Vulnerabilidade e riscos Socioecológicos: uma perspectiva integrada dos riscos na Região de Guaratiba (Rio de Janeiro - Brasil)
PDF-pt
PDF-en

Palavras-chave

Gestão da Paisagem
Geoprocessamento
Lógica Fuzzy

Como Citar

LIMA, M. L. da S. .; SOLÓRZANO, A. .; REGO, L. F. G.; FREITAS, M. M. de .; PORTO, B. P. A. Vulnerabilidade e riscos Socioecológicos: uma perspectiva integrada dos riscos na Região de Guaratiba (Rio de Janeiro - Brasil). Sociedade & Natureza, [S. l.], v. 33, 2021. DOI: 10.14393/SN-v33-2021-58841. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/sociedadenatureza/article/view/58841. Acesso em: 23 maio. 2022.

Resumo

Na região de Guaratiba, ao longo de quase cinco séculos de ocupação e consequentes processos de transformação da paisagem, cenários ecológicos tornaram-se áreas produtivas, residenciais e de transição urbana. Essa historicidade constitui elemento-chave para a compreensão das vulnerabilidades locais e riscos associados. Nesse sentido, no âmbito da gestão da paisagem, sob uma abordagem integradora de vulnerabilidade e riscos, temos como objetivo mapear e analisar as vulnerabilidades e riscos socioecológicos na área de estudo. O trabalho se estruturou na investigação da história de uso, ocupação e transformação da paisagem, na identificação de áreas vulneráveis, bem como na classificação dos riscos socioecológicos. Assim, estabeleceram-se três etapas metodológicas para tal compreensão: (1) análise dos processos históricos de uso e ocupação das terras em Guaratiba; (2) delimitação das Unidades Socioecológicas da Paisagem (USEP), com o intuito de compreender os níveis atuais de heterogeneidade da área estudada; e por fim, (3) a modelagem e categorização dos riscos socioecológicos identificados. Essa análise, baseada na técnica de geoprocessamento conhecida como lógica fuzzy, levou ao entendimento de uma classificação socioecológica dos riscos, reconhecendo que tais fenômenos só podem ser compreendidos a partir da presença humana perante a pertinência de eventos que possam ferir os grupos expostos. Como resultado desta investigação, quatro das seis unidades de paisagem delimitadas apresentaram locais com tendência a riscos: USEP 2, USEP 4, USEP 5 e USEP 6. Tais áreas sugerem riscos socioecológicos do tipo físico relacionados a dinâmicas geomorfológicas (deslizamentos e de enchentes) e de saúde ambiental.

https://doi.org/10.14393/SN-v33-2021-58841
PDF-pt
PDF-en

Referências

ANDORRA. La planificació del paisatge en l’àmbit local a Europa. Els casos d’Alemanya, França, els Països Baixos, el Regne Unit, Suïssa i la regió de Valònia, a Bèlgica. Edició a cura de Pere Sala, Laura Puigbert i Gemma Bretcha. – Olot: Observatori del Paisatge de Catalunya; Govern d’Andorra. – p.; cm. – (Documents; 2). 2014. Disponível em: < http://www.catpaisatge.net/esp/documentacio_doc_2.php>. Acesso em 05 jan. 2020.

BARCELONA – Gobierno de Barcelona. Observatorio del Paisaje de Cataluña. Los catálogos de paisaje de Cataluña: Metodología (Documents; 3)/ Joan Nogué, Pere Sala, Jordi Grau. – Olot: Observatorio del Paisaje de Cataluña; Barcelona: ATLL, 2018. Disponível em: < http://www.catpaisatge.net/esp/documentacio_doc_3.php >. Acesso em: 05 jan. 2020.

BRASIL. Ministério das Cidades / Instituto de Pesquisas Tecnológicas ¬– IPT. CARVALHO C. S.; MACEDO, E. S. de; OGURA, A. T. (Org.). Mapeamento de Riscos em Encostas e Margem de Rios / – Brasília: Ministério das Cidades; Instituto de Pesquisas Tecnológicas – IPT, 2007 (176 p).

