MODELOS DE SIMULAÇÃO DINÂMICA DO DESMATAMENTO NA AMAZÔNIA

Autores

  • Anderson Luis Ruhoff Instituto de Pesquisas Hidráulicas
  • Ibraim Fantin-Cruz Instituto de Pesquisas Hidráulicas
  • Walter Collischonn Instituto de Pesquisas Hidráulicas

DOI:

https://doi.org/10.14393/RCG113616194

Palavras-chave:

uso e ocupação do solo, desflorestamento, dinâmica da paisagem, Cadeias de Markov, Redes Neurais Artificiais, Landsat

Resumo

Atualmente, a Amazônia é foco de diversos estudos científicos que buscam analisar impactos da ocupação humana sobre a cobertura florestal. Os principais questionamentos relacionados a esta temática diz respeito à evolução do processo de desmatamento e a maneira de prevê-los. Por isso, este trabalho teve por objetivo simular e validar a dinâmica do desmatamento em uma região Amazônica. Para tanto, são ajustados dois modelos de simulação: (1) Cadeias de Markov, e, (2) Redes Neurais Artificiais, com dados de uso e cobertura da terra extraídos de imagens LANDSAT, nos períodos de 1997 e 2001. Para validação dos modelos, foram comparados os valores simulados e observados do ano de 2004. Dados de uso e cobertura da terra indicam que na área estudada as taxas absolutas de desflorestamento diminuíram de 4,71% para 1,43%, enquanto as taxas de regeneração florestal aumentaram de 0,14% para 2,53%, durante o estudo. A simulação por Cadeias de Markov apresentou menores variações (12,5%) quando compradas as redes neurais (23%) para áreas de não-florestas entre dados observados e simulados. Os modelos de simulação não mostraram-se eficientes uma vez que o processo de desmatamento não ocorreu de forma estacionária.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

02-01-2011

Como Citar

RUHOFF, A. L.; FANTIN-CRUZ, I.; COLLISCHONN, W. MODELOS DE SIMULAÇÃO DINÂMICA DO DESMATAMENTO NA AMAZÔNIA. Caminhos de Geografia, Uberlândia, MG, v. 11, n. 36, p. 258–268, 2011. DOI: 10.14393/RCG113616194. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/caminhosdegeografia/article/view/16194. Acesso em: 29 nov. 2022.

Edição

Seção

Artigos