Lendas, complôs e realidades alternativas: as narrativas acerca da realidade contemporânea e os regimes de conhecimento

Conteúdo do artigo principal

Giulia Crippa
https://orcid.org/0000-0002-6711-3144

Resumo

O artigo analisa a constituição de novos regimes de verdade, observando uma série de fenômenos que decorrem, em grande parte, de processos ligados à modernização e as mudanças que compõem nossa contemporaneidade. Busca-se entender como os regimes de verdade se estabelecem a partir da hipótese de que se trata de sistemas de crenças que, consolidados no tempo, sofrem processos de mutação constantes. Adota-se como metodologia principal o estudo bibliográfico. Conclui-se que as narrativas são ligadas às formas de interpretar a realidade, permitindo o reconhecimento das identidades; são também um conjunto de procedimentos cognitivos que geram os conhecimentos individuais e compartilhados, tornando tal conhecimento objetivo, real e crível.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Detalhes do artigo

Como Citar
Crippa, G. (2022). Lendas, complôs e realidades alternativas: as narrativas acerca da realidade contemporânea e os regimes de conhecimento. Ensino Em Re-Vista, 29(Contínua), e024. https://doi.org/10.14393/ER-v29a2022-24
Seção
DOSSIÊ 2: ENSINAR E APRENDER GEOGRAFIA EM TEMPOS DE HIPERCONECTIVIDADE E POLARIZAÇÃO DE IDEIAS

Referências

BAUMAN, Zygmunt. Modernità liquida. Roma-Bari: Laterza, 2002.

BECK, Ulrich Risk Society: towards a new Modernity. London: Sage, 1992.

BORGES, Jorge Luis. Finzioni. Milano, Adelphi, 2003.

CALABRESE, Stefano. La comunicazione narrativa: dalla letteratura alla quotidianità. Milano: Bruno Mondadori, 2010.

CASTELLS, Manuel. Comunicazione e potere. Milano: Università Bocconi, 2009.

CERTEAU, Michel de. Artes de fazer: a invenção do cotidiano. Petrópolis: Vozes, 1996.

CODELUPPI, Vanni. Ipermondo: dieci chiavi per capire il presente. Bari: Laterza, 2012.

FABRIS, Adriano. Etica delle nuove tecnologie. Brescia: La scuola, 2012

FOUCAULT, Michel. Le parole e le cose: un’archeologia delle scienze umane. Milano: B.U.R., 1988.

GORMAN, Michael. La biblioteca come valore: tecnologia, tradizione e innovazione nell’evoluzione di un servizio. Udine: Fórum, 2004.

LATOUR, Bruno. Redes que a razão desconhece: laboratórios, bibliotecas, coleções. Em PARENTE, André (org.). Tramas da rede: novas dimensões filosóficas, estéticas e políticas da cognição. Porto Alegre: Sulina, 2004, p. 39-63

MARCUSE, Herbert. Tecnologia, guerra e fascismo. São Paulo: UNESP, 1999.

MELOT, Michel. La sagesse du bibliothécaire. Paris: L’oeil neuf, 2004

RADFORD, Gary P. Flaubert, Foucault, and the Bibliotheque Fantastique. Toward a Postmodern Epistemology for Library Science, «Library Trend», Vol. 46 (Spring 1998), No. 4, p. 616-634.

SARDO, Lucia. Là ci darem la mano... Wikipédia e le biblioteche. Em: «Aib Studi», vol. 56 (settembre/dicembre 2016), n. 3, p. 435-440. Disponível em: https://aibstudi.aib.it/article/view/11542/10815. Acesso em: 05/01/2022.

SENNETT, Richard. O Artífice. Rio de Janeiro: Record, 2009

SHANNON, Claude E. A mathematical theory of communication. Bell System Technical Journal, 27:379–423, 1948

SOLIMINE, Giovanni e ZANCHINI, Giorgio. La cultura orizzontale. Roma-Bari: Laterza, 2020.

TARDE, Gabriel. Le leggi dell'imitazione. Torino: Rosenberg & Sellier, 2012.

VASSALLO, Nicla. Per sentito dire: conoscenza e testimonianza. Milano: Feltrinelli, 2011

WILLIAMS, Raymond. Cultura. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2000.

WILSON, Patrick. Second-hand knowledge: an inquiry into cognitive authority. Westport, Conn.; London: Greenwood press, 1983.