A produção orgânica no Estado da Bahia, Brasil: uma análise espaço-temporal dos cadastros e das entidades certificadoras (2014-2020)
PDF-pt
PDF-en (English)

Palavras-chave

Certificação orgânica
Planejamento ambiental
Sistema Participativo de Garantia
Territórios de Identidade

Como Citar

SANCHEZ, A. R. N.; CRUZ, T. V.; NAREZI, G.; CREPALDI, M. O. S. A produção orgânica no Estado da Bahia, Brasil: uma análise espaço-temporal dos cadastros e das entidades certificadoras (2014-2020). Sociedade & Natureza, [S. l.], v. 33, 2021. DOI: 10.14393/SN-v33-2021-60426. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/sociedadenatureza/article/view/60426. Acesso em: 25 maio. 2022.

Resumo

A agricultura orgânica no Brasil tem crescido consideravelmente nos últimos vinte anos, principalmente após a criação de leis e regulamentações específicas. Este trabalho objetivou analisar a dinâmica espacial e temporal dos registros de produtores orgânicos e das entidades certificadoras na Bahia, no período de 2014-2020, considerando os dados relativos aos Territórios de Identidade – TIs e à natureza do processo de certificação. Foram realizadas consultas bibliográficas, coletas de dados do Cadastro Nacional de Produtores Orgânicos e elaboração de mapas comparativos sobre os dados coletados. Constatou-se que, entre 2015 e 2017, a média anual de crescimento de novos produtores cadastrados foi de 43%; entre 2018 e 2020, caiu para 4%, coincidindo com um novo cenário político, que trouxe como marco no âmbito da agropecuária nacional, o fim do Ministério do Desenvolvimento Agrário e a ampliação e flexibilização do mercado de agrotóxicos. Os TIs Litoral Sul e Baixo Sul, na região cacaueira, foram os que apresentaram mais produtores orgânicos cadastrados; e os TIs que apresentaram menos cadastros foram Bacia do Rio Grande, Velho Chico, Bacia do Rio Corrente e Bacia do Paramirim, no extremo oeste, região dominada por sojicultura e cotonicultura. Os produtores orgânicos certificados por Sistemas Participativos de Garantia e Controle Social na Venda Direta, chegaram a representar 68% do total de cadastros em 2018 e 2019. Concluiu-se que há a necessidade de fortalecimento, no Estado da Bahia, dos Sistemas de Participativos de Garantia em processos de planejamento ambiental e territorial, apontando também a necessidade aprimorar o diagnóstico e a disponibilidade de dados sobre as áreas de produção orgânica. Além disso, na maior parte dos TIs do Estado, há lacunas que geram uma demanda de ações de Assistência Técnica Rural e pesquisas científicas voltadas à produção orgânica.

https://doi.org/10.14393/SN-v33-2021-60426
PDF-pt
PDF-en (English)

Referências

ABREU, L. S. et al. Relações entre agricultura orgânica e agroecologia: desafios atuais em torno dos princípios da agroecologia. Desenvolvimento e Meio Ambiente, v.26, p.143-160, jul./dez.2012. Editora UFPR. http://dx.doi.org/10.5380/dma.v26i0.26865

ALTIERI, M. A. Agroecologia: bases científicas para uma agricultura sustentável. Guaíba: Agropecuária, 2002. 592 p.

Associação de Agricultores Biológicos do Estado do Rio de Janeiro – ABIO. Caderno sistemas participativos de garantia (SPG). 2016. 13p. Disponível em: https://abiorj.org/wp-content/uploads/documentos/caderno-spg-mai-16-abio.pdf. Acesso em: Mar. 16, 2021.

BACOCCINA, D. O dilema dos orgânicos. Plant Project, ed.05, jul./ago. p.28-35, 2018. Disponível em: https://plantproject.com.br/2018/02/o-dilema-dos-organicos/. Acesso em: Jul. 18, 2021.

BAHIA. Secretaria de Meio Ambiente do Estado da Bahia – SEMA. Álbum seriado de educação ambiental: a Sociobiodiversidade da Bahia. Salvador, 2017. 45p. ISBN: 978-85-54951-05-4. Disponível em: http://www.meioambiente.ba.gov.br/arquivos/File/ZPublicacaoAlbumSocioDiversidade.pdf Acesso em: Mar. 18, 2021.

BRASIL. Lei Nº 10.831, de 23 de dezembro de 2003. Dispõe sobre a agricultura orgânica e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2003/l10.831.htm. Acesso em: Jul. 18, 2021.

