Representações sociais de alunos com distorção idade-série sobre o Ensino Médio noturno

Conteúdo do artigo principal

Antonio Serafim Pereira
https://orcid.org/0000-0002-2608-7357
Tainá Silva Candido Toscan
https://orcid.org/0000-0002-8441-9233

Resumo

Este trabalho relata o estudo realizado em uma escola pública estadual do sul catarinense, com o objetivo de compreender as representações sociais do Ensino Médio noturno de alunos em condição de distorção idade-série. Os procedimentos utilizados para coleta de dados foram a entrevista semiestruturada e o grupo focal. Os dados obtidos nos levaram a inferir que a situação econômica vulnerável dos alunos, associada às questões que envolvem o currículo escolar, contribui para a produção do quadro de distorção idade-série. Evidenciamos, nas falas dos estudantes, a representação da escola como via de mobilidade social, centrada na lógica de mercado.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Detalhes do artigo

Como Citar
Pereira , A. S. ., & Toscan, T. S. C. (2021). Representações sociais de alunos com distorção idade-série sobre o Ensino Médio noturno. Ensino Em Re-Vista, 28(Contínua), e036. https://doi.org/10.14393/ER-v28a2021-36
Seção
ARTIGOS DE DEMANTA CONTÍNUA

Referências

ARROYO, M. G. Fracasso/sucesso: um pesadelo que perturba nossos sonhos. Em aberto, Brasília, v. 17, n. 71, p. 33-40, jan. 2000.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 2004.

BRASIL. Emenda Constitucional nº 59, de 11 de novembro de 2009. Diário Oficial da União, Brasília, DF: Presidência da República, 12 nov. 2009.

BRASIL. Resolução nº 2, de 30 de janeiro 2012. Define Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio. 2012.

BRASIL. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Plano Nacional de Educação PNE 2014-2024: Linha de Base. – Brasília, DF: Inep, 2015.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília: Senado Federal, Coordenação de Edições Técnicas, 2018.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei nº 13.415/2017, de 13 de fevereiro de 2017, Altera as Leis nos 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, e 11.494, de 20 de junho 2007, que regulamenta o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação, a Consolidação das Leis do Trabalho - CLT, aprovada pelo Decreto-Lei no 5.452, de 1o de maio de 1943, e o Decreto-Lei no 236, de 28 de fevereiro de 1967; revoga a Lei no 11.161, de 5 de agosto de 2005; e institui a Política de Fomento à Implementação de Escolas de Ensino Médio em Tempo Integral. 2017. Acesso em: 01 de set. 2018. Disponível em: .

BRASIL. Resolução n. 03/2018 (CNE/CEB), Atualiza as Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio. 2018. Acesso em: 20 de mar. De 2019. Disponível em:

CAPORALINI, M. B. A transmissão do conhecimento e o ensino noturno. Campinas, SP: Papirus, 1991.

CORAZZA, S. M. Currículo na contemporaneidade. In: Formação continuada UNIFEBE e FURB, 2008, Brusque, Blumenau, SC. Disponível em: http://livrozilla.com/doc/843446/curr%C3%ADculo-na-contemporaneidade-sandra-mara-corazza1.

CORROCHANO, M. C. Jovens no ensino médio: qual o lugar do trabalho? In: DAYRELL, Juarez. CARRANO, Paulo. MAIA, Carla Linhares. (Orgs.). Juventude e Ensino Médio: sujeitos e currículos em diálogo. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2014.

CHARLOT, B. Da relação com o saber: elementos para uma teoria. Porto Alegre: ArtMed, 2000.

DOLL JR., W. E. Currículo: uma perspectiva pós-moderna. Porto Alegre: ArtMed, 1997.

FERRETI, C. J.; SILVA, M. R. da. Reforma do Ensino Médio no contexto da medida provisória no 746/2016: Estado, currículo e disputas por hegemonia. Educ. Soc., Campinas, v. 38, nº. 139, p.385-404, abr.-jun., 2017. Acesso em: 16 de jun. de 2020. Disponível em: . DOI: https://doi.org/10.1590/es0101-73302017176607.

FORQUIN, J. C. Abordagem sociológica do sucesso e do fracasso escolares: desigualdades de sucesso escolar e origem social. In: FORQUIN, J. C. Sociologia da educação: dez anos de pesquisa. Petrópolis: Vozes, 1995. p. 79-144.

GIROUX, H. Escola crítica e política cultural. 2. Ed. São Paulo: Cortez, 1988.

GUARESCHI, P. Representações sociais: alguns comentários oportunos. In: NASCIMENTO-SCHULZE, C. M. (Org.). Novas contribuições para a teorização e pesquisa em representação social. Florianópolis: Imprensa Universitária/UFSC, 1996.

