https://seer.ufu.br/index.php/primordium/issue/feed PRIMORDIUM - Revista de Filosofia e Estudos Clássicos 2024-02-23T00:00:00-03:00 Comitê Executivo Editorial Primordium revistaprimordium@ifilo.ufu.br Open Journal Systems <p>ISSN: 2526-2106 Ano de fundação: 2016 Periodicidade Semestral </p> <p>Qualis CAPES: B2 (2016-2020)</p> <p>A <em>Primordium</em> – Revista de Filosofia e Estudos Clássicos é um Periódico Eletrônico vinculado ao Instituto de Filosofia da Universidade Federal de Uberlândia, que tem como propósito o incentivo à investigação e ao debate acadêmico acerca de Filosofia e Estudos Clássicos (Grego e Latim), assumindo a tarefa de ser um instrumento de divulgação do conhecimento científico produzido a partir de pesquisas discentes de programas de graduação e pós-graduação em Filosofia e Estudos Clássicos.</p> <p><em><strong>Recebimento de submissões aberto em fluxo contínuo! </strong></em><strong>Estamos recebendo artigos e resenhas para o volume de 2023.</strong></p> <ul> <li><strong>Política de Acesso Livre: </strong>Esta revista oferece acesso livre imediato ao seu conteúdo, seguindo o princípio de que disponibilizar gratuitamente o conhecimento científico ao público proporciona maior democratização mundial do conhecimento.<br /><strong>Fontes de Apoio: </strong><a href="http://www.cocfi.ufu.br/">COCFI</a> - Coordenação do Curso de Filosofia</li> </ul> https://seer.ufu.br/index.php/primordium/article/view/68504 Leo Strauss e a Educação Liberal 2023-02-27T20:41:47-03:00 Walter Nicgorski wnicgors@nd.edu Bruno Irion Coletto coletto.bruno@gmail.com <p>NT: Originalmente publicado como: Nicgorski, Walter. Leo Strauss and Liberal Education. In: Interpretation: A Journal of Political Philosophy, XIII (May, 1985), pp. 233-250.</p> <p>Agradecemos ao Professor Walter Nicgorski, autor do presente artigo, bem como ao Professor Timothy W. Burns, Editor-Chefe da revista Interpretation, pela pronta autorização e pelo incentivo à tradução deste texto. Agrademos, igualmente, ao Professor Elvis Mendes por ter tornado a presente tradução possível.</p> <p>A versão original se inicia com a seguinte nota preliminar do autor:</p> <p>Esta é a versão revisada de um artigo apresentado na American Political Science Association em 1983. A revisão se beneficiou dos comentários do professor Frederick Crosson da Universidade de Notre Dame.</p> <p> </p> <p class="DATAREGISTROACEITE">Data de registro: 27/02/2023</p> <p class="DATAREGISTROACEITE">Data de aceite: 04/10/2023</p> 2024-02-23T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2024 Bruno Irion Coletto; Walter Nicgorski https://seer.ufu.br/index.php/primordium/article/view/67290 Da crítica antropológica ao sujeito antropológico espiritual 2022-10-18T17:08:39-03:00 Lucas Oliveira Mendes lucasmendesfilo@outlook.com <p><strong>Resumo</strong>: Sob o olhar foucaultiano o presente artigo percorre o caminho de investigação acerca do ser humano, tão nomeado, interpretado e dito de várias maneiras, que ao longo do tempo, inserido nas várias teorias do campo das ciências humanas se perdeu em sua constituição e no conhecimento de si. O objetivo principal aqui presente é encontrar o homem antropológico em suas possíveis dimensões para além do empírico, ainda que seja na experiência da vida que ele é conhecido e estudado. Utilizando a análise de Foucault da obra Antropologia de um ponto de vista pragmático de Immanuel Kant, apareceu um ser aberto, que mesmo fugindo das delimitações metafísicas, foi possível trazer à luz, o humano, como um sujeito espiritual, marcado por sua liberdade. Essa compreensão só foi possível através da estreita relação do pensamento foucaultiano com o kantiano, que visa o ser humano como um sujeito antropológico aberto à constituição de si em meio às tantas possibilidades do fazer algo de si mesmo.