BRASIL. Lei n° 6.938, de 31 de agosto de 1981. Dispõe sobre a Política Nacional do Meio Ambiente, seus fins e mecanismos de formulação e aplicação, e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil: seção 1, Brasília, DF, n. 167, p. 16.509, 2 set. 1981. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L6938.htm>. Acesso em: 15 out. 2016.

CARVALHO, D. W. de. A Tutela Constitucional do Risco Ambiental. In: Estado de Direito Ambiental: Tendências. Organizadores: José Rubens Morato Leite, Heline Sivini Ferreira, Larissa Verri Boratti. – 2ª ed. – Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2010 (p. 261-282).

CHAIBLICH, J. V.. Estudo das vulnerabilidades socioambientais associadas à leptospirose no Município do Rio de Janeiro: Técnicas de Análise Espacial. - 2016. Dissertação (Mestrado em Saúde Coletiva) – Universidade Federal Fluminense, Rio de Janeiro, RJ, 2016.

CHRISTOFOLETTI, A.. Roteiro pelas proposições sobre paisagens. In: Modelagem de sistemas ambientais. 1ª edição - São Paulo: Editora Edgard Blucher Ltda, 1999.

CUSTÓDIO, M. M.. Introdução ao Direito de Paisagem: Contribuições ao seu reconhecimento como ciência no Brasil. 2014 – Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2014 (385 p.).

EMBRAPA – Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. Sistema Brasileiro de Classificação de Solos. SANTOS, Humberto Gonçalves; JACOMINE, Paulo Klinger Tito; ANJOS, Lúcia Helena Cunha dos; OLIVEIRA, Virlei Álvaro de; LUMBRERAS, José Francisco; COELHO, Maurício Rizzato; ALMEIDA, Jaime Antonio de; CUNHA, Tony Jarbas Ferreira; OLIVEIRA, João Bertoldo de. 3ed. ver. Ampl. – Brasília, DF: Embrapa, 2013. 353p.

FÁVERO, O. A.; NUCCI, J. C.; DE BIASI, M.. Unidades de Paisagem e Zoneamento Ambiental: subsídios para a gestão da Floresta Nacional de Ipanema - Iperó/SP. RA’EGA – O Espaço Geográfico em Análise, Curitiba, n. 14, p. 35-53, 2007. http://dx.doi.org/10.5380/raega.v14i0.6814

FERNANDEZ, G. B.. Geomorfologia. In: Serra, MV; Serra, Maria Teresa F. Guia de História Natural do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Editora Cidade Viva, 2012.

FERREIRA, M. C.. Iniciação à análise geoespacial: teoria, técnicas e exemplos para geoprocessamento. – 1ª ed. – São Paulo: Editora Unesp, 2014.

GEO-RIO - Fundação Instituto de Geotécnica do Município do Rio de Janeiro – GEO-RIO. Os 50 maiores acidentes geológico-geotécnicos na cidade do Rio de Janeiro entre 1966 e 2016. D’ORSI, Ricardo Neiva; PAES, Nelson Martins; MAGALHÃES, Marcelo Aldaher; SILVA JUNIOR, Luciano Reis da; VALENTE, Luiz Ricardo Schiavinato. Diretoria de Estudos e Projetos Gerência de Programas Especiais. 2016. Disponível em: <http://alertario.rio.rj.gov.br/wp-content/uploads/2016/12/PDF_ESTRUTURA-DO-LIVRETO_50-MAIORES-ACIDENTES-A5.pdf>. Acesso em jan. 2017.

GLASER, M.. The Social Dimension in Ecosystem Management: Strengths and Weaknesses of Human-Nature Mind Maps. Human Ecology Review, Vol. 13, no 2, 2006, Society for Human Ecology, p. 122-142. Disponível em: < http://www.humanecologyreview.org/pastissues/her132/glaser.pdf>. Acesso em: 28 mar. 2016.

