INFLUÊNCIAS E SIGNIFICADOS DA FESTA DE SÃO FRANCISCO DAS CHAGAS NO COMÉRCIO VAREJISTA E NA COTIDIANIDADE DA POPULAÇÃO DE CANINDÉ-CE

Autores

  • Francisco John Lennon Alves Paixão Lima Universidade Estadual de Maringá - UEM
  • Maria das Graças de Lima Universidade Estadual de Maringá - UEM

DOI:

https://doi.org/10.14393/RCG186107

Palavras-chave:

Festa religiosa, Geografia Cultural, Metamorfose da população, Santuário de Canindé-CE.

Resumo

O presente artigo analisa as influências e os significados da festa de São Francisco das Chagas no comércio varejista e na vida dos moradores da cidade de Canindé-CE. Para tal, foi aplicado questionário com a população e realizado entrevista com representantes da Basílica de São Francisco das Chagas e da Prefeitura Municipal. Foi também realizado trabalho de campo em 2014 (no período das festividades do padroeiro) e em março de 2015. Realizou-se ainda pesquisa bibliográfica em livros, jornais e sites específicos, como IBGE e IPECE. A crença no santo promove um movimento periódico de romeiros à Canindé e se caracteriza enquanto movimento cosmogônico. Os resultados apontam uma interdependência sacro-profana vivenciada pela população da cidade, que vê a festa do padroeiro como uma forma de geração de renda, de satisfação espiritual e identidade cultural: devoção no santo, aquecimento da economia local e pertencimento. Apesar da importância religiosa e econômica da festa, ainda é pouco o que resulta para a cidade: há necessidade de maior investimento em infraestrutura dedica ao romeiro, bem como à satisfação de sua população. Apesar disso, a infraestrutura dedicada à comercialização de produtos que expressam a religiosidade no padroeiro, assim como aquela aos romeiros, apresenta notório crescimento.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

31-03-2017

Como Citar

LIMA, F. J. L. A. P.; LIMA, M. das G. de. INFLUÊNCIAS E SIGNIFICADOS DA FESTA DE SÃO FRANCISCO DAS CHAGAS NO COMÉRCIO VAREJISTA E NA COTIDIANIDADE DA POPULAÇÃO DE CANINDÉ-CE. Caminhos de Geografia, Uberlândia, v. 18, n. 61, p. 103–122, 2017. DOI: 10.14393/RCG186107. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/caminhosdegeografia/article/view/34220. Acesso em: 4 mar. 2024.

Edição

Seção

Artigos