</p> <p><strong>Palavras-chave</strong>: Sujeito; Sujeito Espiritual; Gemüt; Antropologia; Michael Foucault</p> <p><strong>From anthropological criticism to the spiritual anthropological subject</strong></p> <p><strong>Abstract</strong>: Under the Foucauldian view, the present follows the path of investigation about the human being, so named, interpreted and said in various ways, that over time, inserted in the various theories of the field of human sciences, it was lost in its constitution and in the knowledge of yes. The main objective here is to find the anthropological man in his possible dimensions beyond the empirical, even if it is in the experience of life that he is known and studied. Using Foucault's analysis of the work Anthropology from a pragmatic point of view by Immanuel Kant, an open being appeared that, even escaping from the metaphysical boundaries, it was possible to bring to light this being, who is human, as a spiritual subject, marked by his freedom. This understanding was only possible through the close relationship between Foucauldian and Kantian thought, which aims at the human being as an anthropological subject open to the constitution of himself in the midst of so many possibilities of making something of himself.</p> <p><strong>Keywords</strong>: Subject; Spiritual Subject; Gemüt; Anthropology; Michael Foucault</p> <p> </p> <p class="DATAREGISTROACEITE">Data de registro: 18/10/2022</p> <p class="DATAREGISTROACEITE">Data de aceite: 17/01/2024</p> <p> </p> 2024-02-23T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2024 Lucas Oliveira Mendes https://seer.ufu.br/index.php/primordium/article/view/69732 Estado secular e comunidades religiosas em Entre Naturalismo e Religião, de Jürgen Habermas 2023-06-20T19:31:57-03:00 Anthony Lucas Neves Azevedo lucasanthony227@gmail.com <p><strong>Resumo</strong>: O presente trabalho tem como finalidade compreender, grosso modo, qual o papel das comunidades religiosas na sociedade, quais expectativas se espera do comportamento do cidadão religioso na sociedade civil, saber se argumentos religiosos podem ser aceitos nos debates públicos, se sim, em quais níveis do debate e sob quais condições, e se não, por que razões os argumentos formulados em linguagem religiosa devem ser vetados das discussões civis. Busca-se analisar a relação entre os cidadãos seculares e religiosos na democracia, as pressuposições cognitivas necessárias para se alcançar uma relação cooperativa, e o processo de aprendizagem necessário para que essas pressuposições sejam alcançadas no Estado secular.</p> <p><strong>Palavras-chave</strong>: Habermas; Esfera Pública; Religião; Estado</p> <p><strong>Secular State and Religious Communities in Between Naturalism and Religion, by Jürgen Habermas</strong></p> <p><strong>Abstract</strong>: The present work aims to understand, roughly, what is the role of religious communities in society, what expectations are expected of the behavior of religious citizens in civil society, whether religious arguments can be accepted in public debates, if so, at what levels of debate and under what conditions, and if not, for what reasons arguments formulated in religious language should be vetoed from civil discussions. It seeks to analyze the relationship between secular and religious citizens in democracy, the cognitive presuppositions necessary to achieve a cooperative relationship, and the learning process necessary for these presuppositions to be achieved in a secular State.</p> <p><strong>Keywords</strong>: Habermas; Public Sphere; Religion; State</p> <p> </p> <p class="DATAREGISTROACEITE">Data de registro: 20/06/2023</p> <p class="DATAREGISTROACEITE">Data de aceite: 02/02/2024</p> 2024-02-23T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2024 Anthony Lucas Neves Azevedo https://seer.ufu.br/index.php/primordium/article/view/72472 Apresentação Dossiê Leo Strauss: 50 anos de um legado 2024-02-15T09:06:15-03:00 Elvis de Oliveira Mendes elvis.oliver@live.com <p>É com imensa alegria e satisfação que apresento o “Dossiê Leo Strauss: 50 anos de um legado”, um empreendimento que não seria possível sem o amplo apoio do Prof. Dr. Richard Romeiro Oliveira (UFSJ) e da equipe editorial da revista <em>Primordium</em> – Revista de Estudos Clássicos, periódico vinculado ao Instituto de Filosofia da Universidade Federal de Uberlândia. Antes de qualquer coisa, gostaria de dizer que este dossiê representa muitas coisas para o crescimento do interesse acadêmico sobre Leo Strauss no Brasil, o que faz dessa empreitada algo realmente grande e significativo. Entre as muitas coisas que a confecção deste dossiê representa, vale notar primeiramente