Mudanças fitofisionômicas no cerrado: 18 anos de sucessão ecológica na estação ecológica do panga, Uberlândia - MG / CHANGES IN CERRADO VEGETATION PHYSIOGNOMIES: 18 YEARS OF ECOLOGICAL SUCCESSION AT ESTAÇÃO ECOLÓGICA DO PANGA, UBERLÂNDIA - MG

Autores

  • Edivane Cardoso Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (SENAC), Catalão-GO
  • Maria Inês Cruzeiro Moreno Departamento de Ciências Biológicas, Universidade Federal de Goiás (UFG)
  • Emilio M. Bruna Department of Wildlife Ecology and Conservation & Center for Latin American Stud
  • Heraldo L. Vasconcelos Instituto de Biologia, Universidade Federal de Uberlândia (UFU)

Palavras-chave:

Estação Ecológica do Panga, conservação, savana, cerrado, sensoriamento remoto

Resumo

O objetivo deste estudo foi o de produzir um mapa atualizado da vegetação da Estação Ecológica do Panga (EEP) (Uberlândia, MG) e avaliar as eventuais mudanças na cobertura vegetal dos 404 ha da reserva desde a sua criação. Para isto comparamos o mapa da cobertura vegetal elaborado em 1987, logo após a criação da reserva, com mapa de 2005 baseado em análise de imagem de satélite multiespectral Quickbird. Houve um aumento nas áreas de mata mesófila (de 7% da área da reserva em 1987 para 11,4% em 2005), de cerradão (de 2,5% para 4,3%), de cerrado sentido restrito (de 37,5% para 43,7%) e de campo cerrado (de 12,5% para 34,2%). De outro lado, as áreas de campo sujo, que ocupavam 30% da área da reserva, praticamente desapareceram (0,4% em 2005). Houve também uma diminuição na área de campos úmidos e veredas (de 9% para 5,8%) e de áreas alteradas (de 1,5% para 0,1%). Nosso estudo dá apóio a hipótese de que no Cerrado as fisionomias mais abertas situadas em áreas sem impedimentos edáficos não são comunidades clímax, mas sim estágios sucessionais pós-perturbação. Na EEP, com a diminuição na incidência de fogo e outras perturbações antrópicas houve um significativo incremento na densidade arbórea em formações savânicas e campestres num período de apenas 18 anos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Edivane Cardoso, Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (SENAC), Catalão-GO

Licenciado e Bacharel em Ciências Biológicas (UFU), mestre em Geografia (UFU) e doutor em Ecologia (UnB). Atua na área de levantamentos e mapeamentos de vegetação, incluindo-se fitossociologia, florística e geoprocessamento.

Maria Inês Cruzeiro Moreno, Departamento de Ciências Biológicas, Universidade Federal de Goiás (UFG)

Licenciada e Bacharel em Ciências Biológicas (UFU), mestre em Ecologia e Conservação de Recursos Naturais (UFU) e doutora em Ecologia (UnB).

Downloads

Publicado

04-01-2010

Como Citar

Cardoso, E., Moreno, M. I. C., Bruna, E. M., & Vasconcelos, H. L. (2010). Mudanças fitofisionômicas no cerrado: 18 anos de sucessão ecológica na estação ecológica do panga, Uberlândia - MG / CHANGES IN CERRADO VEGETATION PHYSIOGNOMIES: 18 YEARS OF ECOLOGICAL SUCCESSION AT ESTAÇÃO ECOLÓGICA DO PANGA, UBERLÂNDIA - MG. Caminhos De Geografia, 10(32). Recuperado de https://seer.ufu.br/index.php/caminhosdegeografia/article/view/15980

Edição

Seção

Artigos