Didática desenvolvimental e as necessárias reelaborações dos currículos para o ensino de história

Conteúdo do artigo principal

Olavo Pereira Soares
https://orcid.org/0000-0003-0887-9227

Resumo

O artigo tem por objetivo identificar as contribuições que os pressupostos teóricos e metodológicos da didática desenvolvimental  nos fornecem para análise dos currículos para o ensino de história. Tais contribuições incidem tanto sobre a prescrição quanto ao praticado e nos encaminham para a necessária revisão das concepções sobre as aprendizagens presentes nas atuais propostas curriculares para o ensino da disciplina. Apresentamos dados que foram coletados em pesquisa-ação de caráter colaborativo realizada em escola pública. Tais dados demonstram que as atuais prescrições curriculares dificultam a efetivação de uma prática curricular que possibilite a pesquisa, a produção do conhecimento e o desenvolvimento do pensamento teórico por parte dos escolares. Não obstante, os mesmos dados nos possibilita propor modificações nos currículos praticados nas escolas.  


 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Detalhes do artigo

Como Citar
Soares, O. P. (2018). Didática desenvolvimental e as necessárias reelaborações dos currículos para o ensino de história . Obutchénie. Revista De Didática E Psicologia Pedagógica, 2(2), 440–463. https://doi.org/10.14393/OBv2n2a2018-7
Seção
Dossiê Didáticas específicas à luz da teoria histórico-cultural

Referências

BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais/História. Brasília: MEC/SEF, 1998.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular. Brasília: MEC/SEB, 2017. Disponível em http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_publicacao.pdf. Acesso em 04 de abril de 2017.

CBC/SEE-MG. Conteúdos básicos comuns; História, ensinos fundamental e médio. Secretaria de Estado de Educação de Minas Gerais. Disponível em http://crv.educacao.mg.gov.br/sistema_crv/banco_objetos_crv/%7B80A9F6A7-110D-42C2-ACB1-A52372D19CB6%7D_LIVRO%20DE%20HISTORIA.pdf. Acesso em 21 de março de 2011.

DAVIDOV, V. V. Tipos de generalización en la enseñanza. Habana: Editorial Pueblo y Educación, 1982.

______________. La enseñanza escolar y el desarrollo psíquico. Moscú: Editorial Progreso, 1988.

DESGAGNÉ, Serge. O conceito de pesquisa colaborativa; a ideia de uma aproximação entre pesquisadores universitários e professores práticos. Revista Educação em Questão. Natal. Vol. 29, nº 15, p. 7-35, maio/agosto. 2007. Disponível em <http://www.revistaeduquestao.educ.ufrn.br/pdfs/v29n15.pdf.>. Acesso em: 04 de ago. de 2011.

LIBÂNEO, José Carlos. O dualismo perverso da escola pública brasileira: escola do conhecimento para os ricos, escola do acolhimento social para os pobres. Educação e Pesquisa. São Paulo; v. 38, nº 1, p.13-28, 2012. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/ep/v38n1/aop323.pdf>. Acesso em: 15 de fev de 2013.

MELLO, Sueli Amaral. Ensinar e aprender a linguagem escrita na perspectiva histórico-cultural. Psicologia Política. Vol. 10, nº 20, Dezembro de 2010. Disponível em: <http://pepsic.bvsalud.org/pdf/rpp/v10n20/v10n20a11.pdf>. Acesso em: 18 de mar. de 2013.

OLIVEIRA, Sandra Regina Ferreira. O tempo, a criança e o ensino de história. In: ZAMBONI, Ernesta & DE ROSSI, Vera Lúcia S (orgs.). Quanto tempo o tempo tem!Campinas; Ed. Alínea, 2003. pp. 145-172.

PIAGET, Jean. Psicologia da criança e ensino de história. In: PARRAT, S. e TRYPHON, A. (org.) e PIAGET, Jean. Sobre a pedagogia. São Paulo; Casa do Psicólogo, 1998. p. 89-95.

______. A noção de tempo na criança. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2012.

PIMENTA, Selma G. Pesquisa-ação crítico-colaborativa: construindo seu significado a partir de experiências com a formação docente. Educação e Pesquisa. São Paulo. v. 31, n. 3, p. 521-539, 2005. Disponível em <http://www.scielo.br/pdf/ep/v31n3/a13v31n3.pdf>. Acesso em: 03 de mar de 2010.

PINO, Angel. As marcas do humano: às origens da constituição cultural da criança na perspectiva de Lev. S. Vigotski. São Paulo; Cortez, 2005.

SFORNI, Marta S. F. Interação entre didática e teoria histórico-cultural. Educação e Realidade. Porto Alegre. v. 40, n. 2, p. 375-397. 2015. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/edreal/v40n2/2175-6236-edreal-45965.pdf>. Acesso em: 10 de abr de 2016.

SILVA, Aracy Lopes. Mito, razão, história e sociedade: inter-relações nos universos socioculturais. In: SILVA, Aracy L eGRUPIONI, Donizete Benzi (Orgs.). A temática indígena na escola: novos subsídios para professores de 1º e 2º graus. Brasília, MEC/MARI/UNESCO, 1995. pp. 317-335.

______. A construção do pensamento e da linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

______. Quarta aula: a questão do meio na pedologia. Psicologia USP. São Paulo; V. 21, nº 4; 2010. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/pusp/v21n4/v21n4a03.pdf>. Acesso em: 03 de fev de 2011.

ZEICHNER, Kenneth M. Para além da divisão entre professor-pesquisador e pesquisador acadêmico. In: GERALDI, Corinta G., FIORENTINI, Dario e PEREIRA, Elisabete M. A. (orgs). Cartografias do trabalho docente. Campinas; Mercado de Letras, 1998.