O Ensino de Geografia durante o Regime Especial de Atividades Não Presenciais

experiência docente em uma escola estadual de Mariana-MG

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/OT2021v23.n.3.60128

Palavras-chave:

Ensino de Geografia, REANP, TDIC

Resumo

Este texto pretende analisar as experiências de uma docente no ensino de Geografia durante o Regime Especial de Atividades Não Presenciais (REANP) em uma escola pública de Minas Gerais, no ano de 2020. A metodologia tem enfoque qualitativo e descritivo. Utilizamos como aporte teórico referências sobre o Ensino da Geografia e as Tecnologias Digitais de Informação e Comunicação (TDIC). Para a coleta de dados, foi utilizada pesquisa bibliográfica e etnografia virtual com 12 grupos de WhatsApp®. O recorte da pesquisa envolveu a participação da autora do presente texto como professora de Geografia do Ensino Fundamental entre 6º e 8º ano entre março a novembro de 2020. Foi possível verificar o forte uso do WhatsApp® como uma das principais ferramentas de comunicação entre a professora e seus alunos, seguido do e-mail. Tal processo, contudo, se apresentou mais como um mecanismo operacional e burocrático do que pedagógico. As experiências também evidenciaram o despreparo docente para lidar com o formato de ensino não presencial e a necessidade de formação inicial e continuada dos professores, bem como a reflexão sobre os paradigmas emergentes a respeito das novas práticas de ensino que vêm se delineando atualmente

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

MAISA DE FREITAS, SEE- MG

Mestre em Educação pela Universidade Federal de Ouro Preto.

Referências

ASCENÇÃO, Valéria de Oliveira Roque; VALADÃO, Roberto Célio. Professor de Geografia: entre o Estudo do Fenômeno e a Interpretação da Espacialidade do Fenômeno. Scripta Nova: Revista electrónica de Geografía Y Ciencias Sociales. Barcelona: v. 18, 2014.
BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria da Educação Básica. Base nacional comum curricular. Brasília, DF, 2018. Disponível em: <http://basenacionalcomum.mec.gov.br/a-base>. Acesso em: 01 nov. 2020.
BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, LDB. 9394/1996.
CALLAI, H. C. A Geografia Escolar – e os conteúdos da Geografia. Revista Anekuneme, n. 1, p. 128-139. 2011.
CASTELLAR, Sonia Maria Vanzella. O ensino de Geografia e a formação docente. In: Formação continuada de professores[S.l: s.n.], 2003.
DIAS, Claudionor Henrique. As tecnologias da informação e comunicação e a formação do professor de geografia. 2010. 186 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Humanas) - Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, 2010.
HINE, C. Etnografia virtual. Barcelona: Editora Uoc, 2004.
LÉVY, P. Cibercultura. São Paulo: Editora 34, 1999.
MACÊDO, Rebeka Carvalho; MOREIRA, Kaline da Silva. Ensino de Geografia em tempos de pandemia: vivências na escola municipal professor Américo Barreira. Verde Grande: Geografia e Interdisciplinaridade. Fortaleza-CE. v. 2 n. 02, p.70-89, 27 ago. 2020.
MENEZES, Vitória Sabbado; KAERCHER, Nestor André. A formação docente em Geografia: por uma mudança de paradigma científico. Revista Giramundo, Rio de Janeiro. v. 2, n. 4, p. 47 - 59, jun./dez. 2015.
MORAES, M. C. Informática educativa no Brasil: uma história vivida, algumas lições aprendidas. Revista Brasileira de Informática Educativa, Brasília, v. 1, p. 19-44, 1997.
PAULA; Iago Sales de, SOUZA, Conceição Marques de; ANUTE; Pollyana Furtado Machado. A influência das correntes geográficas ao longo da Geografia Escolar no Brasil. UÁQUIRI- PPGGEO, UFAC, v. 2, n. 1, p. 158-176. 2020.
PEREIRA, Vanessa de Castro Bersot. Escola do século XIX, professores do século XX e alunos do século XXI. Rio de Janeiro. 2016.
PRETTO, Nelson De Luca; PASSOS, Maria Sigmar Coutinho. Formação ou capacitação em TIC? Reflexões sobre as diretrizes da UNESCO. Revista Docência e Cibercultura. v. 1, n. 1, p.9-32, set./dez. 2017.
QUEIROZ, Antônia Marcia Duarte. Formação de professores de Geografia na Amazônia: TIC e ensino no norte do Tocantins. Revista Ciência Geográfica, Bauru. v. XXIV - (1), jan./dez. 2020.
RIBEIRO, Ana Elisa. Do fosso às pontes: um ensaio sobre natividade digital, nativos Jr. e descoleções. Revista da Abralin, v. 18, n. 1, p. 01-24, 2019.
SACRISTÁN, J. Gimeno. Consciência e ação sobre a prática como libertação profissional dos professores. In: NÓVOA, António (org.). Profissão professor. Coleção Ciências da Educação. Porto, Porto Editora, 1991. p.61-92.
SANTOS, Milton. A Natureza do Espaço: Técnica, Razão e Emoção. 3ª Edição. São Paulo: Edusp (Editora da USP), 2003.
VENTURELLI, Ricardo Manffrenatti. Como Desenvolver o Raciocínio Geográfico em Tempos de Ead?: habilidades e ensino de Geografia no meio virtual. Revista Rural & Urbano. Recife. v. 05, n. 02, p. 199 -219, 2020.
VESENTINI, José William. Para uma Geografia crítica na escola. Editora do Autor: São Paulo, 2008.
SOUZA, Érica Vieira; COSTA Glauber Barros Alves. As condições de trabalho dos professores de Geografia no regime especial de direito administrativo (REDA) durante pandemia do coronavírus. Revista Pegada, Unesp, v. 21, n. 2. 2020.

Downloads

Publicado

2021-09-14

Como Citar

DE FREITAS, M. O Ensino de Geografia durante o Regime Especial de Atividades Não Presenciais: experiência docente em uma escola estadual de Mariana-MG. Olhares & Trilhas, [S. l.], v. 23, n. 3, p. 1335–1354, 2021. DOI: 10.14393/OT2021v23.n.3.60128. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/olharesetrilhas/article/view/60128. Acesso em: 15 ago. 2022.