Estado, Políticas Públicas e Formação Docente no Brasil: direcionamentos a partir do início do século XXI

Conteúdo do artigo principal

Adão Aparecido Molina
https://orcid.org/0000-0001-9633-4707
Adriana Aparecida Rodrigues
https://orcid.org/0000-0002-4694-4723

Resumo

A educação e a formação docente precisam ser compreendidas a partir de uma vertente totalizante, estabelecendo-se uma relação com a economia e a política, cuja finalidade é perceber as contradições e as ideologias presentes nas políticas educacionais em geral. Partindo desse princípio, o objetivo deste estudo é apontar o papel do Estado nas políticas públicas para a educação no Brasil a partir do inicio do século XXI, enfatizando as políticas destinadas à formação docente. Para atender tal proposto, a pesquisa se pautou em um estudo bibliográfico, por meio de uma concepção teórica pautada no materialismo histórico e dialético. Os resultados mostraram que, as políticas públicas destinadas à formação docente no Brasil estão imbricadas com a forma de organização e de administração do governo federal, consequentemente com as determinações socioeconômicas e políticas que regem as ações governamentais do país.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Detalhes do artigo

Como Citar
Molina, A. A. ., & Rodrigues, A. A. . (2020). Estado, Políticas Públicas e Formação Docente no Brasil: direcionamentos a partir do início do século XXI. Ensino Em Re-Vista, 27(1), 40–67. https://doi.org/10.14393/ER-v27n1a2020-2
Seção
Dossiê O caminho se faz caminhando: formação docente no fazer e refazer

Referências

ALVES, Giovanni. Trabalho e neodesenvolvimentismo: choque de capitalismo e nova degradação do trabalho no Brasil. Bauru: Canal 6, 2014.

BATISTA, Elaine Regina Martins. Políticas de formação para o professor do ensino superior. In: Reunião Anual da ANPED, 34, 2011. Natal, RN. Anais... Disponível em: http://www.anped.org.br/simposio2011/PDFs/trabalhoscompletos/comunicacoesrelatos/0160.pdf. Acesso em: 27 jan. 2014.

FILGUEIRAS, Luiz et al. Modelo liberal-periférico e bloco de poder: política e dinâmica macroeconômica nos governos Lula. In: MAGALHÃES, João Paulo de Almeida et al (Org.). Os anos Lula: contribuições para um balanço crítico 2003-2010. Rio de Janeiro: Garamond, 2010. p. 35-69.

GOMIDE, Angela Galizzi Vieira. Políticas da UNESCO para formação de professores no Brasil: uma leitura da desqualificação da educação brasileira. Caderno de Pesquisa: pensamento educacional, Curitiba, v. 05, n. 11, p. 107-126, set./dez., 2010. Disponível em:
http://www.utp.br/cadernos_de_pesquisa/pdfs/cad_pesq11/7_politicas_da_unesco_cp11.pdf. Acesso em: 22 set. 2014.

HOFLING, Eloísa de Mattos. Estado e políticas (públicas) sociais. Cad. CEDES, v. 21, n. 55, p. 30-41, nov. 2001. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0101-32622001000300003. Acesso em: 30 jan. 2014.

JACOBI, Pedro. Transformações do estado contemporâneo e educação. In: BRUNO, Lúcia (Org.). Educação e trabalho no capitalismo contemporâneo. São Paulo: Atlas, 1996. p. 41-56.

KUENZER, Acácia Zeneida. As políticas de formação: a constituição da identidade do professor sobrante. Educação & Sociedade, Campinas, v. 20, n. 68, p. 163-183, dez. 1999. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/es/v20n68/a09v2068.pdf. Acesso em: 28 mar. 2014.

LEHER, Roberto. Educação no governo de Lula da Silva: a ruptura que não aconteceu. In: MAGALHÃES, João Paulo de Almeida et al (Org.). Os anos Lula: contribuições para um balanço crítico 2003-2010. Rio de Janeiro: Garamond, 2010. p. 369-412.

LESBAUPIN, Ivo. Apresentação: o desmonte de um país. In: LESBAUPIN, Ivo (Org.). O desmonte da nação: balanço do governo FHC. 3. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 1999. p. 07-13.

MAGALHÃES, João Paulo de Almeida. Estratégias e modelos de desenvolvimento. In: MAGALHÃES, João Paulo de Almeida et al. (Org.). Os anos Lula: contribuições para um balanço crítico 2003-2010. Rio de Janeiro: Garamond, 2010. p. 19-34.