HOYUELA JAYO, J. A.. El Plan Director del Parque Municipal como modelo de planificación sostenible del paisaje en el corazón de la ciudad de Belo Horizonte. VIII Congreso Internacional de Ordenación del Territorio. Congreso de Derecho Urbanistico. 2016. 19p. Disponível em: < https://www.academia.edu/29958601/El_Plan_Director_del_Parque_Municipal_como_modelo_de_planificaci%C3%B3n_sostenible_del_paisaje_en_el_coraz%C3%B3n_de_la_ciudad_de_Belo_Horizonte >. Acesso em: 15 ago. 2017.

HOYUELA JAYO, J. A.. A Paisagem como Instrumento para um Planejamento Sustentável: uma visão dialética entre a Europa e o Brasil. In: Direito e Paisagem: a afirmação de um direito fundamental individual e difuso. OLIVEIRA, Marcio Luis de; CUSTÓDIO, Maraluce Maria; LIMA, Carolina Carneiro [Org.] – Belo Horizonte: Editora D’Plácido, 2017 (p. 39-76).

INEA – Instituto Estadual do Ambiente. O estado do ambiente: indicadores ambientais do Rio de Janeiro – 2010. Julia Bastos e Patricia Napoleão (Org.). – Rio de Janeiro (Estado). Secretaria Estadual do Ambiente. Rio de Janeiro: SEA; INEA, 2011.

LAVELL, A.; OPPENHEIMER, M.; DIOP, C.; HESS, J.; LEMPERT, R.; LI, J.; MUIR-WOOD, R.; MYEONG, S.; MOSER, S.; TAKEUCHI, K.; CARDONA, O.-D.; HALLEGATTE, S.; LEMOS, M.; LITTLE, C.; LOTSCH, A.; WEBER, E.. Climate Change: New Dimensions in Disaster Risk, Exposure, Vulnerability, and Resilience. In: Managing The Risks Of Extreme Events And Disasters To Advance Climate Change Adaptation.: a special reporto f Working Groups I and II. Cambridge: Cambridge University Press, 2012 (p. 25-64).

LAYRARGUES, P. P.. Educação para Gestão Ambiental: a cidadania no enfrentamento político dos conflitos socioambientais. In: Sociedade e Meio Ambiente: a educação ambiental em debate. LOUREIRO, C. F.; LAYRARGUES, P. P.; CASTRO, R. S. de (Organizadores). – 7ª ed., - São Paulo: Cortez, 2012 (p. 89-156).

LIMA, M. L. da S.; CHAIBLICH, Juliana Valentim. Análise Geo-Espacial da Dengue no Município do Rio de Janeiro (RJ). In: Anais do 11º Congresso Brasileiro de Saúde Coletiva. Goiânia (GO). 2015.

LIMA, M. L. da S.. Vulnerabilidade e Riscos Socioecológicos no Sistema Hidrográfico do Rio do Portinho, Região de Guaratiba no Município do Rio de Janeiro (RJ). Dissertação (Mestrado em geografia) - Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ, 2017.

MAGALHÃES, V. L.; CUNHA, J. E. da; NÓBREGA, M. T. de. Caracterização Morfopedológica de Unidades de Paisagem do Extremo Oeste do Paraná. Perspectiva Geográfica-Marechal Cândido Rondon, Ed. Esp., v.11, n.15, jul.-dez., 2016. p. 245-253.

MANSUR, A. L.. O velho oeste carioca – História da ocupação da Zona Oeste do Rio de Janeiro (de Deodoro a Sepetiba), do século XVI aos dias atuais. – 1ªed. – Rio de Janeiro: Ibis Libris, 2008.

MANSUR, A. L.. O velho oeste carioca – Volume II – Mais histórias da ocupação da Zona Oeste do Rio de Janeiro (de Deodoro a Sepetiba), do século XVI ao XXI. – 1ªed. – Rio de Janeiro: Ibis Libris, 2011.

MANSUR, A. L.. O velho oeste carioca – Volume III – Outras histórias da ocupação da Zona Oeste do Rio de Janeiro (de Deodoro a Sepetiba), do século XVI ao XXI. – 1ªed. – Rio de Janeiro: Ibis Libris, 2016.