o seu caráter inédito, visto que não se encontra nos arquivos dos periódicos oficiais de filosofia no Brasil nenhuma publicação desta natureza, o que fornece a esta produção um caráter inédito e exclusivo. Em segundo lugar, é importante registrar aqui que este dossiê, além de inédito e exclusivo, como foi acima pontuado, vem a lume em um ano simbólico, no qual se comemora uma dupla efeméride: &nbsp;os 50 anos da morte de Leo Strauss e os 70 anos da publicação de sua obra mais comentada e traduzida no mundo, o monumental <em>Natural Right and History</em>. Um terceiro ponto digno de comentário diz respeito ao momento em que ocorre a publicação deste dossiê: trata-se, de fato, de um momento marcado, no Brasil, por um interesse acadêmico cada vez maior e ostensivo pelo autor que ele visa homenagear e em que se observa, portanto, um significativo aumento no número de monografias, dissertações e teses defendidas por pesquisadores brasileiros acerca de seu pensamento e de seu trabalho filosófico, dando origem a um material bibliográfico que pode ser consultado nos repositórios de universidades de todas as regiões do país.</p> <p>Negligenciada durante décadas, atualmente a obra de Leo Strauss começa, com efeito, a ser descoberta e estudada no Brasil de maneira relativamente rápida e vibrante, levando jovens pesquisadores de nosso país a se debruçarem, com objetivos filosóficos, sobre os textos straussianos, o que tem tornado possível, entre nós, a constituição de uma verdadeira e incipiente “straussiologia”. É legítimo dizer que esse interesse pela produção filosófica de Leo Strauss no Brasil segue uma tendência internacional mais recente que pode ser percebida por meio de publicações que chegam de vários lugares do mundo e em diferentes idiomas, publicações que buscam uma compreensão mais profunda dos textos e cartas deixados pelo autor. Esse fenômeno nos mostra que os trabalhos straussianos possuem um inequívoco potencial reflexivo para lidar de maneira autêntica e radical não apenas com os temas da tradição do pensamento político e filosófico, mas também com os impasses e contradições da cultura moderna e contemporânea, sobretudo aqueles que se vinculam com os acontecimentos mais problemáticos que se impõem às sociedades de nosso tempo.&nbsp;&nbsp;</p> <p>Mas a justificativa mais fundamental para este dossiê se assenta no fato de que Leo Strauss é indiscutivelmente um dos mais importantes filósofos políticos do século XX; na realidade, para muitos especialistas, Strauss é mesmo o mais erudito e mais profundo dos pensadores da filosofia política contemporânea, fato que se evidencia seja a partir do vasto leque de autores por ele estudados, seja pela originalidade de seus <em>insights</em> e reflexões ou ainda pela maneira sagaz e peculiar com a qual ele problematizou os modismos e o dogmatismo do pensamento moderno e contemporâneo. Ao mesmo tempo, é preciso reconhecer que certamente ninguém se engajou filosoficamente mais do que ele em um projeto necessário de renovação da filosofia política em um contexto atual. Nesse sentido, a sua proposta de “retorno às coisas políticas” por elas mesmas, por meio da retomada dos “problemas fundamentais”, visando efetuar a saída do casulo dos preconceitos intelectuais de nosso tempo e alcançar uma compreensão renovada das questões originárias que alimentam o pensar genuíno, torna o seu modo característico de filosofar uma postura radical diante das soluções fáceis e abstratas que caracterizam a filosofia política na atualidade. É à luz desses elementos que devemos compreender o recurso de Strauss ao questionamento socrático como um procedimento alternativo para a reativação da filosofia política, e o seu apreço pela dialética platônica e pela moderação política aristotélica, o que nos mostra que a sobriedade do pensamento antigo parece ser para o professor Strauss o caminho para um renascimento original da racionalidade na filosofia política contemporânea.