocasionado na morfologia fluvial pela construção de uma barragem e de um canal retificado (de derivação) no baixo curso do rio Cubatão, localizado no nordeste do estado de Santa Catarina. A análise multitemporal se deu a partir fotografias aéreas e imagens de satélite dos anos de 1938, 1953, 1966, 1996 e 2010 e 2015. Foram delimitados os canais de drenagem de cada ano, seguido do cálculo da sinuosidade e mapeamento dos meandros e barras existentes. Por fim, foram modelados dois cenários do índice de potência do escoamento: um considerando o leito natural e outro apenas o canal de derivação. Como decorrência da construção da barragem e do canal retificado que dividiu o fluxo do rio Cubatão na década de 1950, os resultados expuseram as alterações morfológicas e morfodinâmicas do rio, denotando o aumento da sinuosidade (4,7%), a queda progressiva da área ocupada pelo leito vazante (44%) e o decréscimo de 78% da área ocupada por barras. Reforça-se que houve um destacado aumento da sinuosidade do rio entre 1953 e 1966. Próximo à foz, inversamente, a sinuosidade diminuiu em 2% e a área do leito vazante, de modo destacado, aumentou em 16%.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

03-08-2020

Como Citar

SILVEIRA, R. M. P.; OLIVEIRA, F. A. de; NEUMAN, G. ANÁLISE MORFOLÓGICA DO BAIXO CURSO DO RIO CUBATÃO, EM JOINVILLE (SC), NO PERÍODO ENTRE 1938 E 2015: IMPACTO DE BARRAGEM NA MORFODINÂMICA FLUVIAL. Caminhos de Geografia, Uberlândia, MG, v. 21, n. 76, p. 1–15, 2020. DOI: 10.14393/RCG217642607. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/caminhosdegeografia/article/view/42607. Acesso em: 30 nov. 2022.

Edição

Seção

Artigos