Identificação das necessidades educacionais especiais no contexto de políticas públicas

Conteúdo do artigo principal

Luanna Freitas Johnson
https://orcid.org/0000-0002-1985-7800
Solange Franci Raimundo Yaegashi
https://orcid.org/0000-0002-7666-7253
Aline Arruda Rodrigues da Fonseca
https://orcid.org/0000-0002-5805-2650

Resumo

O presente artigo tem como objetivo analisar o processo de identificação das necessidades educacionais especiais de estudantes com deficiência intelectual (DI) encaminhados ao Atendimento Educacional Especializado (AEE). Para tanto, recorremos à pesquisa documental, a partir de marcos legais e materiais de formação docente utilizadas pelo Ministério da Educação. A análise dos elementos evidencia lacunas quanto aos subsídios teórico metodológicos para subsidiar esse processo. Os marcos legais apontam diversas atribuições do professor, tais como: avaliação das necessidades, elaboração e execução do plano de atendimento individual, produção de materiais pedagógicos, articulação com outros setores, orientação à família e ao professor da sala regular. Por sua vez, as publicações utilizadas na formação docente não promovem sua instrumentalização. Sendo assim, o processo de identificação das necessidades do aluno precisa ser subsidiado por fundamentos teóricos e metodológicos que oportunizem a organização da educação escolar com vistas à humanização do estudante independentemente de suas condições objetivas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Detalhes do artigo

Como Citar
Johnson, L. F. ., Yaegashi , S. F. R., & Fonseca, A. A. R. da . (2022). Identificação das necessidades educacionais especiais no contexto de políticas públicas. Ensino Em Re-Vista, 29(Contínua), e014. https://doi.org/10.14393/ER-v29a2022-14
Seção
DEMANDA CONTÍNUA

Referências

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília: DF, 1996.

BRASIL. Resolução CNE/CEB Nº 2, de 11 de setembro de 2001. Institui Diretrizes Nacionais para a Educação Especial na Educação Básica. Brasília: MEC, 2001. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/CEB0201.pdf. Acesso em 13 de jun de 2020.

BRASIL. Avaliação para identificação das necessidades educacionais especiais. 2. ed. Brasília: MEC, Secretaria de Educação Especial, 2006. (Série: Saberes e práticas da inclusão).

BRASIL. Política Nacional de Educação Especial na perspectiva da Educação Inclusiva. Brasília, DF: MEC/SEESP, 2008. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/arquivos/pdf/politicaeducespecial.pdf. Acesso em: 27 dez. 2019.

BRASIL. Resolução nº 04/2009. Diretrizes Operacionais para o Atendimento Educacional Especializado na Educação Básica, modalidade Educação Especial. Ministério da Educação, Conselho Nacional de Educação/ Câmara de Educação Superior. SEESP, 2009.

CARVALHO, R. E. Removendo Barreiras para a Aprendizagem. 2ª ed. Porto Alegre: Mediação, 2001.

CHAVES, M. Formação contínua e práticas educativas: possibilidades humanizadoras. In: CAÇÃO, M. I.; MELLO, S.A.; SILVA, V. P. (orgs.). Educação e desenvolvimento: contribuições da abordagem histórico-cultural para a educação escolar. Jundiaí. Paco Editorial, 2014, p. 119-139.

FACCI, M. G. D. A intervenção do psicólogo na formação de professores: contribuições da Psicologia Histórico-Cultural. In: MARINHO-ARAÚJO, C. M. (Org.). Psicologia Escolar: novos cenários e contextos de pesquisa, formação e prática. Campinas, SP: Editora Alínea, 2009. p. 107- 131.

GOMES, A. L. L. V.; POULIN, J. R.; FIGUEIREDO, R. V. A Educação Especial na Perspectiva da Inclusão Escolar: o atendimento educacional especializado para alunos com deficiência intelectual. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Especial; [Fortaleza]: Universidade Federal do Ceará, 2010. v. 2. (Coleção A Educação Especial na Perspectiva da Inclusão Escolar).

UNESCO. Declaração de Salamanca e linha de ação sobre necessidades educativas especiais. Brasília: CORDE, 1994.

WITEZE, E. M.; SILVA, R. H. R. Políticas educacionais inclusivas em tempos neoliberais: o dito, o não dito e o mal dito. Argumentos Pró-Educação, Pouso Alegre, v. 1, nº 3, p. 370 – 391, set. - dez., 2016. Disponível em: http://ojs.univas.edu.br/index.php?journal=argumentosproeducacao&page=article&op=view&path%5B%5D=137. Acesso em: 09 abril 2020.