LEISHMANIOSE VISCERAL CANINA - DIAGNÓSTICO PARASITOLÓGICO: RELATO DE CASO

Autores

  • Renata Dias Rodrigues Universidade Federal de Uberlândia
  • Rafael Rocha de Souza Universidade Federal de Uberlândia
  • Lara Reis Gomes Universidade Federal de Uberlândia
  • Luiz Martins da Silva Júnior Universidade Federal de Uberlândia
  • Ana Leticia Daher Aprígio da Silva Universidade Federal de Uberlândia
  • Alessandra Aparecida Medeiros Universidade Federal de Uberlândia

Palavras-chave:

cão, citopatologia, esfregaço sanguíneo.

Resumo

Objetivou-se relatar o diagnóstico parasitológico para Leishmaniose Visceral Canina realizado através da punção de linfonodo e em lâmina de esfregaço sanguíneo em um cão atendido no Hospital Veterinário da Universidade Federal de Uberlândia-MG. No exame clínico, observou-se rarefação pilosa generalizada, principalmente na região periocular, lesões crostosas na face e extremidades das orelhas, mucosas oral e ocular levemente hipocoradas e aumento dos linfonodos sub-mandibular, pré-escapulares e poplíteos, além de onicogrifose em todos os membros. No exame parasitológico foram visualizadas formas parasitárias de Leishmania sp. tanto na punção aspirativa por agulha fina (PAAF) quanto na lâmina de esfregaço sanguíneo. Conclui-se que o teste parasitológico, é um método eficaz no diagnóstico da Leishmaniose Visceral Canina (LVC), pois é uma técnica de baixo custo, rápida execução e elevada sensibilidade, porém em cães assintomáticos pode levar a resultados falso-negativos devido ao baixo número de parasitos contidos nas amostras, logo a associação entre os parâmetros clínicos, epidemiológicos, e sorológicos são necessários para um diagnóstico definitivo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2013-12-19

Como Citar

Rodrigues, R. D., de Souza, R. R., Gomes, L. R., da Silva Júnior, L. M., Daher Aprígio da Silva, A. L., & Medeiros, A. A. (2013). LEISHMANIOSE VISCERAL CANINA - DIAGNÓSTICO PARASITOLÓGICO: RELATO DE CASO. Veterinária Notícias - Vet Not, 19(1). Recuperado de https://seer.ufu.br/index.php/vetnot/article/view/22962