Expectativas e medos de professores em formação: o papel do estágio supervisionado de ensino

Conteúdo do artigo principal

Delano Moody Simões da Silva
https://orcid.org/0000-0002-6784-6161
Ana Júlia Pedreira
https://orcid.org/0000-0003-2124-1789

Resumo

O estágio supervisionado é desencadeador de uma série de emoções nos estudantes, como expectativas, medos e angustias com relação à sua realização. O conhecimento desses sentimentos por parte dos formadores de professores poderia ajuda-los na abordagem dos mesmos ao longo do processo de formação, antecipando ou discutindo situações que contribuam para diminuir os possíveis efeitos negativos desses. O objetivo desse estudo foi identificar as expectativas e medos de um grupo de licenciandos em Ciências Naturais, na primeira disciplina de estágio supervisionado e discutir a influência dessa disciplina no enfrentamento desses sentimentos. Os estudantes indicaram mais medos que expectativas no primeiro dia de aula quanto à realização do estágio. A partir da análise de conteúdo percebemos, nas indicações, que o momento de estágio realmente é cercado de muita tensão e apreensão. Enfrentar esses sentimentos no contexto escolar, sob orientação de professores supervisores pode ser determinante para a carreira do futuro professor.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Detalhes do artigo

Como Citar
Silva, D. M. S. da ., & Pedreira, A. J. . (2020). Expectativas e medos de professores em formação: o papel do estágio supervisionado de ensino. Ensino Em Re-Vista, 27(1), 118–137. https://doi.org/10.14393/ER-v27n1a2020-5
Seção
Dossiê O caminho se faz caminhando: formação docente no fazer e refazer

Referências

BACCON, A. L. P.; ARRUDA, S. M. Os saberes docentes na formação inicial do professor de física: elaborando sentidos para o estágio supervisionado. Ciência e Educação, 16(3): 507-524. 2010.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70. 2011.

BARRETO, E. S.; OLIVEIRA, M. M.; ARAÚJO, M. L. F. Pontos positivos e negativos do estágio supervisionado na perspectiva dos licenciandos em Ciências Biológicas. Enseñanza de las Ciencias, Extra: 297-301. 2013.

BATES, A. J.; RAMIREZ, L.; DRITS, D. Connecting university supervision and critical reflection: Mentoring and modeling. The Teacher Educator, 44(2), 90–112. 2009.

BECK, C.; KOSNICK, C. Components of a good practicum placement: Student teacher perceptions. Teacher Education Quarterly, 29(2), 81–98. 2002.

BULLOUGH, R. V. JR.; YOUNG, J.; ERICKSON, L.; BIRRELL, J. R., Clarck, D. C., Egan, M. W., et al. Rethinking field experience: Partnership teaching versus single-placement teaching. Journal of Teacher Education, 53(1), 68–80. 2002.

CHAPLAIN, R. P. Stress and psychological distress among trainee secondary teachers in England. Educational Psychology, 28(2), 195–209. 2008.

FEIMAN-NEMSER, S. From preparation to practice: design a continuum to strengthen and sustain teaching. The teacher S. College Record, 103: 1013-1055. 2001.

HONG, J.; GREENE, B. Hopes and fears for science teaching: the possible selves of preservice teachers in science education program. Journal of Science Teacher Education, 22(6): 491-512. 2011.

KOC, I. Preservice science teachers reflect on their practicum experiences. Educational Studies, 38(1): 31-38. 2012.

LARROSA, J. Notas sobre a experiência e o saber da experiência. Revista Brasileira de Educação, 19: 20-28. 2005.

(______). Experiência e alteridade em Educação. Revista Reflexão e Ação, 19(2): 4-27. 2011.

LESHEM, S.; TRAFFORD, V. N. Stories as mirrors: reflective practice in teaching and learning. Reflective Practice, 7: 0-27. 2006.

LIMA, F. S. Beliefs about being an English teacher: hopes and fears. Belt Journal, 1(21): 106-120. 2010.

