A formação colaborativa de professores que ensinam matemática: uma experiência no contexto de atividades remotas

Conteúdo do artigo principal

Ernani Martins dos Santos
https://orcid.org/0000-0002-3824-986X
Luana Cerqueira de Almeida
Rayssa Melo de Oliveira
https://orcid.org/0000-0002-8234-8240

Resumo

Pesquisas que envolvem colaboração ou análise de grupos colaborativos têm ganhado cada vez mais espaço na área da Educação. Este artigo tem por objetivo analisar práticas colaborativas desenvolvidas num processo formativo online, com 28 professores que ensinam matemática na Educação Básica e que participam de um projeto em rede. A formação foi desenvolvida a partir da metodologia da Espiral RePARe (Reflexão-Planejamento-Ação-Reflexão). Tendo como base uma abordagem qualitativa, os dados foram coletados a partir das narrativas dos participantes do processo formativo, em encontros síncronos, em uma plataforma digital, por meio de observações diretas e das gravações de áudio e vídeo dos encontros. Os resultados apontam para a constituição de um grupo colaborativo com práticas pautadas na construção de ambientes de discussão, autonomia e respeito mútuo, que permeiam debates sobre a teoria e a prática no ensino de matemática, a partir de um modelo de formação de professores.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Detalhes do artigo

Como Citar
Santos, E. M. dos ., Almeida, L. C. de ., & Oliveira, R. M. de . (2022). A formação colaborativa de professores que ensinam matemática: uma experiência no contexto de atividades remotas. Ensino Em Re-Vista, 29(Contínua), e008. https://doi.org/10.14393/ER-v29a2022-8
Seção
DOSSIÊ 1: A EXPERIÊNCIA DA PESQUISA COLABORATIVA EM REDE

Referências

BICUDO, M. A pesquisa em educação matemática: a prevalência da abordagem qualitativa. Revista Brasileira de Ensino de Ciência e Tecnologia, v. 5, n. 2, pp. 15-26, maio-agosto, 2012. DOI: https://doi.org/10.22476/revcted.v3i2.139.

CARR, W.; KEMMIS, S. Becoming critical. East Sussex, Engalnad: Falmer Press, 1988.

CRECCI, V. M.; FIORENTINI, D. Desenvolvimento profissional em comunidades de aprendizagem docente. Educação em Revista, Belo Horizonte, n. 34, pp. 1-20, 2018. DOI: https://doi.org/10.1590/0102-4698172761.

CURI, E. Pesquisas sobre o ensino e a aprendizagem de matemática e desenvolvimento profissional de professores no âmbito de um grupo colaborativo organizado no programa OBEDUC. In: FERNANDES, F. L. P. et al. Das práticas pedagógicas às políticas públicas em educação: diferentes contextos do trabalho colaborativo na formação de professores que ensinam matemática. Campinas: FE/UNICAMP, 2018, pp. 33-53.

DESGAGNÉ, S. Lê concept de recherche colaborative. I´idée d´um rapprochement entre chercheurs universitaires et praticieres enseignants. Revue des Sciences de L´education, v. 2, n. 23, p. 371-393, 1997.

DESGAGNÉ, S. et al. L’approche collaborative de recherche en education: un rapport nouveau à établir entre recherche et formation. Revue des Sciences de l’Éducation, v. 27, n. 1, p. 33-64, 2001.

DAY, C. Desenvolvimento Profissional de Professores: os desafios da aprendizagem permanente. Porto: Porto Editora, 2001.

FIORENTINI, D. Pesquisar práticas colaborativas ou pesquisar colaborativamente? In: BORBA, M. C.; ARAÚJO, J. L. (org.). Pesquisa qualitativa em educação matemática. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2013.

GAMA, R. P.; FIORENTINI, D. Formação continuada em grupos colaborativos: professores de matemática iniciantes e as aprendizagens da prática profissional. Educação Matemática e Pesquisa: São Paulo, v. 11, n. 2, p. 441-461, 2009. Disponível em: https://revistas.pucsp.br/index.php/emp/article/view/2827/1863. Acesso em: 16 maio 2021.

IBIAPINA, I. M. L. M. Pesquisa Colaborativa: investigação, formação e produção de conhecimentos. Brasília: Líber Livro Editora, 2008.

JORDAM, B.; HENDERSON, A. Interaction Analysis: Foundations and Practice. Journal of the learning sciences, v. 4, n. 1, pp. 39-103, 1995.

KEMMIS, S. Critical Reflection. In: WINDEEN, M. F.; ANDREWS, I. Staff development for school improvement. Philadelphia: Falmer Press, 1987. pp. 73-90.

MAGINA, S. M. P. (Re)significação das Estruturas Multiplicativas. Projeto de Pesquisa. CNPq: Edital Universal, 2008.

MAGINA, S. M. P.; SANTANA, E. R. dos S.; SANTOS, A. dos; MERLINI, V. L. Espiral RePARe: Um modelo metodológico de formação de professor centrado na sala de aula. REAMEC - Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática, v. 6, n. 2, p. 238-258, 2018. DOI: http://10.26571/REAMEC.a2018.v6.n2.p238-258.i6812.

MANRIQUE, A. L. Desafios para a educação inclusiva: a formação continuada de professores que ensinam matemática em um grupo colaborativo. In: FERNANDES, F. L. P. et al. Das práticas pedagógicas às políticas públicas em educação: diferentes contextos do trabalho colaborativo na formação de professores que ensinam matemática. Campinas: FE/UNICAMP, p. 55-63, 2018.

NÓVOA, A. (Org.). Os professores e a sua formação. Lisboa: Dom Quixote, 1997.

PONTE, J. P. Estudiando el conocimiento y el desarrollo profesional del profesorado de matemáticas. In: N. Planas (Ed.). Educación matemática: teoría, crítica y práctica. Graó, p. 83-98, 2012.

SANTANA, E. R. S.; LAUTERT, S. L.; CASTRO-FILHO, J. A.; SANTOS, E. M. Universidade e Escola Parceiras num Processo Formativo. EM TEIA - Revista de Educação Matemática e Tecnológica Iberoamerica, v. 9, n. 1, pp. 01-18, 2018. DOI: https://doi.org/10.36397/emteia.v9i1.234985.

TRIVIÑOS, A. N. S. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas, 1987.