FRAGMENTAÇÃO FLORESTAL DECORRENTE DO USO DO SOLO E DO PROCESSO DE DEGRADAÇÃO AMBIENTAL, NO MUNICÍPIO DE JUNQUEIRO (AL)

Autores

  • André Luiz da Silva Santos Programa de Pós Graduação em Geografia
  • Eugênia Cristina Gonçalves Pereira Depto. de Ciências Geográficas, Universidade federal de Pernambuco
  • Laise de Holanda Cavalcanti Andrade Depto. de Botânica, Universidade Federal de Pernambuco

DOI:

https://doi.org/10.14393/RCG92515672

Palavras-chave:

Uso do solo, degradação ambiental, recursos naturais, fragmentação florestal.

Resumo

Os diferentes usos do solo no município de Junqueiro (AL) se estabeleceram a partir do gradiente topográfico e das potencialidades naturais. Nos vales férteis e bem drenados se fixaram o gado e a policultura, prevalecendo as pequenas e médias propriedades. Nas encostas, usando técnicas bastante rudimentares, é realizada a agricultura de subsistência, restrita às pequenas propriedades rurais. Nos tabuleiros, embora os solos tenham perdido muito da sua fertilidade natural, o aporte tecnológico proporcionou a expansão da cana-de-açúcar e o seu cultivo em grandes propriedades rurais. As atividades agrárias, sobretudo as favorecidas pelos incentivos federais, como os concedidos ao setor sucro-alcooleiro, ocasionaram grande impacto ambiental aos recursos vegetais. Restam, em Junqueiro, apenas 245 hectares de Floresta Estacional Decidual, dos quais somente 40 hectares estão em área de tabuleiro.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

17-03-2008

Como Citar

SANTOS, A. L. da S.; PEREIRA, E. C. G.; ANDRADE, L. de H. C. FRAGMENTAÇÃO FLORESTAL DECORRENTE DO USO DO SOLO E DO PROCESSO DE DEGRADAÇÃO AMBIENTAL, NO MUNICÍPIO DE JUNQUEIRO (AL). Caminhos de Geografia, Uberlândia, MG, v. 9, n. 25, p. 121–138, 2008. DOI: 10.14393/RCG92515672. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/caminhosdegeografia/article/view/15672. Acesso em: 2 dez. 2022.

Edição

Seção

Artigos