ARTESANATO NO E PARA O MERCADO: AS REDES DE PRODUÇÃO E COMERCIALIZAÇÃO DOS ARTESANATOS DAS FEIRAS HIPPIE E DO CERRADO DE GOIÂNIA - GO

Autores

  • Cristiana Andrade Fernandes Instituto de Estudos Sócio-ambientais da Universidade Federal de Goiás
  • Carlos Eduardo Santos Maia Instituto de Estudos Sócio-ambientais da Universidade Federal de Goiás

DOI:

https://doi.org/10.14393/RCG113416029

Palavras-chave:

Artesanato, redes, produção, comercialização.

Resumo

A aceleração do consumo propiciada pela globalização, o constante avanço da tecnologia, a indústria cultural e o turismo são alguns fatores que alteram o artesanato na medida em que há o risco de padronização dos objetos e consequente modificação no seu significado e sentido. Considerando-se tais pressupostos, este artigo analisa o comércio e a produção, ou seja, o artesanato no
e para o mercado, tendo como objeto aquele exposto nas feiras Hippie e do Cerrado da cidade de Goiânia-GO, recuperando-se suas redes organizacionais. A pesquisa justifica-se pela carência de produção geográfica versando sobre esta atividade, apesar de sua relevância, já que, comumente, mesmo nas viagens de curta distância, não há quem não compre uma “lembrancinha” ou não se admire com a habilidade de alguém para produzir tal ou qual peça ao circular por uma feira. Metodologicamente, recorrem-se às técnicas de observação e entrevistas com perguntas estruturadas e semi-estruturadas aplicadas em trabalhos de campo, além
das análises documental e bibliográfica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cristiana Andrade Fernandes, Instituto de Estudos Sócio-ambientais da Universidade Federal de Goiás

Graduada em Ciências Sociais e Mestre em Geografia pela Universidade Federal de Goiás

Carlos Eduardo Santos Maia, Instituto de Estudos Sócio-ambientais da Universidade Federal de Goiás

Professor doutor adjunto do Instituto de estudos sócio-ambientais da Universidade Federal de Goiás

Downloads

Publicado

15-06-2010

Como Citar

FERNANDES, C. A.; MAIA, C. E. S. ARTESANATO NO E PARA O MERCADO: AS REDES DE PRODUÇÃO E COMERCIALIZAÇÃO DOS ARTESANATOS DAS FEIRAS HIPPIE E DO CERRADO DE GOIÂNIA - GO. Caminhos de Geografia, Uberlândia, MG, v. 11, n. 34, p. 62–74, 2010. DOI: 10.14393/RCG113416029. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/caminhosdegeografia/article/view/16029. Acesso em: 26 nov. 2022.

Edição

Seção

Artigos