</p> <p>Strauss nasceu em 20 de setembro de 1899, em Kirchhain, pequena cidade rural localizada no estado de Hesse, na Alemanha, e, durante os anos de sua formação acadêmica, foi aluno de Husserl e Heidegger. Como muitos intelectuais de origem judaica, ele se exilou nos EUA para fugir da perseguição de cunho antissemita instaurada pelo movimento nacional-socialista em sua terra natal. Com efeito, depois de passar uma temporada em Paris e Cambridge, graças ao recebimento de uma bolsa da Fundação Rockefeller, ele finalmente se instalou na América no ano de 1937, onde passou por uma década de profundas dificuldades financeiras, até se tornar, em 1949, professor de Ciência Política na Universidade de Chicago, instituição em que lecionou por duas décadas.</p> <p>Nos EUA, Strauss formou gerações de estudantes e ganhou muitos admiradores, influenciando vários intelectuais com quem teve contato e dialogando com colegas e críticos. Contudo, durante a sua vida, Strauss foi visto, na maioria das vezes, apenas como mais um erudito especializado nos clássicos do pensamento político ou como um <em>scholar</em> convencional cuja produção intelectual fora totalmente dedicada ao ramo da história das ideias. É apenas após a sua morte, em 1973, que se começa a compreender que Strauss é autor de uma obra profundamente instigante que escapa ao campo da mera erudição historiográfica, o que desencadeia um movimento hermenêutico que paulatinamente altera o modo de recepção dos seus textos. Com isso, a dimensão genuinamente filosófica dos trabalhos de Strauss aos poucos passa a ser reconhecida, consolidando-se gradativamente a compreensão de que esses trabalhos contêm <em>insights</em> filosóficos realmente originais, mobilizados em função de um projeto intelectual ousado, qual seja: o projeto de efetuar uma crítica radical aos principais pressupostos da filosofia política moderna e contemporânea, mediante uma minuciosa e diferenciada interpretação das grandes obras da tradição.</p> <p>Desde então, o legado intelectual de Strauss veio a exercer fascínio e admiração em um vasto número de estudiosos em várias partes do mundo. É o que se verifica, antes de mais nada, realmente, nos EUA e no Canadá, países em que o pensamento de Strauss causou inicialmente mais impacto, transformando-se no objeto de um profundo (e às vezes polêmico) debate; e é o que se observa igualmente, nas últimas décadas, na Europa (especialmente na Itália, na França e na Inglaterra) e, mais recentemente, na Ásia, com destaque para a China, país em que se verifica o desenvolvimento de uma vasta produção bibliográfica dedicada ao estudo e análise dos textos de Strauss. A organização do presente dossiê se insere na esteira desse movimento internacional e tem como objetivo contribuir com ele, abrindo espaço para a publicação de textos de jovens pesquisadores brasileiros que corajosamente têm se dedicado a esse difícil trabalho de compreensão da grande e complexa obra de Strauss.</p> 2024-02-23T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2024 Elvis de Oliveira Mendes https://seer.ufu.br/index.php/primordium/article/view/67333 A metodologia de Leo Strauss enquanto arte de ler e a redescoberta da esquecida arte de escrever 2022-10-24T10:57:58-03:00 Bruno Irion Coletto coletto.bruno@gmail.com <p><strong>Resumo</strong>: O aumento no interesse pelo pensamento de Leo Strauss no Brasil é fato consumado, o que vem representado pela recente tradução de várias de suas obras para o Português, sem contar uma incipiente produção de textos acadêmicos sobre o seu trabalho. Tido como um autor hermético, difícil de ler, a compreensão de sua filosofia política demanda, então, o entendimento de sua metodologia. Articular as razões e os modos de Leo Strauss é o objetivo da presente pesquisa. O resgate – e a explicitação – do modo esotérico de escrever presente na tradição da filosofia política que remonta à Grécia Antiga, realizados por Strauss, passa, primeiro, pelo entendimento da crítica que ele articula contra a modernidade. Se o modo esotérico de escrita, em vista do regime de perseguição que os filósofos viviam, era secreto, por que Strauss se lançou na tarefa de revelá-lo? A compreensão das regras de interpretação que Strauss propõe, juntamente com a compreensão dos níveis de perseguição que podem se fazer presentes na comunidade política, só é possível após o entendimento da metodologia de Strauss enquanto uma arte de ler.