PROTOCOLO ANESTÉSICO PARA AMPUTAÇÃO PARCIAL DE PÊNIS EM EQÃœINO A CAMPO - RELATO DE CASO

Autores

  • SILVA, O.C. EV - UFG
  • GUIMAR C.O. EV - UFG
  • ESTEVES, G.I.F. EV - UFG
  • BERNARDES, K.M. EV - UFG
  • LIMA, I.R. EV - UFG
  • COELHO, C.M.M. EV - UFG
  • SILVA, M.A.M. EV - UFG

Palavras-chave:

Amputação de pênis, cirurgia, anestesia, eqüino.

Resumo

Foi atendido um animal da espécie eqüina, macho de aproximadamente 350kg em uma propriedade rural no município de Quirinópolis-GO, apresentando parafimose, traumatismo peniano, intensa reação inflamatória, exuberante tecido de granulação na glande do pênis, edema e solução de continuidade da lâmina prepucial externa. O objetivo deste estudo foi relatar uma técnica de amputação de pênis eqüino submetido a um protocolo anestésico exeqüível em nível de campo. Através de canulação de uma das veias jugulares externas por meio de cateter nº 18 foi feita medicação pré- anestésica com cloridrato de acepromazina 1%, na dose de 0,1mg/kg de peso corporal, emseguida, 15 minutos após, aplicação intravenosa de benzodiazepínico (0,1mg/kg), ketamina 10% (2,0mg/kg) e manutenção anestésica com tiopental sódico 5% (15mg/kg). Após decúbito, realizou- se contenção lateral esquerda, com o animal preso por cordas pelos membros pélvicos e torácicos em extensão. Foi realizada higienização em todo o corpo peniano e antissepsia com polivinilpirrolidona- iodo (PVP-I). Fez-se garroteamento com manguito de borracha posicionado caudalmente ao sítio cirúrgico, 10cm da lâmina prepucial externo, com intuito de promover hemostasia preventiva. Aplicou-se duas pinças de Kocher distantes 10cm sobre a rafe peniana, em seguida foi praticada incisão longitudinal de aproximadamente 5cm, no 1/3 médio do corpo do pênis sobre a uretra previamente sondada com sonda gástrica de polietileno n° 24, para facilitar o acesso cirúrgico. Após secção da uretra peniana suas bordas laterais foram suturadas no epitélio de revestimento do pênis em sutura padrão simples interrompido com categute cromado 2-0 agulhado. Empregou-se fio de algodão 3-0 para transfixar o pênis 2cm da extremidade cranial da uretrotomia e em seguida foi realizada a amputação do pênis 2cm próximos à transfixação. Ato contínuo removeu-se o garrote aplicado na lâmina prepucial interna. No pós-operatório o animal recebeu soro antitetânico e três aplicações de penicilina-G benzatina (penfort PPU®) a cada 48 horas, na dose de 20.000 UI por kg de peso corporal, via intramuscular e higieni-zação da ferida cirúrgica com PVP-I.O protocolo anestésico adotado mostrou-se de fácil execução, eficiente e seguro para a realização deste procedimento, podendo ser utilizado a campo por profissionais que não dispõem dos benefícios oferecidos por técnicas anestésicas mais adequadas, em cirurgias de curta duração. Trata-se de um protocolo economicamente viável, com custo acessível aos pequenos produtores rurais de baixo poder aquisitivo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2008-02-12

Como Citar

O.C., S., C.O., G., G.I.F., E., K.M., B., I.R., L., C.M.M., C., & M.A.M., S. (2008). PROTOCOLO ANESTÉSICO PARA AMPUTAÇÃO PARCIAL DE PÊNIS EM EQÃœINO A CAMPO - RELATO DE CASO. Veterinária Notícias - Vet Not, 12(2). Recuperado de https://seer.ufu.br/index.php/vetnot/article/view/18787

Edição

Seção

Artigos