Reflexões sobre as alterações do perfil dos estudantes de uma licenciatura em matemática por meio das narrativas de professores formadores

Conteúdo do artigo principal

Loriége Pessoa Bitencourt
http://orcid.org/0000-0002-7643-2091
Bruna Borges da Veiga
https://orcid.org/0000-0002-3985-8739

Resumo

Neste estudo, discorre-se sobre a formação de professores, tendo-se o objetivo de evidenciar os aspectos que caracterizam as alterações do perfil dos estudantes de uma licenciatura em Matemática, comparando-se esse processo no decorrer de três décadas, utilizando-se a seguinte questão norteadora: De que modo, na visão dos professores formadores da Licenciatura Plena em Matemática, participantes desta pesquisa, o perfil dos estudantes dessa licenciatura foi se alterando? Os dois professores que narraram a história da formação docente revelaram as características recorrentes que permitiram evidenciar as alterações do perfil dos estudantes ao se comparar duas épocas dessa formação. Na discussão dos dados utilizou-se a análise histórica, tendo-se as narrativas como instrumento de investigação da História Oral. Os resultados evidenciaram que os sujeitos percebem uma modificação no perfil dos estudantes devido às mudanças sociais, em especial aos avanços tecnológicos e ao acesso a eles.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Detalhes do artigo

Como Citar
Bitencourt, L. P. ., & Veiga, B. B. da. (2021). Reflexões sobre as alterações do perfil dos estudantes de uma licenciatura em matemática por meio das narrativas de professores formadores. Ensino Em Re-Vista, 28(Contínua), e057. https://doi.org/10.14393/ER-v28a2021-57
Seção
ARTIGOS DE DEMANTA CONTÍNUA

Referências

BITENCOURT, L. P. Pedagogia Universitária potencializada no diálogo reflexivo sobre Educação Matemática: quando três gerações de educadores se encontram. 2014. 268f. Tese (Doutorado em Educação), Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre.

CARVALHO, M. R. V. de. Perfil do professor da Educação Básica – Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira, Série Documental. Relatos de Pesquisa, n. 41. Brasília – DF, 2018.

CLANDININ, D. J.; CONNELLY, F. M.. Pesquisa Narrativa: experiência e história em pesquisa qualitativa. 2ª Edição. Uberlândia: EDUFU, 2015.

FREITAS, S. M. de. História oral: possibilidades e procedimentos. Editora Humanitas, 2006.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 22. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1996.

GATTI, B. A.. BARRETTO, E. S. de Sá; ANDRÉ, M. E. D. A. de; ALMEIDA, P. C. A.de. Professores do Brasil: novos cenários de formação. 351 p. – Brasília: UNESCO, 2019.

GARNICA, A. V. M.. Registrar oralidades, analisar narrativas: sobre pressupostos da História Oral em Educação Matemática. Ci. Huma. e Soc. em Rev. Seropédica v. 32, n.2, Julho/Dezembro, 2010.

GARNICA, A. V. M., A. V. M. História Oral e educação Matemática. In: BORBA, M. C.; ARAÚJO, J. L. (Org.) Pesquisa Qualitativa em Educação Matemática. Belo Horizonte: Autêntica, 2004.

IMBERNÓN, F.. Formação docente e profissional: formar-se para a mudança e a incerteza. 3.Ed. São Paulo, Cortez, 2002.

KRAHE, E. D.. BITENCOURT, L. P.. Formar-nos professores de Matemática: opção pela profissão ou o que nos restou? R. Educ. Públ. Cuiabá, v. 24, n. 55, p. 249-269, jan./abr. 2015.

MARCELO GARCIA, C. Formação de professores: para uma mudança educativa. Porto – Portugal: Porto Editora, 1999.

TARDIF, M.; RAYMOND, D. Saberes, tempo e aprendizagem do trabalho no magistério. Educação & Sociedade, Campinas, p. 209-244, v. 21, n. 73, dez. 2000.

ZATTAR, N. B. da S.. Do IESC à UNEMAT: uma história plural 1978-2008. Cáceres: Editora UNEMAT, 2008.