BRASIL. Decreto Nº 6.323, de 27 de dezembro de 2007. Regulamenta a Lei no 10.831, de 23 de dezembro de 2003, que dispõe sobre a agricultura orgânica, e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2007/decreto/d6323.htm. Acesso em: Jul. 18, 2021.

COLLAÇO, J. Cacau orgânico, baiano e internacional. Revista A Lavoura. Ano 109 - Nº 659. p. 54. ISSN 0023-9135. 2006. Disponível em: http://www.zebu.org.br/Scripts/pdfviewer/web/viewer.html?file=/PortalUploads/Revistas/A_Lavoura/2006_Dezembro/revista.pdf. Acesso em: Jul. 18, 2021.

Companhia Baiana de Pesquisa Mineral – CBPM. Geoparque de Morro do Chapéu Bahia (proposta). 2012. Disponível em: http://www.cbpm.ba.gov.br/book/geoparque-de-morro-do-chapeu-bahia-proposta/. Acesso em: Jul. 18, 2021.

CONSTANTY, H. F. P.; DAROLT, M. R. O Cadastro Nacional de Produtores Orgânicos: o caso do estado do Paraná. Resumos do I Congresso Paranaense de Agroecologia –Pinhais/PR –29 e 30/05/2014. Cadernos de Agroecologia – Vol.9, No.1, 2014. Disponível em http://revistas.aba-agroecologia.org.br/index.php/cad/article/view/15601/10085. Acesso em: Jan. 28, 2021.

FIBL – Forschungsinstitut für biologischen landbau; IFOAM – Federação Internacional dos Movimentos da Agricultura Orgânica. The world of organic agriculture: statistics & emerging trends 2017. Research Institute of Organic Agriculture FIBL and IFOAM Organics International, 2017. Disponível em: https://shop.fibl.org/chen/mwdownloads/download/link/id/785/ Acesso em: Sep. 15, 2020.

FIBL – Forschungsinstitut für biologischen landbau; IFOAM – Federação Internacional dos Movimentos da Agricultura Orgânica. The world of organic agriculture: statistics & emerging trends 2019. Research Institute of Organic Agriculture FIBL and IFOAM Organics International, 2019. Disponível em: https://shop.fibl.org/chen/mwdownloads/download/link/id/1202/ Acesso em: Sep. 15, 2020.

FLORES, C. D. Territórios de Identidade na Bahia: Saúde, Educação, Cultura e Meio Ambiente frente à Dinâmica Territorial. Dissertação (Mestrado) - Universidade Federal da Bahia. Instituto de Geociências. Salvador, 2016. Disponível em: http://repositorio.ufba.br/ri/handle/ri/19347. Acesso em: Jul. 18, 2021.

GLIESSMAN, S. R. Agroecologia: processos ecológicos em agricultura sustentável. 2.ed. Porto Alegre: Ed. Universidade/UFRGS, 2001. 653 p.

HIRATA, A. R. Sistemas participativos de garantia do Brasil: Histórias e Experiências / Pouso Alegre: IFSULDEMINAS, 2020. 226p. ISBN 978-85-67952-18-5.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo Agropecuário 2017: resultados definitivos. Rio de Janeiro: IBGE/SIDRA, 2019. Disponível em: https://sidra.ibge.gov.br/pesquisa/censo-agropecuario/censo-agropecuario-2017. Acesso em: Jul. 18, 2021.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística . Cidades e Estados. Estado da Bahia. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/ba/panorama. Acesso em: Jul. 18, 2021.

MEIRELLES, L. A origem da certificação participativa e o desafio dos sistemas participativos de garantia. 2020, 46-59p. in Hirata, A. R. Sistemas participativos de garantia do Brasil: Histórias e Experiências / Pouso Alegre: IFSULDEMINAS, 2020. 226p. ISBN 978-85-67952-18-5.

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento - MAPA. Cadastro Nacional de Produtores Orgânicos. CNPO. 2014, 2015, 2016, 2017, 2018, 2019 e 2020. Disponível em: https://www.gov.br/agricultura/pt-br/assuntos/sustentabilidade/organicos/cadastro-nacional-produtores-organicos. Acesso em: Jul. 18, 2021.

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento - MAPA . Registros concedidos: 2005-2021. 2021. Disponível em: https://www.gov.br/agricultura/pt-br/assuntos/insumos-agropecuarios/insumos-agricolas/agrotoxicos/informacoes-tecnicas. Acesso em: Jul.18, 2021.

Ministério do Desenvolvimento Agrário - MDA. Referências para o desenvolvimento territorial sustentável. Brasília: CONDRAF/NEAD, 2003. Disponível em: http://repiica.iica.int/docs/B0612p/B0612p.pdf. Acesso em: Jul. 18, 2021.

