Política energética na Amazônia: a UHE Estreito e os camponeses tradicionais de Palmatuba/Babaçulândia (TO) / Energy statecraft in Amazonian: the UHE Estreito and the traditional peasants Palmatuba/Babaçulândia (TO)
PDF

Como Citar

SIEBEN, A.; CLEPS JUNIOR, J. Política energética na Amazônia: a UHE Estreito e os camponeses tradicionais de Palmatuba/Babaçulândia (TO) / Energy statecraft in Amazonian: the UHE Estreito and the traditional peasants Palmatuba/Babaçulândia (TO). Sociedade & Natureza, [S. l.], v. 24, n. 2, 2012. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/sociedadenatureza/article/view/14516. Acesso em: 22 maio. 2022.

Resumo

Neste trabalho buscou-se analisar a política energética brasileira frente ao crescimento econômico nacional e como a construção de barragens influenciou o modo de vida de comunidades atingidas na Amazônia, sobretudo no processo de reivindicação das indenizações. Pesquisando sobre política energética em sites e literaturas, analisando empiricamente com entrevistas e acompanhando a luta de camponeses atingidos para terem reconhecidos seus direitos, destacando a comunidade de Palmatuba em Babaçulândia/TO elaborou-se este artigo. Esta comunidade ribeirinha do rio Tocantins foi atingida pelo reservatório da UHE de Estreito. O estado do Tocantins tem na política energética, na sucessão de lagos artificiais, no rio homônimo, um dos modelos para crescer economicamente, desterritorializando camponeses tradicionais, com a justificativa do desenvolvimento sustentável.
PDF

Direitos Autorais para artigos publicados nesta revista são do autor, com direitos de primeira publicação para a revista. Em virtude de aparecerem em revista de acesso público, os artigos são licenciados sob Creative Commons Attribution (BY), que permite o uso irrestrito, distribuição e reprodução em qualquer meio, desde que o trabalho original seja devidamente citado.

 
 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...