A Educação em Direitos Humanos no Ensino de Ciências em interface com a teoria do Giro Decolonial: uma análise

Conteúdo do artigo principal

Roberto Dalmo Varallo Lima de Oliveira
https://orcid.org/0000-0002-8348-966X
Stephanie Di Chiara Salgado
https://orcid.org/0000-0002-4299-5507

Resumo

Este artigo busca estabelecer uma reflexão baseada na pergunta: O que há de decolonial nas propostas que relacionam Educação em Ciências e Direitos Humanos? Com base num estudo teórico, primeiro buscou-se apresentar o grupo Modernidade/ Colonialidade/ Decolonialidade (MCD). Em seguida, as propostas elaboradas por Oliveira e Queiroz (2013, 2015, 2017) acerca da Educação em Ciências na perspectiva da Educação em Direitos Humanos foram analisadas, apontando em quais sentidos elas convergiam ou divergiam  das formulações teóricas decoloniais. A partir das análises tecidas, concluímos que há possíveis aproximações e diálogos entre estes campos, uma vez que as obras de Oliveira e Queiroz se posicionam politicamente ao lado daqueles que foram subalternizados e historicamente marginalizados, fomentando a construção de uma educação contra-hegêmonica e combativa. Em termos de afastamentos, os autores não confrontam diretamente o modelo de educação escolar, e esta seria uma das fronteiras a serem rompidas para uma prática decolonial.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Detalhes do artigo

Como Citar
Oliveira , R. D. V. L. de ., & Salgado , S. D. C. . (2020). A Educação em Direitos Humanos no Ensino de Ciências em interface com a teoria do Giro Decolonial: uma análise. Ensino Em Re-Vista, 27(2), 698–726. https://doi.org/10.14393/ER-v27n2a2020-14
Seção
ARTIGOS DE DEMANTA CONTÍNUA

Referências

BARROZO, Luciana Aranda; SÁNCHEZ, Celso. Educação ambiental crítica, interculturalidade e justiça ambiental: entrelaçando possibilidades. VIII EPEA – Encontro de Pesquisa em Educação Ambiental. Rio de Janeiro, 2015.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Resolução nº 2, Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação inicial em nível superior (cursos de licenciatura, cursos de formação pedagógica para graduados e cursos de segunda licenciatura) e para a formação continuada. 1 de julho de 2015.

______. Secretaria Especial dos Direitos Humanos. Comitê Nacional de Educação em Direitos Humanos. Plano Nacional de Educação em Direitos Humanos. Brasília: 2003.

______. Secretaria Especial dos Direitos Humanos. Plano Nacional de Educação em Direitos Humanos. Brasília: 2006.

______. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Diretrizes Nacionais para a Educação em Direitos Humanos. Brasília: Diário Oficial da União: 30 de maio de 2012.

CANDAU, V. M.; PAULO, I. ANDRADE, M.; LUCINDA, M. C.; SACAVINO, S.; AMORIN, V. Educação em Direitos Humanos e Formação de professores. São Paulo, Editora Cortez, 2013, 232p.

DEMO, P. Introdução à metodologia da ciência. 2. ed. São Paulo: Atlas, 1985.

DUSSEL, Enrique. 1492 o encobrimento do outro: a origem do mito da modernidade. Tradução Jaime A. Clasen. Petrópolis: Vozes, 1993.

FANON, Frantz. Os condenados da terra. 2ª ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1979.

FLEURI, Reinaldo Matias. Aprender com os povos indígenas. In: Revista da Educação Pública, v.26, n.62/1, maio/ago. 2017.

GROSFOGUEL, Ramon. A estrutura do conhecimento nas universidades ocidentalizadas: racismo/sexismo epistêmico e os quatro epistemicídios do longo século XVI. In: Revista da Sociedade e do Estado, v. 15, n.1, p.25-49, jan/abril, 2016.

