Análise comparativa dos programas de Matemática: cursos técnicos industriais versus colégio (1942-1965)

Conteúdo do artigo principal

Paulo Roberto Castor Maciel
https://orcid.org/0000-0001-5558-8874

Resumo

A partir de estudos históricos sobre a disciplina de Matemática no ensino secundário, verificou-se uma lacuna com relação à disciplina no ensino industrial. O objetivo do artigo é comparar matemática nos cursos técnicos da Escola Técnica Nacional com a disciplina do 2ºciclo do ensino secundário da época. Para realização da investigação, utilizou-se a história comparada e história das disciplinas escolares. As fontes de pesquisa foram os programas de Matemática, legislação e manuais didáticos. Podemos concluir que, entre as similaridades, temos a forma de ensinar e a nomenclatura de alguns dos conteúdos, e entre as diferenças, a distribuição da disciplina, a carga horária, as finalidades e os manuais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Detalhes do artigo

Como Citar
Maciel, P. R. C. . (2022). Análise comparativa dos programas de Matemática: cursos técnicos industriais versus colégio (1942-1965). Ensino Em Re-Vista, 29(Contínua), e015. https://doi.org/10.14393/ER-v29a2022-15
Seção
DEMANDA CONTÍNUA

Referências

ABRANCHES, R. F. O técnico em construção aeronáutica e a sua posição na indústria. Horizontes Técnicos. Rio de Janeiro, n. 1, p. 17-22, jun. 1958.

ALVAREZ, T. G. A Matemática da Reforma Francisco Campos em ação no cotidiano escolar. 2004. 257 f. Dissertação (Mestrado em Educação Matemática) – Programa de Estudos Pós-graduados em Educação Matemática, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2004.

ATA. Arquivo do CEFET/RJ, caixa 62.4.3, pasta ETN1.01.001, Ata do Conselho de Professores, 1964.

BRASIL. Ministério da Educação e Saúde. Decreto-lei nº 4073, de 30 de janeiro de 1942. Lei Orgânica do Ensino Industrial. Diário Oficial da União. Rio de Janeiro, DF, 9 fev. 1942a. n. 33, Seção 1. p. 1997-2002.

BRASIL. Ministério da Educação e Saúde. Decreto-lei nº 4244, de 9 de abril de 1942. Lei Orgânica do Ensino Secundário. Diário Oficial da União. Rio de Janeiro, DF, 10 abr. 1942b. n. 83, Seção 1. p. 5798-5803.

BRASIL. Ministério da Educação e Saúde Pública. Decreto nº 19890, de 18 de abril de 1931. Dispõe sobre a organização do ensino secundário. Diário Oficial da União. Rio de Janeiro, DF, 01 mai. 1931b. n. 101, Seção 1. p. 6945-6949.

BRASIL. Ministério da Educação e Saúde. Portaria nº 177, de 16 de março de 1943. Expede os programas de Matemática para os Cursos Clássico e Científico. Diário Oficial da União. Rio de Janeiro, DF, 18 mar. 1943. n. 64, Seção 1. p. 3930-3931.

CARDOSO, C. F.; BRIGNOLI, H. P. Os métodos da história. Rio de Janeiro: Graal, 1983.

CERTEAU, M. A. Escrita da história. Rio de Janeiro: Forense, 2011.

CHARTIER, R. A história cultural: entre práticas e representações. Lisboa: Difel, 2002.

CHERVEL, A. História das disciplinas escolares: reflexões sobre um campo de pesquisa. Teoria & Educação, Porto Alegre, n. 2, 1990.

CUNHA L. A. Ensino secundário e ensino industrial: Análise da influência recíproca. Sintese, n.18, 1980. p. 49-71, jan./abr. 1980.

DASSIE, B. A. A Matemática do curso secundário na reforma Gustavo Capanema. 2001. 170 f. Dissertação (Mestrado em Matemática) – Departamento de Matemática da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2001.

MACIEL, P. R. C. A matemática na Escola Técnica Nacional (1942-1965): uma disciplina diferente? 2018. 225f. Tese (Doutorado em Ciência, Tecnologia e Educação) – Ciência, Tecnologia e Educação. Rio de Janeiro: Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca, CEFET/RJ, 2018.

MACIEL, P. R. C.; CARDOSO, T. F. L. A coleção Matemática para cursos técnicos industriais: a matemática da Escola Técnica Nacional (1942-1965). Revista Eletrônica de Educação Matemática, Florianópolis, v. 14, n. 2, p. 1-17, set. 2019. ISSN 1981-1322. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/revemat/article/view/1981-1322.2019.e59689. Acesso em: 04 jun. 2020. DOI: https://doi.org/10.5007/1981-1322.2019.e59689.

MARQUES, A. S. Tempos pré-modernos: a matemática escolar dos anos 1950. 2005. 150 f. Dissertação (Mestrado em Educação Matemática) – Programa de Estudos Pós-Graduados em Educação Matemática, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2005.

OLIVEIRA FILHO, F. A Matemática do colégio: livros didáticos e história de uma disciplina escolar. Tese (Doutorado em Educação Matemática) – Universidade Anhanguera de São Paulo, São Paulo, 2013.

OTONE, M. C. Uma história da constituição da Matemática do colégio no cotidiano escolar. 2011. 291 f. Tese (Doutorado em Educação) – Programa de Estudos Pós-Graduados em Educação Matemática, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo.

PIRES, I. M. P. Livros didáticos e a Matemática do ginásio: um estudo da vulgata para a reforma Francisco Campos. 2004. 141f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo.

PROGRAMAS. Arquivo do CEFET/RJ Caixa 62.3.5, Programas do Curso Técnico Industrial de Máquinas e Motores, 1964.

RELATÓRIO. Arquivo do CEFET/RJ, caixa 64.4.4, pasta ETN1.01.013, Relatório da ETN, 1946.

RIBEIRO, D. F.C. Dos Cursos Complementares aos cursos Clássico e Científico: a mudança na organização dos ensinos de matemática. 2006. 252f. Dissertação (Mestrado em Educação Matemática) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2006.

RIBEIRO, D. F. C. Um estudo da contribuição de livros didáticos de matemática no processo de disciplinarização da matemática escolar do colégio 1943 a 1961. 2011. 386f. Tese (Doutorado em Educação) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. São Paulo, 2011.

ROMANELLI, O. História da educação no Brasil 1930-73. Petrópolis, RJ:, Vozes, 2013.

VALENTE, W. R. A Matemática do ensino secundário: duas disciplinas escolares? Revista Diálogo Educacional (PUCPR. Impresso), v. 11, p. 645-662, 2011.

VALENTE, W. R. História da educação matemática: interrogações metodológicas. REVEMAT, v. 2, p. 28-49, 2007.

VALENTE, W. R. (org.). O nascimento da Matemática do ginásio. São Paulo: Annablume, 2004.