INEP. Notas estatísticas: Censo escolar 2018. Brasília, DF, 2019. Acesso em: 01 de ago. de 2019. Disponível em: https://s1.static.brasilescola.uol.com.br/vestibular/arquivos/censo-escolar-inep.pdf.

KUENZER, A. Z. Pedagogia da fábrica. São Paulo: Cortez, 1995.

KUENZER, A. Z. Ensino de 2º grau: o trabalho como princípio educativo. São Paulo: Cortez, 1997.

KUENZER, A. Z. Ensino Médio: construindo uma proposta para os que vivem do trabalho. São Paulo, Cortez, 2000.

KUENZER, A. Z. Exclusão includente e inclusão excludente: a nova forma de dualidade estrutural que objetiva as novas relações entre educação e trabalho. In: LOMBARDI, J. C.; SAVIANI, D.; SANFELICE, J. L. (Org.). Capitalismo, trabalho e educação. Campinas: Autores Associados; Histedbr, 2005.

KUENZER, A. Z. Trabalho e escola: a flexibilização do Ensino Médio no contexto do regime de acumulação flexível. Educ. Soc., Campinas, v. 38, nº. 139, p.331-354, abr.-jun., 2017. DOI: https://doi.org/10.1590/es0101-73302017177723.

KUENZER, A. Z. Sistema educacional e a formação de trabalhadores: a desqualificação do Ensino Médio Flexível. Ciência & Saúde Coletiva. Rio de Janeiro, v. 25, n. 1, p. 57-66, 2020. Acesso em: 15 de jan. de 2020. Disponível em: . DOI: https://doi.org/10.1590/1413-81232020251.28982019.

KRAWCZYK, N. O Ensino médio no Brasil. São Paulo: Ação Educativa, 2009.

KRAWCZYK, N. Reflexão sobre alguns desafios do Ensino Médio no Brasil hoje. Cadernos de Pesquisa. Fundação Carlos Chagas, v. 41, n. 144, set/dez. 2011. Acesso em: 31 de jul. de 2019. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/cp/v41n144/v41n144a06.pdf . DOI: https://doi.org/10.1590/s0100-15742011000300006.

MOSCOVICI, S. Representações sociais: investigação em psicologia social. Petrópolis: Vozes, 2015.

MORAES, M. C. M. de. Recuo da teoria: dilemas na pesquisa em educação. Revista Portuguesa de Educação, Universidade do Minho, Portugal, vol. 14, n. 1, 2001.

MOREIRA, A. F.; SILVA, T. T. da. Sociologia e teoria crítica do currículo: uma introdução. In: MOREIRA, A. F.; SILVA, T. T. da (Orgs.). Currículo, cultura e sociedade. São Paulo: Cortez, 2002.

MOTTA, V. C. da; FRIGOTTO, G. Por que a urgência da Reforma do Ensino Médio? Medida Provisória nº 746/2016 (Lei nº 13.415/2017)*. Educ. Soc., Campinas, v. 38, nº. 139, p.355-372, abr.-jun., 2017. Acesso em: 16 de jun. de 2020. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/es/v38n139/1678-4626-es-38-139-00355.pdf. DOI: https://doi.org/10.1590/es0101-73302017176606.

PEREIRA, A. S. Gestão Escolar: da recaída autoritária ao saldo qualitativo da resistência. In: PEREIRA, Antonio S. E por falar em educação... Ensino, Formação e Gestão. Criciúma, UNESC, 2014.

SANTOS, E. S.; SILVA, E. B. da. Educação e neoliberalismo: questões atuais ou do passado? In: CUNHA, C. da; SILVA, M. A. da. (Orgs.) Pensamento pedagógico e Políticas de Educação. Brasília: Liber Livro, 2013.

SILVA, T. T. O currículo como fetiche: a poética e a política do texto curricular. Belo Horizonte: Autêntica, 1999.

SOLER, P. Indicações para reduzir o fracasso escolar. In: MARCHESI, Álvaro; GIL, Carlos Hernández (Orgs.). Fracasso escolar: uma perspectiva multicultural. Porto Alegre: Artmed, 2004.

SOUZA, Lafranckia S. P. O Ensino Médio regular noturno em Manaus: indicadores do rendimento escolar. Dissertação (Mestrado em Gestão e Avaliação em Educação Pública) – Faculdade de Educação, Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, 2016. Acesso em: 31 de jul. de 2019. Disponível em: http://bdtd.ibict.br/vufind/Record/UFJF_5505da741d131b04697d5163576c55e4.