CRESCIMENTO DE ESPÉCIES ARBÓREAS UTILIZADAS NA RECUPERAÇÃO DE ÁREA DEGRADADA

Autores

  • Juliana Sousa Pereira Instituto de Geografia - UFU
  • Silvio Carlos Rodrigues Instituto de Geografia - UFU

DOI:

https://doi.org/10.14393/RCG134116628

Palavras-chave:

Erosão de solos, Recuperação de áreas degradadas, vegetação, sucessão ecológica

Resumo

A revegetação de áreas degradadas é uma estratégia de recuperação, fundamental para melhorar os atributos físicos e químicos dos solos, além de fornecer através da cobertura vegetal, a proteção necessária para diminuir a perda de sedimentos por erosão hídrica. Com o intuito de recuperar uma área significativamente alterada pelos processos erosivos, foi realizado um plantio heterogêneo, com o emprego de espécies arbóreas selecionadas em função de seu estágio sucessional bem como, sua adaptabilidade e desenvolvimento na região em questão. As variáveis analisadas foram; a altura da planta, o diâmetro da área da copa e do caule conseguidas aos 18 meses do plantio. A Anadenanthera macrocarpa e a Ochroma pyramidalis apresentaram o maior crescimento em altura. Em relação ao desenvolvimento da copa, os maiores valores foram alcançados pela Mimosa caesalpinenafolia e Mimosa artemisiana. O crescimento em diâmetro foi significativo nas espécies Albizia Lebbeck e Mimosa caesalpinenafolia. As plantas mesmo em estágio inicial já oferecem benefícios para a área, através da cobertura foliar e da deposição de serapilheira. O que tem proporcionado maior proteção ao solo, reduzindo a energia das gotas provenientes da chuva, contribuindo também para o aumento da estabilidade dos agregados por meio da incorporação da matéria orgânica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

15-03-2012

Como Citar

PEREIRA, J. S.; RODRIGUES, S. C. CRESCIMENTO DE ESPÉCIES ARBÓREAS UTILIZADAS NA RECUPERAÇÃO DE ÁREA DEGRADADA. Caminhos de Geografia, Uberlândia, MG, v. 13, n. 41, p. 102–110, 2012. DOI: 10.14393/RCG134116628. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/caminhosdegeografia/article/view/16628. Acesso em: 8 dez. 2022.

Edição

Seção

Artigos