CONTRIBUIÇÕES DA GEOGRAFIA PARA AVALIAÇÃO DE IMPACTOS AMBIENTAIS EM ÁREAS URBANAS, COM O EMPREGO DA METODOLOGIA PRESSÃO - ESTADO IMPACTO - RESPOSTA (P.E.I.R.)

Autores

  • Camila Guedes Ariza Universidade de Brasília
  • Mário Diniz de Araujo Neto Universidade de Brasília

DOI:

https://doi.org/10.14393/RCG113516104

Palavras-chave:

qualidade ambiental, matriz PEIR, espaço geográfico

Resumo

A maior parte da população mundial vive em meio urbano, entretanto, diante da falta de organização, várias cidades no mundo têm problemas de degradação ambiental, especialmente nos países da América Latina e Caribe, onde a rápida urbanização é o principal vetor das pressões e conseqüentes impactos sofridos por essas cidades. Diante do quadro de piora da qualidade ambiental urbana, várias metodologias foram desenvolvidas para contribuir com a gestão ambiental, dentre elas a matriz P.E.I.R. (pressão-estado-impacto-resposta) desenvolvida pela Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) que vem sendo utilizada pelo Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA) no projeto GEO Cidades. Ao lançar um olhar geográfico sobre a cidade o geógrafo tem muito a contribuir com esta metodologia, por seu objeto de estudo ser justamente o espaço geográfico, ou seja, aquele construído e continuamente transformado pelo homem ao longo do tempo. O objetivo desse artigo é mostrar como o geógrafo, ao fazer a análise da interação do homem com o meio, pode contribuir com os estudos através da matriz PEIR.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

15-09-2010

Como Citar

ARIZA, C. G.; ARAUJO NETO, M. D. de. CONTRIBUIÇÕES DA GEOGRAFIA PARA AVALIAÇÃO DE IMPACTOS AMBIENTAIS EM ÁREAS URBANAS, COM O EMPREGO DA METODOLOGIA PRESSÃO - ESTADO IMPACTO - RESPOSTA (P.E.I.R.). Caminhos de Geografia, Uberlândia, v. 11, n. 35, p. 128–139, 2010. DOI: 10.14393/RCG113516104. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/caminhosdegeografia/article/view/16104. Acesso em: 25 abr. 2024.

Edição

Seção

Artigos