Professores de ensino médio: condições de trabalho e características formativas de uma categoria profissional silenciada

Conteúdo do artigo principal

Silvana Soares de Araujo Mesquita
https://orcid.org/0000-0003-0352-2202

Resumo

Este trabalho investiga o professor de ensino médio, procurando identificar as especificidades dessa categoria profissional quanto à formação e às condições de trabalho. Resulta de pesquisa qualitativa, desenvolvida em uma escola pública da rede estadual, na periferia do Rio de Janeiro. Foram aplicados questionários a 69 professores e realizadas entrevistas, além de observações do campo. Dialoga com pesquisas nacionais e internacionais sobre o ensino médio e a formação (Oliveira, Costa, Kuenzer, Gatti, Dubet, Nóvoa e Formosinho). O texto se estrutura em três partes: Condições de trabalho_um quadro de intensificação; Relações de gênero e tempo de serviço_a “tensão” entre grupos heterogêneos; Formação dos professores_múltiplas influências e representações. Conclui-se que as condições de trabalho e a formação desses professores precisam ser repensadas, para superar a própria lógica organizacional e temporal do ensino médio e do estatuto profissional previsto, visando o desenvolvimento da profissional desta categoria docente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Detalhes do artigo

Como Citar
Mesquita, S. S. de A. . (2020). Professores de ensino médio: condições de trabalho e características formativas de uma categoria profissional silenciada. Ensino Em Re-Vista, 27(1), 302–332. https://doi.org/10.14393/ER-v27n1a2020-13
Seção
Dossiê O caminho se faz caminhando: formação docente no fazer e refazer

Referências

BRASIL. Decreto nº 5.622, de 19 de dezembro de 2005. Regulamenta a educação a distancia. Brasília,2005.

BOURDIEU, P. Introdução a uma Sociologia Reflexiva. In: BOURDIEU, P. O poder simbólico. Lisboa: B. Brasil,1989.

BRASIL. Emenda constitucional nº 59 de 11 de novembro de 2009. Brasília, 2009.

BRASIL. Ministério da educação. Censo da educação básica. Brasília, 2017.

BRASIL, Lei Nº 13.415, de 16 de fevereiro de 2017. Conversão da Medida Provisória nº 746, de 2016 (Reforma do Ensino Médio) Altera as Leis n º 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Brasília, 2017b.

BRASIL. Notas Estatísticas do Censo da Educação Básica, Brasília, 2017c.

CANDAU, V. (org.). Rumo a uma Nova Didática. 22ª ed. Petrópolis: Vozes, 2012.

COSTA, G. O ensino médio no Brasil: desafios à matrícula e ao trabalho docente. Rev. bras. Est. Pedag. Brasília, v. 94, n. 236, p. 185-210, jan./abr. 2013.

DIÁRIO OFICIAL. Resolução Seeduc nº 4951 de 04 de outubro de 2013. Fixa as diretrizes para implantação das matrizes curriculares para a educação básica nas unidades escolares da rede pública e dá outras providências. Rio de janeiro, 08 de outubro de 2013.

DUBET, F. El declive de la institución: profesiones, sujetos e individuos en la modernidad. Barcelona: Gedisa, 2002.

FORMOSINHO, J. (Coord). Formação de professores. Aprendizagem profissional e acção docente. Porto: Porto Editora, 2009.

GATTI, B. Formação de professores no Brasil: Características e problemas. Educação & Sociedade, Campinas, v. 31, n. 113, p. 1355-1379, out.-dez. 2010.

GATTI, B (Coord) e BARRETO, Elba. Professores do Brasil: impasses e desafios. Brasília: UNESCO, 2009.

GATTI, B, NUNES, M. (Org.). Formação de professores para o ensino fundamental: estudo de currículos das licenciaturas em Pedagogia, Língua Português, Matemática e Ciências Biológicas. Textos Fundação Carlos Chagas, São Paulo, v. 29, 2009.

GATTI, B. A. et al. A atratividade da carreira docente no Brasil. Estudos & Pesquisas Educacionais, São Paulo, n. 1, p. 139-209, mai. 2010.

GATTI, B; BARRETO, E; ANDRÉ, M.; ALMEIDA, P. Professores do Brasil: novos cenários de formação. Brasília: UNESCO, 2019.

HUBERMAN, M. O ciclo de vida profissional dos professores. In: NÓVOA, A. (Org.). Vidas de professores. 2.ed. Porto: Porto Editora, p 31-59,1995.

IBAÑEZ RUIZ, A. I.; RAMOS, M. e HINGEL, M. Escassez de professores no Ensino Médio: soluções emergenciais e estruturais. Brasília: Câmara de Educação Básica, 2007.

IMBERNÓN, F. La formación y el desarrollo profesional del profesorado: hacia uma nueva cultura profesional. 3.ed. Barcelona: Graó, 1998.

KUENZER, A. A formação de professores para o ensino médio: Velhos problemas, novos desafio. Educação &Sociedade, Campinas, v. 32, n. 116, p. 667-688, jul.-set. 2011.

LIBÂNEO, J. A integração entre didática e epistemologia das disciplinas: uma via para renovação dos conteúdos de didática. In: Encontro Nacional de Didática e Práticas de Ensino, XV, Anais, Belo Horizonte, 2010.

MESQUITA, S. O exercício da docência no ensino médio: a centralidade do papel do professor no trabalho com jovens da periferia. Rio de Janeiro. Tese (Doutorado em educação), Departamento de Educação, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro 2016. 286p.

NÓVOA, A. Formação contínua de professores: realidades e perspectivas. Aveiro: Universidade de Aveiro, 1991.

OLIVEIRA, D. Verbete “intensificação do trabalho docente”. In: OLIVEIRA, Dalila Andrade; DUARTE, Adriana Cancella; VIEIRA, Lívia Fraga. Dicionário: Trabalho, profissão e condição docente. Belo Horizonte, 2010 (versão digital).

OLIVEIRA, D. e COSTA, G.. Trabalho docente no ensino médio no Brasil. Perspectiva, Florianópolis, v. 29, n. 2, 727-750, jul./dez. 2011.

PENNA, M. Exercício docente na escola: relações sociais, hierarquias e espaço escolar. Educação e Pesquisa, São Paulo, v.34, n.3, p. 557-569, set./dez. 2008.

PERRENOUD, P. Ensinar: agir na urgência, decidir na incerteza. 2ª ed. Porto Alegre: Artmed, 2001.

PINTO, José M; AMARAL, Nelson C; CASTRO, Jorge A. O financiamento do ensino médio no Brasil:De uma escola boa para poucos à massificação Barata da rede pública. Educação & Sociedade, Campinas, v. 32, n. 116, p. 639-665, 2011.

SOUZA, D.. e SARTI, F. (org) Mercado da Formação Docente: constituição, funcionamento e dispositivos. Belo Horizonte: Fino Traço Editora, 2014.

TARDIF, M. Saberes docente e formação profissional. Petrópolis: Vozes, 2005.