A QUESTÃO DA ESCALA NA CARTOGRAFIA BIOGEOGRÁFICA: UMA PROPOSTA DE MAPEAMENTO DE BIÓTOPOS EM SÃO LOURENÇO (MG)

Autores

  • Roberto Marques Neto Universidade Federal de Juiz de Fora

DOI:

https://doi.org/10.14393/RCG165325078

Palavras-chave:

Biótopo, cartografia biogeográfica, escala, geossistemas

Resumo

O presente trabalho tem por objetivo levar a efeito uma abordagem em duas escalas das manifestações biogeográficas a partir da caracterização e mapeamento de biótopos nas escalas de 1:50.000 e 1:10.000 executados no município de São Lourenço, sul de Minas Gerais. As bases para o mapeamento na escala de 1/50000 se referem à folha topográfica (IBGE) e imagens de satélite compatíveis com a escala em questão, ao passo que o mapeamento na escala de 1/10000 foi elaborado sobre fotos aéreas, sendo posteriormente discutidas as unidades de mapeamento discernidas e seus documentos cartográficos correlatos em relação à escala utilizada. O discernimento dos biótopos se deu com base na avaliação do meio físico em associação ao uso da terra como suporte ao desenvolvimento das biocenoses, e permitiu a observância dos agrupamentos biocenóticos arranjados em mosaicos formadores de paisagens (escala 1:50.000), bem como das biocenoses elementares que se manifestam nos níveis escalares topológicos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Roberto Marques Neto, Universidade Federal de Juiz de Fora

Prof. Adjunto do Departamento de Geociências e do Programa de Pós-Graduação em Geografia da Universidade Federal de Juiz de Fora

Downloads

Publicado

24-03-2015

Como Citar

MARQUES NETO, R. A QUESTÃO DA ESCALA NA CARTOGRAFIA BIOGEOGRÁFICA: UMA PROPOSTA DE MAPEAMENTO DE BIÓTOPOS EM SÃO LOURENÇO (MG). Caminhos de Geografia, Uberlândia, MG, v. 16, n. 53, p. 201–214, 2015. DOI: 10.14393/RCG165325078. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/caminhosdegeografia/article/view/25078. Acesso em: 4 dez. 2022.

Edição

Seção

Artigos