MARANDOLA JÚNIOR, E.. Habitar em risco: mobilidade e vulnerabilidade na experiência metropolitana. – São Paulo: Blucher, 2014.

MOTA, M. S. C.. Nas terras de Guaratiba. Uma aproximação histórico-jurídica às definições de posse e propriedade da terra no Brasil entre os séculos XVI-XIX. 2009 (334 f). Orientador: María Verónica Secreto de Ferreras. Tese (Doutorado) – Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Instituto de Ciências Humanas e Sociais.

PORTO, M. F. de S.. Uma ecologia política dos riscos: princípios para integrarmos o local e o global na promoção da saúde e da justiça ambiental. Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ, 2012 (270 p.).

REIS, A. P. dos; MANSUR, K. L.. Sinopse Geológica do Estado do Rio de Janeiro. Mapa Geológico 1:400.000. Secretaria de Estado de Meio Ambiente - Departamento de Recursos Minerais - Diretoria Técnica- Niterói, 1995.

RIBEIRO, S. C.. Etnogeomorfologia na Perspectiva da Gestão Ambiental e Aprendizagem na Educação Básica. Espaço Aberto, PPGG - UFRJ, V. 6, N.1, p. 175-190, 2016. https://doi.org/10.36403/espacoaberto.2016.5242 Disponível em: < https://revistas.ufrj.br/index.php/EspacoAberto/article/view/5242/3850>. Acesso em: 8 nov. 2018.

SAITO, S. M.; SORIANO, É.; LONDE, L. de R.. Desastres Naturais. In: Sensoriamento Remoto para desastres naturais. – SAUSEN, T. M.; LACRUZ, M. S. P. (Org.) - São Paulo: Oficina de Textos, 2015 (p. 23-40).

SECRETARIA DE MEIO AMBIENTE DO RIO DE JANEIRO – SMAC. Mapeamento da Cobertura Vegetal e do Uso das Terras do Município do Rio de Janeiro (2011) - Sig Floresta. Rio de Janeiro. Disponível em: <http://www.rio.rj.gov.br/web/smac/sig-floresta>. Acesso em: outubro de 2015.

SILVA, J. M. P.; MANETTI, C.; TÂNGARI, V.. Compartimentos e Unidades de Paisagem: método de leitura da paisagem aplicado à linha férrea. Paisagem e ambiente: ensaios - n. 31 - São Paulo - p. 61 - 80 – 2013. https://doi.org/10.11606/issn.2359-5361.v0i31p61-80

SOLÓRZANO, A.; LAZOS-RUÍZ, A. E.; OLIVEIRA, R. R. de. Landscape Reading of Urban Forests in Rio de Janeiro: Interpreting Past and Current Socioecological Interactions. HALAC. Guarapuava, volumen VI, número 1, enero-junio 2016, p. 211-224. https://doi.org/10.5935/2237-2717.20160011

TUDOR, C.. An Approach to Landscape Character Assessment. Natural England, October, 2014. Disponível em: < https://assets.publishing.service.gov.uk/government/uploads/system/uploads/attachment_data/file/691184/landscape-character-assessment.pdf >. Acesso em 9 nov. 2019.

VEYRETE, Y. (Org.). Os riscos: o homem como agressor e vítima do meio ambiente. 2a ed., 1ª reimpressão. – São Paulo: Contexto, 2015.

ZADEH, L. A.. Fuzzy Set as a Basis for a Theory of Possibility. Fuzzy Sets and Systems 1, 1978 (p. 3-28).

ZADEH, L. A.. Fuzzy sets. Information and Control, v. 8, p. 338-353, 1965.

Direitos Autorais para artigos publicados nesta revista são do autor, com direitos de primeira publicação para a revista. Em virtude de aparecerem em revista de acesso público, os artigos são licenciados sob Creative Commons Attribution (BY), que permite o uso irrestrito, distribuição e reprodução em qualquer meio, desde que o trabalho original seja devidamente citado.

 
 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...