A influência dos agentes privados na reforma do Ensino Médio

Conteúdo do artigo principal

Aldimara Catarina Brito Delabona Boutin
https://orcid.org/0000-0002-0564-8290
Simone de Fátima Flach
https://orcid.org/0000-0002-9445-0111

Resumo

Integrante do conjunto de análises de pesquisa mais ampla, a qual se orienta pelo materialismo histórico e dialético, o presente texto tem por objetivo apresentar elementos para o debate sobre a influência dos agentes privados de hegemonia na reforma do ensino médio, materializada na Lei nº 13.415/2017. A partir de pesquisa bibliográfica e documental o texto discute os elementos que sustentam a referida reforma e os possíveis entraves que dificultam o acesso de estudantes secundaristas a uma educação efetivamente pública e de qualidade. As análises demonstram que os interesses presentes na reforma do ensino médio são marcados pela a influência de segmentos privados, os quais visam interferir na educação pública com ideias e modos de pensar que conformam a juventude à uma situação de classe.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Detalhes do artigo

Como Citar
Boutin, A. C. B. D., & Flach, S. de F. (2022). A influência dos agentes privados na reforma do Ensino Médio. Ensino Em Re-Vista, 29(Contínua), e023. https://doi.org/10.14393/ER-v29a2022-23
Seção
DEMANDA CONTÍNUA

Referências

ARAÚJO, R. M de L. Ensino Médio brasileiro: dualidade, diferenciação escolar e reprodução das desigualdades sociais. Uberlândia: Navegando, 2019.

BRASIL. Lei nº 13.415/17. Brasília: Presidência da República, subchefia da casa civil, 2017. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2017/lei/l13415.htm. Data de acesso: 12 dez. 2018.

BRASIL. Resolução n° 3 de 21de novembro de 2018, atualiza as Diretrizes Curriculares Nacionais do Ensino Médio. Brasília: Câmara dos deputados, 2018. Disponível em: http://novoensinomedio.mec.gov.br/resources/downloads/pdf/dcnem.pdf. Data de acesso: 06 jan. 2020.

CAETANO, M. R.; COMERLATTO, L. P. Crise da sociedade capitalista e o esvaziamento da democracia: as reformas em curso no Brasil e a educação como mercadoria. In: AZEVEDO, J. C.; REIS, J. T. (org.) Políticas Educacionais no Brasil pós golpe. Porto Alegre: Metodista, 2018. p. 17-40.

DAYRELL, J.; CARRANO, P. Juventude e Ensino Médio: quem é esse aluno que chega a escola. In: DAYRELL, J.; CARRANO.; MAIA, C. L. (Orgs). Juventude e Ensino Médio: sujeitos e currículos em diálogo. Horizonte: Editora UFMG, 2014. p. 102-133

FERRETI, C. J.; SILVA, M. R da. Reforma do Ensino Médio no contexto da Medida Provisória 746/2016: estado, currículo e disputas por hegemonia. Educ. Soc. Campinas, v, 38, n. 139, p. 385-404, abr./jun. 2017.

GRAMSCI, A. Cadernos do cárcere, vol. 3: Maquiavel, notas sobre o Estado e a Política. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2016.

GRAMSCI, A. Cadernos do cárcere, vol. 4: temas de cultura, ação católica, americanismo e fordismo. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2014.

KUENZER, A. Z. Trabalho e escola: a flexibilização do ensino médio no contexto do regime de acumulação flexível. Educ. Soc. Campinas, v, 38, n. 139, p. 385-404, abr./jun. 2017.

LOMBARDI, J. C. Crise do capitalismo e educação: algumas anotações. In: LOMBARDI, J. C (org.). Crise capitalista e educação brasileira. Uberlândia: Navegando, 2017.

LIGUORI, G. Estado e sociedade civil: entender Gramsci para entender a realidade. In: COUTINHO, C. N.; TEIXEIRA, A. P. (org.). Ler Gramsci, entender a realidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003. p. 173-189.

LUIZ, D. E. C. Emancipação e Serviço Social: a potencialidade da prática profissional. Ponta Grossa: UEPG, 2011.

MEC. Ministério da Educação; CONSED. Conselho Nacional de Secretários da Educação. Guia de implementação do novo Ensino Médio. Brasília: MEC, 2018.

MOTTA, V, C da.; FRIGOTTO, G. Por que a urgência da Reforma do Ensino Médio? Medida Provisória n. 746/2016 (Lei n. 13.415/2017). Educ. Soc. Campinas, v. 38, n. 139, p. 355-3372, abr./jun. 2017.

NOSELLA, P. Ensino Médio: à luz do pensamento de Gramsci. Campinas: Editora Alínea, 2016.

ORSO, P. J. Reformas educacionais em tempos de golpe ou como avançar andando para trás. In: LUCENA, C.; PREVITALI, F. S.; LUCENA, L. (org.). A crise da democracia brasileira. Uberlândia: Navegando, 2017. p. 233-260.

PERONI, V. Mudanças no papel do Estado e políticas públicas de educação: notas sobre a relação público privada. In: PERONI, V. M.; ROSSI, A. Políticas educacionais em tempos de redefinições no papel do Estado: implicações para a democratização da educação. Porto Alegre: Editora Universitária, 2011. p. 23-41.

SANDRI, S. Reforma do Ensino Médio e tendência para a formação e/ou carreira docente. Revista Temas e Matizes, Cascavel, v.11, n. 21, p. 127-147, jul./dez. 2017.

SAVIANI, D. A crise estrutural do capitalismo e seus impactos na educação pública brasileira. In: LOMBARDI, J. C (org.). Crise capitalista e educação brasileira. Uberlândia: Navegando, 2017.

SANFELICE, J. L. A crise do capitalismo e seus impactos na educação brasileira. In: LOMBARDI, J. C. (org.). Crise capitalista e educação brasileira. Uberlândia: Navegando, 2016.

SILVA, M. R da. O golpe no ensino médio em três atos que se complementam. In: AZEVEDO, J. C de.; REIS, J. T. (org.). Políticas educacionais no Brasil pós golpe. Porto Alegre: Metodista, 2018. p. 41-54.

UNICEF - Fundo das Nações Unidas Para a Infância. 10 desafios do ensino médio no Brasil: para garantir o direito de aprender de adolescentes de 15 a 17 anos / [coordenação Mário Volpi, Maria de Salete Silva eJúlia Ribeiro]. –1. ed. – Brasília, DF, 2014.