Política energética na Amazônia: a UHE Estreito e os camponeses tradicionais de Palmatuba/Babaçulândia (TO) / Energy statecraft in Amazonian: the UHE Estreito and the traditional peasants Palmatuba/Babaçulândia (TO)
PDF (Português (Brasil))

How to Cite

SIEBEN, A.; CLEPS JUNIOR, J. Política energética na Amazônia: a UHE Estreito e os camponeses tradicionais de Palmatuba/Babaçulândia (TO) / Energy statecraft in Amazonian: the UHE Estreito and the traditional peasants Palmatuba/Babaçulândia (TO). Sociedade & Natureza, [S. l.], v. 24, n. 2, 2012. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/sociedadenatureza/article/view/14516. Acesso em: 1 mar. 2024.

Abstract

Neste trabalho buscou-se analisar a política energética brasileira frente ao crescimento econômico nacional e como a construção de barragens influenciou o modo de vida de comunidades atingidas na Amazônia, sobretudo no processo de reivindicação das indenizações. Pesquisando sobre política energética em sites e literaturas, analisando empiricamente com entrevistas e acompanhando a luta de camponeses atingidos para terem reconhecidos seus direitos, destacando a comunidade de Palmatuba em Babaçulândia/TO elaborou-se este artigo. Esta comunidade ribeirinha do rio Tocantins foi atingida pelo reservatório da UHE de Estreito. O estado do Tocantins tem na política energética, na sucessão de lagos artificiais, no rio homônimo, um dos modelos para crescer economicamente, desterritorializando camponeses tradicionais, com a justificativa do desenvolvimento sustentável.
PDF (Português (Brasil))

Authors hold the Copyright for articles published in this journal, and the journal holds the right for first publication. Because they appear in a public access journal, articles are licensed under Creative Commons Attribution (BY), which permits unrestricted use, distribution, and reproduction in any medium, provided the original work is properly cited.

Downloads

Download data is not yet available.

Metrics

Metrics Loading ...