Sentidos atribuídos por professores à prática docente em um cursinho popular

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/REP-2023-67585

Palavras-chave:

Cursinho Popular, Formação Docente, Educação Popular, Educação Inclusiva, Professores

Resumo

Este estudo objetivou compreender os sentidos atribuídos por professores de um cursinho popular às suas experiências como formadores. Trata-se de um estudo descritivo, de abordagem qualitativa. Quinze professores participaram. Para a coleta dos dados, um roteiro de entrevista semidirigida foi aplicado individualmente. Os dados foram organizados pela análise temática de Braun e Clarke e analisados por autores da área. Foram identificadas três categorias temáticas: (a) o saber-fazer-docente na prática formadora do professor; (b) a educação popular na democratização do ensino; e (c) a relação educando-educador: aprender para ensinar. Como resultados, percebeu-se que os professores enfrentam dificuldades na didática em sala de aula e na efetivação da política de ação afirmativa diante da lógica de “aprovações”.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Guilherme Faria Ribeiro, Universidade de Brasília

Doutorando em Psicologia Clínica e Cultura na Universidade de Brasília, Brasil.

Tales Vilela Santeiro , Universidade Federal do Triângulo Mineiro

Doutor em Psicologia pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas, São Paulo, Brasil; estágio pós-doutoral na Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto, São Paulo, Brasil; professor associado da Universidade Federal do Triângulo Mineiro, Minas Gerais, Brasil; líder do Grupo de Pesquisa Clínica Psicanalítica: Brincar Aprender Pensar (UFTM/UFT/CNPq); membro do Grupo de Pesquisa Desenvolvimento Humano: Linguagens, Arte e Estética (Del'ARTES/UnB/CNPq).

Helena de Ornellas Sivieri Pereira , Universidade Federal do Triângulo Mineiro

Doutora em Psicologia pela Universidade de São Paulo, Brasil; estágios pós-doutoral na Universidade do Minho, Portugal, e na Universidade Federal de São Carlos, São Paulo, Brasil; professora associada da Universidade Federal do Triângulo Mineiro, Minas Gerais, Brasil.

Referências

BLEGER, J. Temas de psicologia: entrevista e grupos. São Paulo: Martins Fontes, 2007.

BONALDI, E. V. Tentando “chegar lá”: as experiências de jovens de um cursinho popular. Tempo Social, São Paulo, v. 30, n. 1, p. 259-282, 2018. DOI 10.11606/0103-2070.ts.2018.119387. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/ts/article/view/119387/138701. Acesso em: 10 jan. 2022.

BRAUN, V.; CLARKE, V. Reflecting on reflexive thematic analysis. Qualitative Research in Sport, Exercise and Health, London, v. 11, n. 4, p. 589-597, 2019. DOI 10.1080/2159676X.2019.1628806. Disponível em: https://uwe-repository.worktribe.com/output/1493232/reflecting-on-reflexive-thematic-analysis. Acesso em: 10 jan. 2022.

COSTA, A. R.; GOMES, T. F. Contribuições da obra de Paulo Freire nos encontros de cursos pré-universitários populares: redes de indignação e esperança. Revista de Educação Popular, Uberlândia, v. 16, n. 2, p. 137-151, 2017. DOI 10.14393/REP_v16n22017_rel01. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/reveducpop/article/view/37837/pdf. Acesso em: 10 jan. 2022.

CRUZ, G. B. Didática e docência no ensino superior. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, Brasília, v. 98, n. 250, p. 672-689, set./dez. 2017. DOI 10.24109/2176-6681.rbep.98i250.2931. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rbeped/a/9J9NMWBdXffJfkhsRqfycLJ/?format=pdf&lang=pt. Acesso em: 17 nov. 2022.

FIGUEIREDO, V. C. N.; BARBOSA, A. V. Escolha e perspectiva profissional de alunos de um cursinho preparatório popular. Revista Brasileira de Orientação Profissional, Florianópolis, v. 16, n. 2, p. 173-183, 2015. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S167933902015000200008&lng=pt&tlng=pt. Acesso em: 10 jan. 2022.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

GROPPO, L. A.; OLIVEIRA, A. R. G.; OLIVEIRA, F. M. Cursinho popular por estudantes da universidade: práticas político-pedagógicas e formação docente. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 24, p. 1-24, 2019. DOI 10.1590/s1413-24782019240031. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rbedu/a/WCL98kd9VJkHktFSTKwxcmP/?lang=pt. Acesso em: 10 jan. 2022.

SILVA, C. D. et al. Orientação profissional em cursinhos populares: uma revisão acerca dos estudos brasileiros. Revista Sul-Americana de Psicologia, Santiago, v. 1, n. 3, p. 138-155, 2015. Disponível em: http://ediciones.ucsh.cl/ojs/index.php/RSAP/article/view/1755. Acesso em: 10 jan. 2022.

WHITAKER, D. C. A. Da invenção do vestibular aos cursinhos populares: um desafio para a orientação profissional. Revista Brasileira de Orientação Profissional, São Paulo, v. 11, n. 2, p. 289-297, 2010. Disponível em: https://repositorio.unesp.br/handle/11449/125179. Acesso em: 10 jan. 2022.

ZAGO, N. Pré-vestibular popular e trabalho docente: caracterização social e mobilização. Revista Contemporânea de Educação, Rio de Janeiro, v. 4, n. 8, p. 1-22, 2009. DOI 10.20500/rce.v4i8.1585. Disponível em: https://revistas.ufrj.br/index.php/rce/article/view/1585/1433. Acesso em: 27 maio 2022.

Downloads

Publicado

28-04-2023

Como Citar

RIBEIRO, G. F.; SANTEIRO , T. V.; PEREIRA , H. de O. S. Sentidos atribuídos por professores à prática docente em um cursinho popular. Revista de Educação Popular, Uberlândia, v. 22, n. 1, p. 231–250, 2023. DOI: 10.14393/REP-2023-67585. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/reveducpop/article/view/67585. Acesso em: 18 jun. 2024.