Tecnologias digitais nos currículos prescritos de Matemática no Brasil e em Portugal

Conteúdo do artigo principal

Marcelo de Oliveira Dias
https://orcid.org/0000-0002-3469-0041
Leonor Santos
http://orcid.org/0000-0003-1283-032X
Jonei Cerqueira Barbosa
http://orcid.org/0000-0002-4072-6442

Resumo

Este artigo apresenta uma análise comparativa de currículos prescritos recentes, referentes à utilização de tecnologias digitais na aprendizagem matemática no Brasil e em Portugal. Foram considerados os anos finais do ensino fundamental no Brasil, correspondendo em Portugal ao último ano do 2.º ciclo e todo o 3.º ciclo. A análise teve por base o quadro de referência do Projeto Matemática 2030 da OCDE. A tendência evidenciada na comparação dos currículos desses países se remete à ênfase na literacia digital, trazendo perspectivas aos estudantes para que utilizem aplicações interativas em processos que envolvem exploração, comunicação e representação. Foram constatadas ênfases precipitadas e reducionistas na abordagem ao pensamento computacional nos documentos de ambos os países. Suscita-se, portanto, a necessidade de reflexão dos responsáveis pela elaboração dos currículos e de novas pesquisas para sua inserção em futuras reformas dos Programas de Matemática desses países.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Detalhes do artigo

Como Citar
Dias, M. de O. ., Santos, L. ., & Barbosa, J. C. . (2020). Tecnologias digitais nos currículos prescritos de Matemática no Brasil e em Portugal. Ensino Em Re-Vista, 27(3), 1077–1105. https://doi.org/10.14393/ER-v27n3a2020-13
Seção
Dossiê Currículos em Educação Matemática II

Referências

BARCELOS, Thiago Schumacher; SILVEIRA, Ismar Frango. Pensamento Computacional e Educação Matemática: Relações para o Ensino de Computação na Educação Básica. Anais do XXXII Congresso da Sociedade Brasileira de Computação. Anais do CSBC 2012. Curitiba: SBC, julho, 2012.

BARCELOS, Thiago; MUÑOZ, Roberto; VILLARROEL, Rodolfo; SILVEIRA, Ismar Frango. Relações entre o Pensamento Computacional e a Matemática: uma Revisão Sistemática da Literatura. I.F. Anais dos Workshops do IV Congresso Brasileiro de Informática na Educação. CBIE, outubro, 2015.

BEZERRA, Luis Naito Mendes; SILVEIRA, Ismar Frango. Licenciatura em Computação no Estado de São Paulo: uma Análise Contextualizada e um Estudo de Caso. XIX Workshop sobre o Ensino de Computação. Anais do CSBC 2011. Natal: SBC, julho, 2011.

BRASIL. Ministério da Educação LDB – Leis de Diretrizes e Bases. Lei nº 9.394, 1996.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular (BNCC). Ensino Fundamental, 2017.

DICK, Thomas P.; HOLLEBRANS, Karen F. Focus in high school mathematics: Technology to support reasoning and sense making. Reston, VA: NCTM, 2011.

FERRER, Julia. La Educación Comparada actual. Barcelona, Ed. Ariel, 2002.

GTM. Recomendações para a melhoria das aprendizagens dos alunos em Matemática Grupo de Trabalho de Matemática [Despacho n.º 12530/2018] — 1ª versão — 30 de junho de 2019. Lisboa: Ministério da Educação e Ciência, 2019.

International Commission on Mathematical Instruction. ICMI STUDY 24. School Mathematics Curriculum Reforms: Challegens, Changes and Opportunities. Discussion Document, Tsukuba, Japan, december, 2017.

Computer Science Teachers Association (CSTA). Computational thinking: leadership toolkit. First Edition, 2011.

JENKINS, Henry; PURUSOTMA, Ravi; WEIGEL, Margaret; CLINTON, Katie; ROBISON, Alice J. Confronting the challenges of participatory culture: Media education for the 21st century. Cambridge, MA: MIT Press, 2009.

MARTIN, Allan. A European Framework for Digital Literacy. Nordic Journal of Digital Literacy, v. 2, n. 1, p. 151–161, 2006.

Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico. OCDE. Projeto Matemática 2030. Versão preliminar, Paris, França, 2018.

Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico. The Future of Education and Skills Education 2030. Paris, França, 2018. Disponível em: < https://www.oecd.org/education/2030/E2030%20Position%20Paper%20(05.04.201).pdf > Acesso em 20 out. 2018.

PISA. Mathematics in 2021. Analysis of the Center for Curriculum Redesign (CCR). Jan., 2016. Disponível em: . Acesso em 02 nov. 2018.

PORTUGAL. Lei nº 85/2009. . Lei de Bases do Sistema Educativo. Diário da República, Lisboa, 1.ª série, nº 166, 27 de Agosto, 2009.

PORTUGAL. Decreto-Lei nº 55/2018. Autonomia e Flexibilização Curricular. Diário da República. Lisboa, 1.ª série, nº 129, 6 de julho, 2018. p. 2928-2943.

PORTUGAL. Metas Curriculares de Matemática do Ensino Básico. Lisboa: Ministério da Educação e Ciência, 2012.

PORTUGAL. Programa e Metas Curriculares de Matemática do Ensino Básico. Lisboa: Ministério da Educação e Ciência, 2013.

PORTUGAL. Orientações de Gestão Curricular para o Programa e Metas Curriculares de Matemática para o Ensino Básico. Lisboa: Ministério da Educação e Ciência, 2016.

PORTUGAL. Aprendizagens Essenciais/Articulação com o Perfil do aluno. Matemática. Lisboa: Ministério da Educação e Ciência, julho, 2018.

SACRISTÁN, J. Gimeno. O Currículo: uma reflexão sobre a prática. Porto Alegre: Artmed, 2000.

SHARMA, Sashi. Qualitative approaches in mathematics education research: challenges and possible solutions. Education Journal, v. 2, n. 2, p. 50-57, march 10, 2013.

Sociedade Brasileira de Computação (SBC). Nota Técnica da Sociedade Brasileira de Computação sobre a BNCC-EF e a BNCC-EM. 2018. Disponível em: < http://www.sbc.org.br/institucional-3/cartas-abertas/category/93-cartas-abertas > Acesso em: 20 abr. 2019.

WING, Jeannette. Computational thinking. Communications of the ACM, v.49, n.3, p. 33–35, March, 2006.