Tristes de Ovídio: gênero, amor e lamento na poética do exílio

Autores

  • Laís Scodeler dos Santos Universidade Estadual de Campinas

Resumo

* Doutoranda em Linguística no IEL-Unicamp.

Tristes de Ovídio: gênero, amor e lamento na poética do exílio

Resumo:
Em 8 d.C., Ovídio (43 a.C. - 17 ou 18 d.C.) foi condenado por Augusto ao exílio e, por isso, ele compõe elegias que são, segundo o poeta, similares à sua situação. Levando em conta a existência marcante da matéria erótica em Ovídio, este artigo pretende analisar a presença da temática amorosa nas elegias do exílio por meio de alusões A  Arte de Amar, especialmente em Tr. II, que também podem ser encontradas em outras elegias que compõem os cinco livros dos Tristes.

Palavras-chave: Ovídio. Tristes. Exílio. A Arte de Amar. Autobiografia. Lamento.

 

Ovid's Sorrows: gender, love and lament in the poetics of exile

Abstract:
In 8 AD Ovid was sentenced by Augustus to exile and therefore he composes elegies that are, according to the poet, similar to his situation. Considering the preeminent existence of the erotic poetic matter in Ovid, this study intends to analyze the presence of the amatory elegy in the exile's elegy through the allusions to The Art of Love, especially on Tr. II which can also be found in the other elegies which compose the five books of Sorrows.

Keywords: Ovid, Sorrows. Elegy. The Art of Love. Autobiography. Lament.

Data de registro: 24/04/2017

Data de aceite: 11/05/2017

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BARCHIESI, A. Narratività e convenzione nelle Heroides. In: Materiali e Discussioni Per L'analisi Dei Testi Classici, n. 19 ,1987, p. 63-90. https://doi.org/10.2307/40235895

________. The poet and the prince. Ovid and augustan discourse. Berkeley, Los Angeles, London: University of California Press, 1997.

________. Teaching Augustus Through Alusion. Edição e tradução M. Fox e S. Marchesi, In: Speaking Volumes: Narrative and Intertext in Ovid and Other Latin Poets. Londres, 2001, p. 79-105.

CARDOSO, I. T. Metamorfoses do desejo no Actéon ovidiano. In: LEITE, N. V. de.

Araújo. Corpolinguagem: a estética do desejo. Campinas: Mercado de Letras, 2005, p.

-62.

CICCARELLI, I. Commento al II libro dei Tristia di Ovidio. Bari: Edipuglia, 2003.

CLAASSEN, J. M. Displaced Persons: The Literature of Exile from Cicero to Boethius.

London: Gerald Duckworth, 1999.

________. Tristia. In: KNOX, Peter (ed). A Companion to Ovid. Oxford: Blackwell, 2009, p. 26-45.

CONTE, G. B. Latin Literature: a History. Baltimore: The John Hopkins University Press, 1994.

GOLD, B. K. Introduction. In: A Companion to Roman Love Elegy. Oxford: Blackwell, 2013. https://doi.org/10.1002/9781118241165

INGLEHEART, J. A Commentary on Tristia Book II. Oxford: Oxford University Press, 2010.

LABATE, M. L'arte di farsi amare. In: Modelli culturali e progetto didascalico

nell'e/egia ovidiana. Pisa: Giardini Editori, 1984.

________. Elegia triste ed elegia lieta. In: Materialli e discussioni per l’analisi dei testi classici, n 19, 198, p. 91-106.

MÖLLER, M. "Ovid", in Handbook Autobiography/Autofiction, (ed) Martina Wagner-Egelhaaf, Berlin-New York , 2015 (no prelo).

NAGLE, B.R. The Poetics of Exile: Program and Polemic in the Tristia and Epistulae

ex Ponto of Ovid. Bruxelas. In: Latomus, vol. 170, 1980.

OVID. Ovid’s poetry of exile. Translated into verse by David R. Slavitt. Baltimore and London: The Johns Hopkins University Press, 1990.

________. Tristia. Ex Ponto. Tradução de A. L. Wheeler. Revisão de G. P. Goold. Loeb Classical Library. Cambridge: Harvard University Press, 1924. https://doi.org/10.4159/DLCL.ovid-ex_ponto.1924

OVIDE. Tristes. Texte établi et traduit par Jacques André. Paris: Belles Lettres, 1987.

OVIDIO. Il Tristia. Volume primo. Traduzione di Francesco Della Corte. Genova-Sestri: Tilgher-Genova, 1972.

________. Tristium. lib. I e II. Illustr. da G. Ferrara. S.1: Sn, 19-?.

________. Genova- Sestri: Tilgher-Genova, 1972. Tristezze. Introduzione, traduzione e

note di Francesca Lechi. Milano: Rizzoli, 1993.

________. Tristes, Cartas del Ponto. Introducción, traducción y notas de Rafael Herrera Montero. Madrid: Alianza, 2002.

________. Poemas da carne e do exílio. Seleção, tradução, introdução e notas de José Paulo Paes. São Paulo: Companhia das Letras, 1997.

OVÍDIO. Tristium. Tradução de Augusto Velloso. Rio de Janeiro: Simões, 1952.

________. Os Remédios do Amor. Tradução de A. S. Mendonça. São Paulo: Nova Alexandria, 1994.

PRATA, P. O caráter intertextual dos Tristes de Ovídio: uma leitura dos elementos épicos virgilianos. 2007. 408 f. Tese (doutorado) – Curso de Linguística, Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2007.

SANTOS, L.S. Autobiografia e a presença da Ars Amatoria nos Tristia de Ovídio. 2015. 111 f. Dissertação (mestrado) Curso de Linguística, Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2015.

SCHIESARO, A. Ovid and the professional discourses of scholarship, religion, rhetoric. In: HARDIE, P. (ed.), The Cambridge Companion to Ovid. Cambridge: Cambridge University Press, 2006, p. 64-78.

TARRANT, R. Ovid and ancient literary history In: P. Hardie. The Cambridge

Companion to Ovid. Cambridge: Cambridge University Press, 2006, p. 13-33.

THORSEN, T. S. Ovid the Love elegist. The Cambridge Companion to Love Elegy.

Cambridge: Cambridge University Press, 2013.

Downloads

Publicado

2017-07-05

Como Citar

SCODELER DOS SANTOS, L. Tristes de Ovídio: gênero, amor e lamento na poética do exílio. PRIMORDIUM - Revista de Filosofia e Estudos Clássicos, Uberlândia, v. 1, n. 2, 2017. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/primordium/article/view/38230. Acesso em: 23 maio. 2024.

Edição

Seção

Artigos