</p> <p><strong>Palavras-chave</strong>: Leo Strauss; Filosofia Política; Arte de Ler; Esoterismo</p> <p><strong>Leo Strauss' methodology as an art of reading and the rediscovery of the forgotten art of writing</strong></p> <p><strong>Abstract</strong>: The increasing interest in Leo Strauss´ thought in Brazil is a fact, which is represented by the recent translation of several of his works into Portuguese, not to mention an incipient production of academic texts about his work. Regarded as a hermetic author, difficult to read, the understanding of his political philosophy demands, then, the understanding of his methodology. Articulating the reasons and ways of Leo Strauss is the objective of the present research. The rescue – and the explanation – of the esoteric way of writing present in the tradition of political philosophy that goes back to Ancient Greece, carried out by Strauss, passes, first, through the understanding of the criticism that he articulates against modernity. If the esoteric way of writing, under the regime of persecution that philosophers lived, was secret, why did Strauss undertake the task of revealing it? Understanding the rules of interpretation that Strauss proposes, along with understanding the levels of persecution that can be present in the political community, is only possible after understanding Strauss´ methodology as an art of reading.</p> <p><strong>Keywords</strong>: Leo Strauss; Political Philosophy; Art of Reading; Esoterism</p> <p class="REFERNCIAS" style="margin-bottom: .0001pt;"> </p> <p class="DATAREGISTROACEITE">Data de registro: 24/10/2022</p> <p class="DATAREGISTROACEITE">Data de aceite: 06/09/2023</p> 2024-02-23T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2024 Bruno Irion Coletto https://seer.ufu.br/index.php/primordium/article/view/68966 O Max Weber de Leo Strauss 2023-04-11T11:41:40-03:00 Cássio Corrêa Benjamin ccbenj@ufsj.edu.br Rodrigo César Floriano rodrigocfloriano@gmail.com <p><strong>Resumo</strong>: Max Weber é um autor central para Leo Strauss. Importa a Strauss compreender o sentido da ciência social elaborada por Weber, já que tal ciência social rejeitaria o direito natural. Essa rejeição é baseada no historicismo e na distinção entre fatos e valores. Isso levaria ao niilismo como consequência necessária da obra weberiana. Strauss percebe aqui uma tese fundamental: a luta permanente entre valores últimos. Strauss toma essa tese como uma posição filosófica, o que o leva a tratar Weber como um filósofo. Esse é o Max Weber de Leo Strauss. Iremos analisar as passagens dos textos de Strauss referentes a essa questão e mostrar como essa figura de um Weber filósofo, quando utilizada para o entendimento da ciência social weberiana, leva a uma distorção de seu pensamento.</p> <p><strong>Palavras-chave</strong>: Direito Natural; Historicismo; Niilismo; Fatos; Valores</p> <p><strong>The Max Weber of Leo Strauss</strong></p> <p><strong>Riepilogo</strong>: Max Weber is a central author for Leo Strauss. It is important for Strauss to understand the meaning of the social science elaborated by Weber, since such social science would reject natural law. This rejection is based on historicism and the distinction between facts and values. This would lead to nihilism as a necessary consequence of Weber's work. Strauss perceives here a fundamental thesis the permanent struggle between ultimate values. Strauss takes this thesis as a philosophical position, which leads him to treat Weber as a philosopher. This is the Max Weber of Leo Strauss. We will analyze the passages of Strauss' texts referring to this question and show how this figure of a philosopher Weber, when used for the understanding of Weberian social science, leads to a distortion of his thought.