COMO AMPLIAR O IMPACTO DO PAGAMENTO AO PRODUTOR DE ÁGUA? O DESAFIO DA PRECIFICAÇÃO E DA CONTINUIDADE

Autores

  • Markus Erwin Brose Universidade de Santa Cruz do Sul
  • Ayri Saraiva Rando

Palavras-chave:

Pagamento por serviços ambientais, cobrança pelo uso da água, Produtor de Água.

Resumo

O Pagamento por Serviços Ambientais deixou de ser um conceito teórico para tornar-se uma das principais respostas, tanto de movimentos sociais, como de governos, ao desafio de ampliar a proteção aos recursos hídricos para além da proteção legal. Entre 1999/2005, política estadual de subsídio ao látex natural no Acre, bem como o Proambiente na Amazônia, foram iniciativas contemporâneas à Avaliação Ecossistêmica do Milênio. Desde a iniciativa pioneira do pagamento pela produção de água potável a agricultores familiares no município de Extrema/MG, em 2007, diversos projetos piloto no país adotaram as diretrizes do Programa Produtor de Ãgua. Porém, nenhuma destas iniciativas foi institucionalizada a ponto de obter sustentabilidade econômico-financeira. Com base na observação participante e revisão crítica das ações in loco de cinco projetos piloto em diferentes bacias hidrográficas do país, o presente trabalho argumenta que na busca por alternativas o caminho de inserção deste pagamento no orçamento público não parece ser realista, sendo a cobrança pelo uso da água uma opção mais promissora. Outra dificuldade na institucionalização destes projetos são os baixos valores pagos anualmente por hectare preservado de mata em pé aos agricultores. O pagamento indireto, via subsídio a produtos da produção familiar, desponta como alternativa mais promissora. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

30-12-2017

Como Citar

Erwin Brose, M., & Saraiva Rando, A. (2017). COMO AMPLIAR O IMPACTO DO PAGAMENTO AO PRODUTOR DE ÁGUA? O DESAFIO DA PRECIFICAÇÃO E DA CONTINUIDADE. Caminhos De Geografia, 18(64), 01–10. Recuperado de https://seer.ufu.br/index.php/caminhosdegeografia/article/view/40892