Contribuições da formação doutoral para a construção da identidade docente

Conteúdo do artigo principal

Nadia Magalhaes da Silva Freitas
https://orcid.org/0000-0003-0042-8640
Josyane Barros Abreu
https://orcid.org/0000-0002-5479-3531

Resumo

Objetivamos apreender as contribuições da formação doutoral para a construção da identidade docente. Na pesquisa, de natureza qualitativa, realizamos entrevista estruturada, modalidade projetiva, junto a docentes, egressos de um programa de doutorado, lançando dois questionamentos, a saber: como você identifica o/a professor(a) que é/tem sido? Que contribuições a experiência doutoral forneceu para essa identificação? Os dados constituídos foram analisados mediante Análise Textual Discursiva. Os docentes manifestaram dificuldades para auto identificar-se, configurando um movimento que intitulamos de problematização de si. Dentre as contribuições do doutorado, para a tecitura da identidade profissional docente, destacamos as seguintes: reconhecer-se insuficiente, constituição de um professor que reflete na/e sobre a prática docente, postura de um professor investigativo etc. Entendemos que a vivencia doutoral representa campo fértil para o desenvolvimento profissional docente, na medida em que protagoniza uma destruição criadora de sua identidade, podendo superar antigas formas de professorar para, então, substituí-las por outras mais inovadoras.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Detalhes do artigo

Como Citar
Freitas, N. M. da S. ., & Abreu, J. B. . (2020). Contribuições da formação doutoral para a construção da identidade docente. Ensino Em Re-Vista, 27(1), 158–177. https://doi.org/10.14393/ER-v27n1a2020-7
Seção
Dossiê O caminho se faz caminhando: formação docente no fazer e refazer

Referências

ABREU, J. B; FREITAS, N. M. da S. Proposições de inovação didática na perspectiva dos Três Momentos Pedagógicos: tensões de um processo formativo. Ensaio - Pesquisa em Educação em Ciências. n.19, e.2734, 2017. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/1983-21172017190123. Acesso em: 11 nov. 2018.

BAUMAN, Z. Identidade: entrevista a Benedetto Vecchi. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2005.

BORTONI-RICARDO, S. M. O professor pesquisador: introdução à pesquisa qualitativa. São Paulo: Parábola. (Série Estratégias de Ensino, n. 8). 2008.

CIAMPA, A. C. A estória do Severino e a História da Severina. São Paulo: Editora Brasiliense, 1987.

CORTELLA, M. S. Não nascemos prontos! Provocações filosóficas. Petrópolis, RJ: Vozes, 2016.

DUBAR, C. A crise das identidades: a interpretação de uma mutação. São Paulo: EDUSP, 2009.

FARIA, E.; SOUZA, V. L. T. de. Sobre o conceito de identidade: apropriações em estudos sobre formação de professores. Revista Semestral da Associação Brasileira de Psicologia Escolar e Educacional, São Paulo, v. 15, n.1, p. 35-42, 2011. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-85572011000100004.> Acesso em: 29 nov. 2018.

FARIAS, I. M. S. de. Inovação, mudança & cultura docente. Brasília: Liber Livros, 2006.

________. Didática e docência: aprendendo a profissão. Brasília: Liber Livros, 2012.

FLICK, U. Introdução à pesquisa qualitativa. Porto Alegre: Artmed, 2009.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 39. Ed. São Paulo: Paz e Terra, 2009.

GADOTTI, M. A boniteza de um sonho: ensinar-e-aprender com sentido. 2. Ed. São Paulo: Editora e Livraria Paulo Freire, 2011.

GONÇALVES, T. O. A Constituição do formador de professores de matemática: a prática formadora. Belém: CEJUP ED, 2006.

HALL, S. A identidade cultural na pós-modernidade. 11. Ed. São Paulo: DP&A, 2006.

LACERDA, V. L.; MELO, G. F. Formação e desenvolvimento profissional de professoras da Educação Básica. Ensino em Re-Vista, Uberlândia, v. 24, n. 2, p.431-450, 2017.

LOURENÇO, C. D. da S.; LIMA, M. C.; NARCISO, E. R. P. Formação pedagógica no ensino superior: o que diz a legislação e a literatura em Educação e Administração? Avaliação, Campinas, Sorocaba, v. 21, n. 3, p. 691-717, 2016. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S1414-40772016000300003. Acesso em: 12 set. 2018.

MINAYO, M. C. de S. O desafio da pesquisa social. In: _____; DELANDES, S. F.; GOMES, R. (Org.). Pesquisa social: teoria, método e criatividade. 27. Ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2016. p. 9-28.

MORAES, R. Mergulhos discursivos: análise textual qualitativa entendida como processo integrado de aprender, comunicar e interferir em discursos. In: GALIAZZI, M. C.; FREITAS, J. V. Metodologias emergentes de pesquisa em educação ambiental. Ijuí: Unijuí, 2007, p. 85-114.

________; GALIAZZI, Maria do Carmo. Analise textual discursiva. Ijuí: Unijuí, 2007.

NUÑEZ, I. B.; RAMALHO, B. L. A pesquisa como recurso da formação e da construção de uma nova identidade docente: notas para uma discussão inicial. ECCOS, São Paulo, v. 7, n. 1, p. 87-111, 2005. Disponível em: http://www.comperve.ufrn.br/conteudo/observatorio/arquivos/artigos/pesquisa-identidade-docente.pdf. Acesso em: 03 set. 2018.

OLIVEIRA, C. A. V. de; GOMES, A. A. Apontamentos sobre o conceito de identidade profissional professores. Série-Estudos. Periódico do Mestrado em Educação da UCDB, Campo Grande, MS: n.18, p.193-202, 2004. Disponível em: http://www.serie-estudos.ucdb.br/index.php/serie-estudos/article/view/481>. Acesso em: 12 set. 2018.

PIMENTA, S. G. Formação de professores: identidade e saberes da docência. 4 Ed. In: PIMENTA, S. G (Org.). Saberes pedagógicos e atividade docente, 4 ed. São Paulo: Cortez, 2005. p. 15-34.

______. Didática e formação de professores: percursos e perspectivas no Brasil e em Portugal. 3 Ed. São Paulo: Cortez, 2000.

SARRAF, I. P. B. Cartografia de professores migrantes: formação docente na construção de identidades. Rio Branco: Nepan, 2017.