</p> <p><strong>Keywords</strong>: Natural Right; Historicism; Nihilism; Facts; Values</p> <p> </p> <p class="DATAREGISTROACEITE" style="margin-bottom: .0001pt; line-height: 115%;"><span style="font-size: 11.0pt; line-height: 115%;">Data de registro: 11/04/2023</span></p> <p class="DATAREGISTROACEITE" style="margin-bottom: .0001pt; line-height: 115%;"><span style="font-size: 11.0pt; line-height: 115%;">Data de aceite: 24/11/2023</span></p> 2024-02-23T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2024 Cássio Corrêa Benjamin, Rodrigo César Floriano https://seer.ufu.br/index.php/primordium/article/view/68215 A crítica de Leo Strauss ao historicismo de Edmund Burke 2023-02-07T11:13:23-03:00 Theo Magalhães Villaça theomvillaca@gmail.com <p><strong>Resumo</strong>: O presente artigo visa examinar a crítica do pensador teuto-americano Leo Strauss ao estadista irlandês Edmund Burke, sobretudo exposto no livro Direito Natural e História. Apesar de ambos os autores serem frequentemente tidos como exemplos de pensadores conservadores, Strauss enquadra Burke dentro do que ele chama de historicismo, uma grande mazela do pensamento moderno. A filosofia política do estadista irlandês, ao ressaltar a importância das circunstâncias locais para a ordem política, se afasta da busca por uma ordem eterna e, portanto, pode resultar em um relativismo não só político, mas também moral. A crítica de Strauss expõe divergências, as quais, levadas a sério, revelam que reduzir esses autores a simples caracterizações, faz com que se perca a verdadeira dimensão de suas obras.</p> <p><strong>Palavras-chave</strong>: Leo Strauss; Edmund Burke; Conservadorismo; Historicismo; Relativismo</p> <p><strong>Leo Strauss’ critique to Edmund Burke’s historicism</strong></p> <p><strong>Abstract</strong>: This article aims to examine the criticism of the German-American thinker Leo Strauss to the Irish statesman Edmund Burke, especially exposed in the book Natural Law and History. Although both authors are often held up as examples of conservative thinkers, Strauss frames Burke within what he calls historicism, a major evil in modern thought. The political philosophy of the Irish statesman, by emphasizing the importance of local circumstances for the political order, moves away from the search for an eternal order and, therefore, can result in a relativism that is not only political, but also moral. Strauss' criticism exposes divergences, which, taken seriously, reveal that reducing these authors to simple characterizations causes the true dimension of their works to be lost.</p> <p><strong>Keywords</strong>: Leo Strauss; Edmund Burke; Conservatism; Historicism; Relativism</p> <p> </p> <p class="DATAREGISTROACEITE">Data de registro: 07/02/2023</p> <p class="DATAREGISTROACEITE">Data de aceite: 31/01/2024</p> 2024-02-23T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2024 Theo Magalhães Villaça https://seer.ufu.br/index.php/primordium/article/view/68500 Pierre Manent e a crítica do pensamento político moderno: uma investigação do legado intelectual de Leo Strauss 2023-02-27T16:37:05-03:00 Iann Endo Lobo iannloboe@gmail.com <p><strong>Resumo</strong>: O presente artigo investiga a interpretação de Pierre Manent a respeito do pensamento político moderno e do liberalismo moderno à luz de sua inspiração na filosofia de Leo Strauss. O status da relação de Strauss com o regime liberal democrático é um problema. Strauss foi um crítico da modernidade, ao mesmo tempo que se dizia amigo do regime democrático moderno. É contra o pano de fundo dessa problemática que se pretende analisar como a herança filosófica de Strauss se desenvolveu na teoria política contemporânea, a fim de pensar os dilemas de nosso regime político. A investigação se concentra na análise de alguns dos principais livros, ensaios e entrevistas de Manent, como estudo de caso. O artigo demonstra como Manent se nutriu, ainda que de modo crítico, amplamente da filosofia straussiana para pensar a genealogia e a natureza da democracia liberal, principalmente ao localizar a formação do regime em um projeto político-filosófico moderno iniciado por Maquiavel. Além disso, explora como o filósofo se inspira nessa análise para elaborar um diagnóstico dos problemas e estabelecer uma relação de amizade crítica com o regime.