MORAES, Reginaldo. Neoliberalismo: de onde vem, para onde vai? São Paulo: SENAC, 2001.

MORAES, Salete Campos. (Re) Discutindo a ação do estado na formulação e implementação das políticas educacionais. Educação, Porto Alegre, v. 32, n. 03, p. 159-154, maio/ago. 2009. Disponível em: revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/ index. php/faced/article/download/.../4011‎. Acesso em 30 jan. 2014.

NETTO, José Paulo. FHC e a política social: um desastre para as massas trabalhadoras. In: LESBAUPIN, Ivo (Org.). O desmonte da nação: balanço do governo FHC. 3. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 1999. p. 75-89.

NEVES, Lúcia Maria Wanderley. Educação: um caminhar para o mesmo lugar. In: LESBAUPIN, Ivo (Org.). O desmonte da nação: balanço do governo FHC. 3. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 1999. p. 133-152.

NEVES, Lúcia Maria Wanderley. A sociedade civil como espaço estratégico de difusão da nova pedagogia da hegemonia. In: ______ (Org.). A nova pedagogia da hegemonia: estratégias do capital para educar o consenso. São Paulo: Xamã, 2005. p. 85-125.

NEVES, Lúcia Maria Wanderley; SANT’ANNA, Ronaldo. Introdução: Gramsci, o Estado educador e a nova pedagogia da hegemonia. In: NEVES, Lúcia Maria Wanderley (Org.). A nova pedagogia da hegemonia: estratégias do capital para educar o consenso. São Paulo: Xamã, 2005. p.19-39.

NOGUEIRA, Marco Aurélio. A dimensão política da descentralização participativa. São Paulo em Perspectiva, v. 11, n. 03, p. 08-19, São Paulo, 1997.

OLIVEIRA, Caroline Mari; MOURA, Kethlen Leite; SILVA, Irizelda Martins de Souza e. Relatório Delors e Relatório Cuéllar: desmitificando a diversidade cultural e a educação na política educacional brasileira a partir da década de 1990. Visão Global, Joaçaba, v. 13, n. 02, jun./dez., p. 397-418, 2010. Disponível em: http://editora.unoesc.edu.br/index.php/visaoglobal/article/view/967. Acesso em: 30 jan. 2014.

OLIVEIRA, Dalila Andrade; DUARTE, Adriana. Política educacional como política social: uma nova regulação da pobreza. Perspectiva, Florianópolis, RJ, v. 23, n. 02, p. 279-301, jul./dez. 2005. Disponível em: http://www.ced.ufsc.br/nucleos/nup/ perspectiva.html. Acesso em: 16 set. 2014.

OLIVEIRA, Dalila Andrade; FERREIRA, Elisa Bartolozzi. Políticas sociais e democratização da educação: novas fronteiras entre público e privado. In: AZEVEDO, Mário Luiz Neves (Org.). Políticas públicas e educação: debates contemporâneos. Maringá: EDUEM, 2008. p. 23-46.

PASSETTI, Edson. Governamentalização do estado e democracia midiática. São Paulo: 1997. p. 55-64.

ROMERO, Ana Paula Hamerski. Análise da política pública brasileira para a educação especial na década de 1990: configuração do atendimento e atuação do terceiro setor. 2006. 220 f. Dissertação (Mestrado em Educação) - Universidade Estadual de Maringá, Maringá, 2006.

SADER, Emir. Apresentação. In: SADER, Emir (Org.). 10 anos de governos pós-neoliberais no Brasil: Lula e Dilma. São Paulo, SP: Boitempo; Rio de Janeiro: FLACSO Brasil, 2013a. p. 07-08.

______. A construção da hegemonia pós-neoliberal. In: SADER, Emir (Org.). 10 anos de governos pós-neoliberais no Brasil: Lula e Dilma. São Paulo, SP: Boitempo; Rio de Janeiro: FLACSO Brasil, 2013b. p. 135-143.

SAVIANI, Dermeval. Formação de professores no Brasil: Dilemas e perspectivas. Revista Pedagógica, v. 09 n. 01, jan./jun. 2011. Disponível em: www.revistas.ufg.br/index.php/poiesis/article/view/15667/9592. Acesso em: 10 jun. 2013.

TOUSSAINT, Eric. A bolsa ou a vida: a dívida externa do terceiro mundo: as finanças contra os povos. Brasília: Fundação Perseu Abramo, 1996.

VIEIRA, Sofia Lerche; ALBUQUERQUE, Maria Glácia Menezes. Política e planejamento educacional. 2. ed. Fortaleza: Demócrito Rocha, 2001.