MICROCLIMA URBANO - PRAÇAS PÚBLICAS EM CUIABÁ/MT/BRASIL

Autores

  • Angela Santana de Oliveira Instituto Federal de educação, Ciência e Tecnologia de Mato Grosso
  • Marta Cristina de Jesus Albuquerque Nogueira UFMT
  • Luciana Sanches UFMT
  • Carlo Ralph de Musis UNIC

DOI:

https://doi.org/10.14393/RCG134316739

Palavras-chave:

escala microclimática, áreas verdes, variáveis ambientais

Resumo

Este artigo apresenta um exemplo de estudo do clima em escala microclimática. Realizou-se revisão bibliográfica acerca dos estudos, em especial, do meio físico para este ambiente. Neste estudo o objetivo foi avaliar o ambiente de duas praças públicas na cidade de Cuiabá-MT, Brasil. Foram utilizadas 02(duas) estações micrometeorológicas móveis, instaladas próximas ao centro das Praças Popular e 8 de Abril. As medidas das variáveis ambientais nas praças foram realizadas em dois períodos do ano, um seco e outro chuvoso, durante 15 dias em cada período, com intervalo de registro de dados de 15minutos nas 24h de cada dia. A média da temperatura do ar (T) foi de aproximadamente 29ºC (seco e chuvoso nas 02 praças). As médias registradas para umidade relativa(UR) foram de aproximadamente 56% e 70%, respectivamente para os períodos seco e chuvoso, nas duas Praças. A velocidade dos ventos (v) foi predominantemente baixa, sendo a velocidade média de 0,5m/s-1, tanto para os períodos como para os locais estudados. As direções predominantes dos ventos foram NW e N, respectivamente, para as Praças Popular e Praça 8 de Abril.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Angela Santana de Oliveira, Instituto Federal de educação, Ciência e Tecnologia de Mato Grosso

Doutora em Fásica Ambiental pela Universidade Federal de Mato Grosso e Professora do Instituto Federal de Ed. Ciencia e Tecnologia de Mato Grosso

Downloads

Publicado

15-09-2012

Como Citar

DE OLIVEIRA, A. S.; NOGUEIRA, M. C. de J. A.; SANCHES, L.; DE MUSIS, C. R. MICROCLIMA URBANO - PRAÇAS PÚBLICAS EM CUIABÁ/MT/BRASIL. Caminhos de Geografia, Uberlândia, MG, v. 13, n. 43, p. 311–325, 2012. DOI: 10.14393/RCG134316739. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/caminhosdegeografia/article/view/16739. Acesso em: 26 nov. 2022.

Edição

Seção

Artigos