</p> <p><strong>Palavras-chave</strong>: Modernidade; Straussianismo; Liberalismo; Democracia; Individualismo</p> <p><strong>Pierre Manent and the critique of modern political thought: an investigation of Leo Strauss's intellectual legacy</strong></p> <p><strong>Abstract</strong>: This article investigates Pierre Manent's interpretation of modern political thought and modern liberalism in light of his inspiration from the philosophy of Leo Strauss. The status of Strauss's relationship with the liberal democratic regime is a problem. Strauss was a critic of modernity, while at the same time, he claimed to be a friend of the modern democratic regime. It is against the backdrop of this problematic relationship that we intend to analyze how Strauss's philosophical legacy has evolved in contemporary political theory in order to address the dilemmas of our political regime. The investigation focuses on the analysis of some of Manent's key books, essays, and interviews as a case study. The article demonstrates how Manent, albeit critically, drew extensively from Strauss's philosophy to contemplate the genealogy and nature of liberal democracy, particularly by locating the formation of the regime within a modern political-philosophical project initiated by Machiavelli. Furthermore, it explores how the philosopher draws inspiration from this analysis to diagnose problems and establish a relationship of critical friendship with the regime.</p> <p><strong>Keywords</strong>: Modernity; Straussianism; Liberalism; Democracy; Individualism</p> <p> </p> <p class="DATAREGISTROACEITE">Data de registro: 27/03/2023</p> <p class="DATAREGISTROACEITE">Data de aceite: 06/09/2023</p> 2024-02-23T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2024 Iann Endo Lobo https://seer.ufu.br/index.php/primordium/article/view/68515 O argumento da Lei Natural na Teoria Política de Leo Strauss 2023-02-28T16:52:34-03:00 Ronaldo Tadeu Souza ronaldolais@yahoo.com.br <p><strong>Resumo</strong>: Este artigo tem como objetivo reconstruir as alegações de Leo Strauss sobre a lei natural. Mesmo entendendo as complexidades da teoria política desse judeu-alemão radicado nos Estados Unidos concernente às fontes filosóficas (Platão, Tucídides, Maimônides) de suas reflexões, os autores (Nietzsche, Heidegger, Schmitt) que orientaram sua formação e o contexto histórico (República de Weimar e Estados Unidos) em que viveu, considero que o núcleo substantivo-imanente, bem como as implicações políticas que daí decorrem na modernidade, das concepções straussianas estão no modo em que se defende a legitimidade (imposta) da lei natural.</p> <p><strong>Palavras-chave</strong>: Leo Strauss; Teoria Política; Lei Natural; Modernidade; Straussianismo</p> <p><strong>The Natural Law Argument in Leo Strauss's Political Theory</strong></p> <p><strong>Abstract</strong>: This article aims to reconstruct Leo Strauss' claims about natural law. Even understanding the complexities of the political theory of this German Jew living in the United States concerning the philosophical sources (Plato, Thucydides, Maimonides) of his reflections, the authors (Nietzsche, Heidegger, Schmitt) who guided his formation and the historical context (Republic of Weimar and United States) in which he lived, I consider that the substantive-immanent core, as well as the political implications that derive from it in modernity, of Straussian conceptions are in the way in which the (imposed) legitimacy of the natural law is defended.</p> <p><strong>Keywords</strong>: Leo Strauss; Political Theory; Natural Law; Modernity; Straussianism</p> <p> </p> <p class="DATAREGISTROACEITE"><span style="font-size: 11.0pt;">Data de registro: 28/02/2023</span></p> <p class="DATAREGISTROACEITE"><span style="font-size: 11.0pt;">Data de aceite: 06/09/2023</span></p> 2024-02-23T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2024 Ronaldo Tadeu de Souza https://seer.ufu.br/index.php/primordium/article/view/68080 O Filósofo e a Religião ou “entre Jerusalém e Atenas”: Leo Strauss e o Problema Teológico-Político 2023-01-24T22:08:40-03:00 Elvis de Oliveira Mendes elvis.oliver@live.com <p><strong>Resumo</strong>: O tema da religião possui lugar central no pensamento de Leo Strauss, de fato, um dos aspectos mais importantes de sua crítica da modernidade passa pela forma que a religião é tratada pelos “filósofos das luzes”. Nesse estudo, apresento o caráter cético da crítica straussiana em relação à pretensão racionalista de substituir a fé religiosa pelo primado da razão teórica. Com isso, pretendo mostrar que para Strauss, é a manutenção da tensão entre fé e razão ou “o conflito entre Jerusalém e Atenas”, que torna possível a existência de modos de vida diferentes, como resultado de disposições distintas do espírito humano, o que revela o caráter profundamente fideísta de sua crítica.