Roda de conversa

Diálogos em torno do Movimento Estudantil na Educação Profissional e Tecnológica

Autores

  • Jêniffer Fernanda Reis Galdiano Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo
  • Rodrigo Palucci Pantoni Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.14393/REP-2023-67128

Palavras-chave:

Ensino Médio Integrado, Participação social, Movimento Estudantil

Resumo

A roda de conversa foi concebida como produto educacional durante uma pesquisa sobre o Movimento Estudantil na Educação Profissional e Tecnológica (EPT) e escolhida como proposta de produto educacional, porque valoriza as experiências e constrói conhecimentos a partir da observação crítica da realidade em que os sujeitos participantes estão inseridos por meio do diálogo, contribuindo para uma educação crítica e emancipadora. A coleta de dados se deu por meio de observação, entrevistas, escritos produzidos pelos gremistas e questionário. A análise dos dados foi feita numa perspectiva temática. O produto educacional é um roteiro para a roda de conversa denominada “Expressões do Movimento Estudantil Secundarista”. A proposta visou promover a construção e a reconstrução de significados entre os participantes em torno do Movimento Estudantil. Como resultado, constatou-se que os jovens o valorizam como um espaço educativo e de diálogo, capaz de contribuir para a escola e para a formação crítica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jêniffer Fernanda Reis Galdiano, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo

Mestra em Educação Profissional e Tecnológica pelo Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia de São Paulo, Campus Sertãozinho, Brasil; técnica administrativa da mesma instituição.

Rodrigo Palucci Pantoni, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo

Doutor em Engenharia Elétrica pela Universidade de São Paulo, Brasil; professor no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo, Campus Sertãozinho, Brasil.

Referências

ANTUNES, R. O privilégio da servidão: o novo proletariado de serviços na era digital. São Paulo: Boitempo, 2018.

ARAUJO, D. A. C. Pedagogia histórico-crítica: proposição teórico metodológica para a formação continuada. Anais do Sciencult, Paranaíba, v. 1, n. 1, p. 352-359, 2009. Disponível em: https://anaisonline.uems.br/index.php/sciencult/article/view/3443/3416. Acesso em: 6 set. 2019.

CIAVATTA, M. A formação integrada: a escola e o trabalho como lugares de memória e de identidade. In: FRIGOTTO, G.; CIAVATTA, M.; RAMOS, M. (org.). Ensino médio integrado: concepção e contradições. 3. ed. São Paulo: Cortez, 2012. p. 83-106. DOI 10.22409/tn.3i3.p6122.

DAYRELL, J. O jovem como sujeito social. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 24, p. 40-52, dez. 2003. DOI 10.1590/S1413-24782003000300004. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rbedu/a/zsHS7SvbPxKYmvcX9gwSDty/?format=pdf. Acesso em: 17 jun. 2022.

DAYRELL, J. A escola “faz” as juventudes? reflexões em torno da socialização juvenil. Educ. Soc., Campinas, v. 28, n. 100, p. 1105-1128, out. 2007. DOI 10.1590/S0101-73302007000300022. Disponível em: https://www.scielo.br/j/es/a/RTJFy53z5LHTJjFSzq5rCPH/?format=pdf&lang=pt. Acesso em: 19 jun. 2022.

FORACCHI, M. M. A juventude e a sociedade moderna. 2. ed. São Paulo: EDUSP, 2018.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. 64. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2017.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Panorama de Sertãozinho. 2018. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/sp/sertaozinho/panorama. Acesso em: 5 jun. 2022.

INSTITUTO FEDERAL DE SÃO PAULO. Movimento Estudantil. 2021. Disponível em: https://srt.ifsp.edu.br/movimento-estudantil. Acesso em: 11 abr. 2023.

KUENZER, A. Z. Ensino médio e profissional: as políticas do Estado Neoliberal. São Paulo: Cortez, 2007.

LEITE, P. S. C. Produtos educacionais em mestrados profissionais na área de ensino: uma proposta de avaliação coletiva de materiais educativos. In: CONGRESSO IBERO-AMERICANO EM INVESTIGAÇÃO QUALITATIVA, 7., 2018, Lisboa. Atas [...]. Lisboa: CIAIQ. Disponível em: https://proceedings.ciaiq.org/index.php/ciaiq2018/issue/view/24. Acesso em: 5 maio 2022.