LOPES, Alice Casimiro. Os parâmetros curriculares nacionais para o ensino médio e a submissão ao mundo produtivo: o caso do conceito de contextualização. In: Educ. Soc., Campinas, vol. 23, n. 80, setembro/2002, p. 386-400. Disponível em: http://www.cedes.unicamp.br. Acesso em 20/05/2018.

MIGNOLO, Walter. Histórias locais/projetos globais: colonialidade, saberes subalternos e pensamento liminar. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2003.

______. Desobediência epistêmica: a opção descolonial e o significado de identidade em política. Trad. Ângela Lopes Norte. Cadernos de Letras da UFF – Dossiê: Literatura, língua e identidade, n 34, p. 287-324, 2008.

______. Colonialidade: o lado mais escuro da modernidade. Introdução de The darker side of western modernity: global futures, decolonial options (Mignolo, 2011). Trad. Marco Oliveira. RBCS, Vol. 32, n° 94, junho, 2017.

MIRANDA, Cláudia. Currículos decoloniais e outras cartografias para a educação das relações étnico-raciais: desafios político-pedagógicos frente a lei nº 10639/03. In: Revista da ABPN, v. 5, n. 11, jul/out 2013, p. 100-118.

MOREIRA, P. F. S. D.; RODRIGUES FILHO, G. F.; JACOBUCCI, D. F. C. A bioquímica do candomblé: possibilidades didáticas de aplicação da lei federal 10.639/03. Química Nova na Escola, v.33, p. 85-92, 2011.

QUIJANO, Anibal. Colonialidade do poder e classificação social. In: SANTOS, Boaventura de Sousa; MENESES, Maria Paula. (Org.). Epistemologias do Sul. São Paulo: Cortez, 2010.

OLIVEIRA, Roberto. Dalmo. V. L.; QUEIROZ, Glória. Regina. P. C. Educação em ciências e direitos humanos: Reflexão-ação em/para uma sociedade plural. Rio de Janeiro: Editora Multifoco, 2013.

______. Olhares sobre a (in) diferença: formar-se professor de Ciências a partir de uma perspectiva de educação em direitos Humanos. São Paulo: Ed. Livraria da Física, 2015.

______. Tecendo diálogos sobre direitos humanos na educação em ciências. São Paulo: Ed. Livraria da Física, 2016.

______. Conteúdos cordiais: química humanizada para uma Escola sem Mordaça. São Paulo: Ed. Livraria da Física, 2017.

ONU. Declaração Universal dos Direitos Humanos. UNIC, Rio – Agosto 2009. Disponível em: https://nacoesunidas.org/wp-content/uploads/2018/10/DUDH.pdf

ORLANDI, Eni, P. Análise de discurso: princípios e procedimentos. Campinas, Editora Pontes, 2010. 100p.

OCAÑA, Alexandre Ortiz. Decolonizar la educacion: pedagogia curriculo y didactica decoloniales. Editorial Académica Española, 2017.

SACAVINO, S. Democracia e Educação na America Latina. Petrópolis: DP et alii/Novamérica, 2009.

SILVA, A. M.; TAVARES, C. A Educação em Direitos Humanos no Brasil: contexto, processo de desenvolvimento, conquistas e limites. Educação, Porto Alegre, v.36, n.1, p. 50-58, 2013.

TODOROV, Tzvetan. A conquista da América: a questão do outro. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

TORRES, Nelson Maldonato. Del mito de la democracia racial a la descolonización del poder, del ser, y del conocer. Disponível em: https://globalstudies.trinity.duke.edu/wp-content/themes/cgsh/ materials/events/DelMito .pdf. Acesso em: 12/05/2018.

WALSH, Catherine. Interculturalidad y (de)colonialidad: perspectivas críticas y políticas. In: Revista Visão Gloval, Joaçaba, v. 15. n. 1-2, jan/dez 2012, p. 61-74.

______. Pedagogias Decoloniales: prácticas insurgentes de resistir, (re)existir y (re)viver. Serie pensamento decolonial. San Pablo Etla, agosto, 2013.