</p> <p><strong>Palavras-chave</strong>: Leo Strauss; Problema Teológico-Político; Jerusalém a Atenas; Fideísmo</p> <p><strong>The Philosopher and Religion or “Between Jerusalem and Athens”: Leo Strauss and the Theological-Political Problem</strong></p> <p><strong>Abstract</strong>: The theme of religion has a central place in the thought of Leo Strauss, in fact, one of the most important aspects of his critique of modernity is the way in which religion is treated by the “philosophers of the Enlightenment”. In this paper, I present the skeptical character of the Straussian critique in relation to the rationalist intention of substituting religious faith for the primacy of theoretical reason. With this, I intend to show that for Strauss, it is the maintenance of the tension between faith and reason or “the conflict between Jerusalem and Athens”, which makes possible the existence of different ways of life, as a result of different dispositions of the human spirit, which reveals the profoundly fideistic character of his criticism.</p> <p><strong>Keywords</strong>: Leo Strauss; Theological-Political Problem; Jerusalem and Athens; Fideism</p> <p class="REFERNCIAS"> </p> <p class="DATAREGISTROACEITE">Data de registro: 13/01/2023</p> <p class="DATAREGISTROACEITE">Data de aceite: 06/09/2023</p> 2024-02-23T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2024 Elvis de Oliveira Mendes https://seer.ufu.br/index.php/primordium/article/view/68466 Strauss e o duplo propósito da educação liberal 2023-02-24T15:02:55-03:00 Claudio Cesar Carvalho Santos claudioccarvalho37@gmail.com <p><strong>Resumo</strong>: O presente trabalho tem como objetivo apresentar e discutir o tema da educação liberal na obra de Leo Strauss. Tentaremos apresentar a posição do filósofo, a qual, a nosso ver, confere um duplo propósito à educação liberal. Primeiramente, o filósofo teuto-americano demonstra certo descontentamento com as sociedades de massa, as quais são caracterizadas pela baixa qualidade de suas produções artísticas e intelectuais. Nesse sentido, para Strauss, a educação liberal tem o propósito de remediar os problemas da sociedade de massa, estimulando qualidades como a dedicação e a concentração e tornando possível a constituição de uma “aristocracia dentro da democracia”. Por outro lado, Strauss define a filosofia como a educação do adulto, entendendo, ao mesmo tempo, a educação cavalheiresca como algo direcionado ao jovem, o que torna possível que está forma de educação possua até mesmo um caráter lúdico. Explorando essa linha de raciocínio, Strauss considera, então, que a educação liberal pode ser identificada como uma preparação para a filosofia.</p> <p><strong>Palavras-chave</strong>: Leo Strauss; Educação Liberal; Cultura de Massas</p> <p><strong>Strauss and the Dual Purpose of Liberal Education</strong></p> <p><strong>Abstract</strong>: The present work aims to present and discuss the theme of liberal education in the work of Leo Strauss. We will attempt to present the philosopher's position, which, in our view, confers a dual purpose to liberal education. Firstly, the German-American philosopher expresses a certain discontent with mass societies, which are characterized by the low quality of their artistic and intellectual productions. In this sense, for Strauss, liberal education aims to remedy the problems of mass society by stimulating qualities such as dedication and concentration, thereby making possible the establishment of an "aristocracy within democracy". On the other hand, Strauss defines philosophy as the education of the adult, while also understanding chivalric education as something directed towards the young, which allows this form of education to even possess a playful character. Exploring this line of reasoning, Strauss considers, therefore, that liberal education can be identified as a preparation for philosophy.</p> <p><strong>Keywords</strong>: Leo Strauss; Liberal Education; Mass Culture</p> <p> </p> <p>Data de registro: 24/02/2023</p> <p>Data de aceite: 06/09/2023</p> 2024-02-23T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2024 Claudio Santos