LINDQUIST, H.; WEURLANDER, M.; WERNERSON, A.; THORNBERG, R. Resolving feelings of professional inadequacy: student teachers´ coping with distressful situations. Teaching and Teacher Education, 64: 270-279. 2017.

MARCELO, C. O professor iniciante, a prática pedagógica e o sentido da experiência. Formação Docente, 2(3): 11-49. 2010.

MARTINU, L.; SOUZA, I.; GOMES-DA-SILVA, P. Como saber se meu mundo de ideias daria certo na prática: o medo da docência no estágio supervisionado em educação física. Motrivivência, 40: 51-66. 2013.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO BRASIL. Parecer CNE/CP 28/2001. Conselho Nacional de Educação, Brasília, 2001. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/028.pdf . Acesso em: 20 set. 2018.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO BRASIL. Resolução no. 2, de 1o. de julho de 2015. Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação inicial em nível superior (cursos de licenciatura, cursos de formação pedagógica para graduados e cursos de segunda licenciatura) e para a formação continuada. Conselho Nacional de Educação, Brasília, 2015. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/docman/agosto-2017-pdf/70431-res-cne-cp-002-03072015-pdf/file. Acesso em: 20 set. 2018.

NÓVOA, A. Professores: imagens do futuro presente. Lisboa, Educa, 95p.

Parkison, P. T. (2008). Field placement treatments: A comparative study. The Teacher Educator, 43(1), 29–45. 2009.

PEREIRA, D. C.; OVIGLI, D. F. B. Estágio supervisionado: relatos do processo de constituição da identidade docente em Uberaba-MG. Revista Profissão Docente On-line, 17(37): 51-62. 2017.

PIMENTA, S. G.; LIMA, M. S. L. Estágio e docência: diferentes concepções. Revista Poíesis, 3 (3-4): 5-24. 2006.

RAZUCK, R. C. S. R.; ROTTA, J. C. G. O Curso de licenciatura em Ciências Naturais e a organização de seus estágios supervisionados. Ciência & Educação, 20(3), 739-750. 2014.

ROTTA, J. C. G; FRANÇA, R. S. A formação reflexiva do professor de ciências naturais e o estágio supervisionado. Revista Electrónica de Enseñanza de las Ciencias, 17(2): 509-571. 2018.

SCHUTZ, P. A.; CROWDER, K. C.; WHITE, V. E. The development of a goal to become a teacher. Journal of Education Psychology, 93: 299-308. 2001.

SHOYER, S.; LESHEM, S. Students´ voice: the hope and fears of student-teacher candidates. Cogent Education, 3: 1-12. 2016

SILVA, D. M. S.; PEDREIRA, A. J. A percepção dos alunos estagiários licenciandos em Ciências Naturais do papel dos professores supervisores da escola. Revista Electrónica Enseñanza de las Ciencias, 15(3): 412-427. 2016.

SMITH, K.; LEV-ARI, L. The place of practicum in preservice teacher education: The voice of the students. Asia-Pacific Journal of Teacher Education, 33(3), 289–302. 2005.

TARDIF, M. (2014) Saberes docentes e formação profissional. Petrópolis, Vozes, 325p. 2014.

TIMOSTSUK I.; USGATE, A. The role emotions in student teacher´s professional identity. European Journal of Teacher Education, 35: 421-433. 2012.

TULI, F. Understanding undergraduate students´ practicum experience: a qualitative case study of Jimma University. Ethiop. J. Educ. and Sci., 5(1): 37-60. 2009.

VAN VEEN, K.; SLEEGERS, P.; VAN DE VEN, P. One teacher´s identity, emotions, and commitment to change: A case study into the cognitive-affective process of a secondary school teacher in the context reforms. Teaching and Teacher Education, 21: 917-934. 2005.

ZANCUL, M. S. O estágio supervisionado de ensino segundo a percepção de licenciandos em Ciências Biológicas. Revista Simbio-logias, 4(6): 24-35. 2011.