LEVANTAMENTO DE SOLO EM DIFERENTES AMBIENTES GEOMORFOLÓGICOS E SISTEMAS DE USO DA TERRA NA MICROBACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PACIÁ - SUL AMAZONAS

Autores

  • Joiada Moreira da Silva Linhares Doutorando do Programa de Pós-graduação em Desenvolvimento Regional e meio Ambientepela Universidade Federal de Rondônia - UNIR.Professor de geografia no Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Amazonas - IFAM
  • Déborah Pereira Linhares da Silva Laboratório de Biogeoquímica Ambiental Wolfgang C. Pheiffer da Fundação Universidade federal de Rondônia
  • Wanderley Rodrigues Bastos Laboratório de Biogeoquímica Ambiental Wolfgang C. Pheiffer da Universidade Federal de Rondônia
  • José Omar da Silva Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Amazonas; Lábrea - Amazonas, Brasil
  • Paulo Victor Albuquerque Maia Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Amazonas; Lábrea - Amazonas, Brasil
  • Ernando Balbinot Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia de Rondônia; Colorado do Oeste - Rondônia, Brasil

DOI:

https://doi.org/10.14393/RCG155224272

Palavras-chave:

Mapeamento, Solo, Cobertura da terra, Fertilidade natural, Amazônia ocidental.

Resumo

A expansão dos sistemas agropecuários tem transformado o espaço agrário sul amazônico, em especial o meio rural do município de Lábrea - AM. Neste ambiente as grandes manchas de solo foram classificadas em mapeamentos exploratórios como de baixíssima fertilidade. Mas, em áreas menores pode haver solos férteis, originários de processos naturais ou antropogênicos. Neste contexto o objetivo deste estudo foi realizar o levantamento das principais classes de solo e suas características geoquímicas em diferentes sistemas de uso da terra na microbacia hidrográfica do rio Paciá - Amazonas. Os procedimentos metodológicos foram organizados em etapas: 1) preparação da base cartográfica e processamento digital de imagens; 2) observação do uso e cobertura da terra e amostragem do solo; 3) procedimentos laboratoriais; 4) análise espacial e não-espacial. Os resultados indicam que os solos são ácidos, com pH entre 3,9 a 5,1, exceto na área de várzea onde a acidez é moderada. Na área de estudo, identificou-se a ocorrência de cinco classes de solo: Latossolo, Argissolo, Gleissolo, Neossolo e Plintossolo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Joiada Moreira da Silva Linhares, Doutorando do Programa de Pós-graduação em Desenvolvimento Regional e meio Ambientepela Universidade Federal de Rondônia - UNIR.Professor de geografia no Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Amazonas - IFAM

Licenciado e Bacharel em Geografia. Mestre em Desenvolvimento Regional e Meio Ambiente. Pesquisador de apoio técnico no Laboratório de Biogeoquímica Ambiental Wolfang C. Pfeiffer, Universidade Federal de Rondônia. Orientador no Programa de Iniciação Científica do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Rondônia, Campus Colorado do Oeste. Professor do Ensino Básico, Técnico e Tecnológico do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amazonas, Campus Lábrea.

Déborah Pereira Linhares da Silva, Laboratório de Biogeoquímica Ambiental Wolfgang C. Pheiffer da Fundação Universidade federal de Rondônia

Possui graduação (Licenciatura e Bacharelado) em Geografia pela Universidade Federal de Rondônia e mestrado em Desenvolvimento Regional e Meio Ambiente pela Universidade Federal de Rondônia (2009). Atualmente é servidora efetiva (Técnica Administrativa em Educação) do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amazonas e pesquisador-colaborador do Laboratório de Biogeoquímica Ambiental Wolfgang C. Pfeiffer.

Wanderley Rodrigues Bastos, Laboratório de Biogeoquímica Ambiental Wolfgang C. Pheiffer da Universidade Federal de Rondônia

Graduado em Ciências Biológicas pela Fundação Técnico Educacional Souza Marques (1986), concluiu o mestrado (1997) e doutorado (2004) em Ciências Biológicas (Biofísica Ambiental) no Instituto de Biofísica Carlos Filho da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Atualmente é Professor Associado I pelo Departamento de Biologia; Coordenador do Laboratório de Biogeoquímica Ambiental Wolfgang Christian Pfeiffer desde 1999. Coordenou de 2007 a 2009 a Pós-Graduação em Desenvolvimento Regional e Meio Ambiente da Universidade Federal de Rondônia, atualmente faz parte do seu Colegiado e, é o editor da recém criada Revista Desenvolvimento e Ambiente Amazônico. Atuou como chefe do Departamento de Ciências Biológicas da Universidade Federal de Rondônia entre 2010/2012. Integra o Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia para Pesquisa Translacional em Saúde e Ambiente na Região Amazônica (INCT-INPeTAm) coordenado pelo Prof. Dr. George Alexandre dos Reis do Instituto de Biofísica Carlos C. Filho da UFRJ. Desenvolve estudos na área de: Biofísica Ambiental; Biogeoquímica de poluentes e Ecotoxicologia na Bacia do Rio Madeira (Amazônia).

Ernando Balbinot, Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia de Rondônia; Colorado do Oeste - Rondônia, Brasil

Possui Doutorado (2008) e Mestrado (2004) em Produção Vegetal (UENF-RJ). Especialização (2002) em Ciência e Tecnologia de Sementes (UFRRJ-RJ). Graduação em Licenciatura em Ciências Agrícolas (UFRRJ-RJ). Tem experiência na área de Agronomia, com ênfase em Fitotecnia, atuando principalmente nos seguintes temas: Produção, Ciência e Tecnologia de Sementes; Silvicultura; Manejo e Conservação do Solo e Água; Sistemas integrados de produção agropecuária.

Downloads

Publicado

12-12-2014

Como Citar

LINHARES, J. M. da S.; SILVA, D. P. L. da; BASTOS, W. R.; SILVA, J. O. da; MAIA, P. V. A.; BALBINOT, E. LEVANTAMENTO DE SOLO EM DIFERENTES AMBIENTES GEOMORFOLÓGICOS E SISTEMAS DE USO DA TERRA NA MICROBACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PACIÁ - SUL AMAZONAS. Caminhos de Geografia, Uberlândia, MG, v. 15, n. 52, p. 21–40, 2014. DOI: 10.14393/RCG155224272. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/caminhosdegeografia/article/view/24272. Acesso em: 4 dez. 2022.

Edição

Seção

Artigos