LUDKE, M.; ANDRÉ, M. E. D. A. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: Editora Pedagógica e Universitária, 1986.

MARTINS, F. A. S. A voz do estudante na educação pública: um estudo sobre a participação de jovens por meio do grêmio estudantil. 2010. 168 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2010. Disponível em: http://www.bibliotecadigital.ufmg.br/dspace/handle/1843/BUDB-8CKPJT. Acesso em: 9 abr. 2022.

MARTINS, F. A. S.; DAYRELL, J. T. Juventude e participação: o grêmio estudantil como espaço educativo. Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 38, n. 4, p. 1267-1282, out-dez. 2013. DOI 10.1590/S2175-62362013000400014. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/index.php/educacaoerealidade/article/view/28328. Acesso em: 1 jul. 2022.

MARTINS, J. S. Prefácio. In: FORACCHI, M. M. A juventude na sociedade moderna. São Paulo: EDUSP, 2018. p. 11-13.

MENDES, F. B. “Um grêmio estudantil mais politizado”: formas de engajamento e construção identitária em um grêmio estudantil. 2011. 123 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais) – Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2011. Disponível em: http://tede2.pucrs.br/tede2/handle/tede/4686. Acesso em: 8 set. 2022.

MINAYO, M. C. S. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 2. ed. São Paulo: Hucitec, 1993.

MINAYO, M. C. S. et al. (org.). Pesquisa social: teoria, método e criatividade. 21. ed. Petrópolis: Vozes, 2002.

MOITA, F. M. G. S. C.; ANDRADE, F. C. B. O saber de mão em mão: a oficina pedagógica como dispositivo para formação docente e a construção do conhecimento na escola pública. In: REUNIÃO ANUAL DA ANPED, 29., 2006, Caxambu. Anais [...]. Caxambu: Anped. Disponível em: https://www.anped.org.br/biblioteca/item/o-saber-de-mao-em-mao-oficina-pedagogica-como-dispositivo-para-formacao-docente-e. Acesso em: 22 jul. 2019.

MOURA, A. B. F.; LIMA, M. G. S. B. A reinvenção da roda: roda de conversa, um instrumento metodológico possível. Interfaces da Educação, Paranaíba, v. 5, n. 15, p. 24-35, 2015. Disponível em: https://periodicosonline.uems.br/index.php/interfaces/article/view/448. Acesso em: 15 abr. 2023.

PACHECO, E. Fundamentos político-pedagógicos dos Institutos Federais: diretrizes para uma educação profissional e tecnológica transformadora. Natal: Editora IFRN, 2015. Disponível em: https://memoria.ifrn.edu.br/handle/1044/1018. Acesso em: 4 jun. 2022.

PLATAFORMA NILO PEÇANHA. Sexo e faixa etária. 2020. Disponível em: http://plataformanilopecanha.mec.gov.br/2020.html. Acesso em: 15 jul. 2022.

RAMOS, M. Ensino médio integrado: ciência, trabalho e cultura na relação entre educação profissional e educação básica. In: MOLL, J. et al. (org.). Educação profissional e tecnológica no Brasil contemporâneo: desafios, tensões e possibilidades. Porto Alegre: Artmed, 2010. p. 42-57.

REIS, J. F. F. S. Expressões do movimento estudantil secundarista no ensino médio integrado no câmpus Sertãozinho do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo. 2020. 140 f. Dissertação (Mestrado em Educação Profissional e Tecnológica) – Programa de Pós-Graduação em Educação Profissional e Tecnológica em Rede Nacional (ProfEPT), Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia de São Paulo, Sertãozinho, 2020. Disponível em: https://repo.ifsp.edu.br/handle/123456789/208;jsessionid=20247B29C9104C68B30DE3D38072125E. Acesso em: 4 jun. 2022.

Downloads

Publicado

28-04-2023 — Atualizado em 05-05-2023

Como Citar

GALDIANO, J. F. R.; PANTONI, R. P. Roda de conversa: Diálogos em torno do Movimento Estudantil na Educação Profissional e Tecnológica. Revista de Educação Popular, Uberlândia, v. 22, n. 1, p. 251–267, 2023. DOI: 10.14393/REP-2023-67128. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/reveducpop/article/view/67128. Acesso em: 18 maio. 2024.