Ministério do Meio Ambiente - MMA. Cadastro Nacional de Unidades de Conservação. CNUC. 2021. Disponível em: https://www.mma.gov.br/areas-protegidas/cadastro-nacional-de-ucs. Acesso em: Jul. 17, 2021.

ONARY-ALVES, S. Y. et al. O conceito de geoparque no Brasil: reflexões, perspectivas e propostas de divulgação. Terrae Didatica, Campinas, SP, v.11, n.2, p.94–107, 2015. http://dx.doi.org/10.20396/td.v11i2.8640712

SANTARELLI, M., et al. Da democratização ao golpe: avanços e retrocessos na garantia do direito humano à alimentação e à nutrição adequadas no Brasil. Brasília: FIAN Brasil; 2017. Disponível em: https://fianbrasil.org.br/wp-content/uploads/2017/06/Publica%C3%A7%C3%A3o-Completa-Informe-Dhana.pdf. Acesso em: Jul. 18, 2021.

SANTARELLI, M., et al. Informe Dhana 2019: autoritarismo, negação de direitos e fome. Brasília: FIAN Brasil; 2019. 102p. Disponível em: https://fianbrasil.org.br/wp-content/uploads/2019/11/Informe-Dhana-2019_v-final.pdf. Acesso em: Jul. 18, 2021.

SCHAPPO, S. Fome e insegurança alimentar em tempos de pandemia da covid-19. SER Social, [S. l.], v. 23, n. 48, p. 28–52, 2021. https://doi.org/10.26512/sersocial.v23i48.32423

Secretaria de Agricultura, Pecuária, Irrigação, Pesca e Aquicultura do Estado da Bahia. Agronegócio na Bahia: plantar, colher e alimentar bons resultados. 2018. Disponível em http://www.seagri.ba.gov.br/sites/default/files/Agronegocio_WEB.pdf. Acesso em: Jul. 18, 2021.

Secretaria de Agricultura, Pecuária, Irrigação, Pesca e Aquicultura do Estado da Bahia . Estado reforça investimentos para agricultura familiar de Campo Formoso. 2019. Disponível em: http://www.adab.ba.gov.br/2019/05/1904/Estado-reforca-investimentos-para-agricultura-familiar-de-Campo-Formoso.html. Acesso em: Jul. 18, 2021.

Secretaria do Planejamento do Estado da Bahia – SEPLAN-BA. A política territorial e a participação social. 2018. Disponível em: https://seplan.ba.gov.br/arquivos/File/politica-territorial/PUBLICACOES_TERRITORIAIS/Historico_da_Politica_Territorial_da_Bahia_v3.pdf. Acesso em: Jul. 18, 2021.

Secretaria do Planejamento do Estado da Bahia – SEPLAN-BA . Plano territorial de desenvolvimento sustentável e solidário – PTDSS. 2016. Disponível em: http://www.seplan.ba.gov.br/arquivos/File/politica-territorial/PUBLICACOES_TERRITORIAIS/Planos-Territoriais-de-Desenvolvimento-Sustentavel-PTDS/2018/PTDS_TI_Costa_do_Descobrimento.pdf. Acesso em: Jul. 18, 2021.

SIQUEIRA, R. O. et al. Os produtores orgânicos certificados no Rio Grande do Sul: análise sobre dados relativos ao período de 2006 e 2018. Cadernos de Agroecologia – Anais do XI Congresso Brasileiro de Agroecologia, São Cristóvão, Sergipe. v.15, n.2, 2020. Disponível em: http://cadernos.aba-agroecologia.org.br/index.php/cadernos/article/view/5339/3501. Acesso em: Jul. 18, 2021.

Superintendência de Estudos Econômicos e Sociais da Bahia – SEI-BA. Territórios de Identidade. 2017. Disponível em: https://www.sei.ba.gov.br/index.php?option=com_content&view=article&id=2650&Itemid=657. Acesso em: Jul. 18, 2021.

VILELA, G. F. et al. Agricultura orgânica no Brasil: um estudo sobre o Cadastro Nacional de Produtores Orgânicos / Campinas: Embrapa Territorial, 2019. 20p. ISSN 0103-7811. Disponível em:https://www.infoteca.cnptia.embrapa.br/infoteca/bitstream/doc/1108738/1/5058.pdf. Acesso em: Jul. 18, 2021.

Direitos Autorais para artigos publicados nesta revista são do autor, com direitos de primeira publicação para a revista. Em virtude de aparecerem em revista de acesso público, os artigos são licenciados sob Creative Commons Attribution (BY), que permite o uso irrestrito, distribuição e reprodução em qualquer meio, desde que o trabalho original seja devidamente citado.

 
 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...