A questão da má-fé no Górgias de Platão

Autores

  • Marcelo Rosa Vieira

DOI:

https://doi.org/10.14393/REPRIM-v1n1a2016-36573

Palavras-chave:

Má-fé, Bem, Sócrates, Cálicles, Sartre

Resumo

Resumo: O presente artigo visa considerar a questão da má-fé no Górgias de Platão a partir da acepção ética de “negação da própria liberdade” que Sartre empresta ao termo no ensaio O ser e o nada. O conceito de má-fé aparece no diálogo por ocasião da discussão entre Sócrates e Cálicles, quando o jovem sofista acusa o filósofo de usar argumentos capciosos para enganar Górgias e Polo. Ver-se-á ao longo do texto, porém, que é Cálicles quem na verdade recorre ao uso da má-fé, ao introduzir a ideia de um determinismo natural para justificar seu hedonismo e negar a autonomia de escolha do homem. Propõe-se então a tese de que a má-fé decorre necessariamente do caráter anfibológico da retórica, pois desde que o orador imiscui interesses de caráter pessoal na sua argumentação, vê-se obrigado a adaptar seu discurso a tais interesses, sem preocupar-se com a elucidação correta das questões. A dialética socrática, por sua vez, pode furtar-se às contradições da má-fé na medida em que assume o caráter de investigação lógica desinteressada, comprometida apenas com o conhecimento exato da verdade.

Palavras-chave: Má-fé; Bem; Sócrates; Cálicles; Sartre.

 

The issue of bad faith in the Gorgias of Plato

Abstract: This present article aims to consider the issue of bad faith in the Plato’s Gorgias in relation to the ethic meaning of “own freedom’s deny” that Sartre bestows to the term at his essay Being and nothingness. The conception of bad faith appears in the dialogue at the occasion of discussion between Socrates and Calicles, as the young sophist accuses the philosopher of being using captious arguments to deceive Gorgias and Polo. It shall be seen along the text, however, that it’s actually Calicles whom happens to have recourse to bad faith as he introduces the idea of natural determinism to justify his hedonism and deny the choice’s autonomy of men. It’s proposed then the thesis that the bad faith proceeds necessarily from the amphibological rhetoric’s character, that once the orator interferes personal concerns at his argumentation, he sees himself obligated to adapt his speech to such concerns, and no attempt to make the correct elucidation of matters. The socratical dialectic, on the other hand, can get the contradictions out, as long as it assumes a character of logical and disinterested research, compromised only with the exact knowledge of truth.

Keywords: Bad Faith; Good; Socrates; Calicles; Sartre.

 

Data de registro: 09/06/2016

Data de aceite: 28/11/2016

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marcelo Rosa Vieira

Mestre em Filosofia pela Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia (UFU). E-mail: marcelroust@hotmail.com  CV: http://lattes.cnpq.br/8338450413424027

Referências

PLATON. Gorgias. Traduction par Monique Canto. Paris: Flammarion, 1993.

SARTRE, Jean Paul. L'être et le néant. Paris: Éditions Gallimard, 1943.

SARTRE, Jean Paul. O ser e o nada. Tradução de Paulo Perdigão. Petrópolis, RJ: Vozes, 2005.

SARTRE, Jean Paul. O existencialismo é um humanismo. Tradução de Rita Correia Guedes. Paris: Les Éditions Nagel, 1970.

Downloads

Publicado

2016-12-12

Como Citar

Vieira, M. R. (2016). A questão da má-fé no Górgias de Platão. Revista Primordium, 1(1), 17–42. https://doi.org/10.14393/REPRIM-v1n1a2016-36573

Edição

Seção

Artigos